10 de jan de 2009

Boicote a Produtos de Israel, o código é 0729

No mundo capitalista, segundo analistas, a parte mais sensível do corpo é o bolso. Por isso, se o governo Sionista tem tão dinheiro pra despejar em bombas é sinal de que podemos retirar um pouco desse superávit. Proponho que façamos uma lista de produtos made Israel e uma campanha de boicote. Segundo a imprensa européia, o boicote, deflagrado no meio universitário, já obteve o apoio de comerciantes e industriais e preocupa os empresários israelenses. Até agora, porém, nenhum país ocidental se declarou favorável ao movimento. Em abril passado, diante do bloqueio sionista à economia palestina, o Parlamento Europeu até discutiu sanções contra Israel, mas a proposta foi rejeitada pela Comissão Executiva da União Européia. Apesar disto, as exportações israelenses para o velho continente já caíram cerca de 20%, atingindo especialmente o comércio de armas. A idéia é não comprar produtos fabricados pelos sionistas, que hoje escondem o “made in Israel”. Todo produto que tiver o código de barras iniciado com o número 0729 é produzido naquele país. Muitos produtos das Marcas Nike, Hugo Boss, Revlon são produzidos lá. Quem tiver a lista completa envie para tithyus@gmail.com ou poste nesse blog que será amplamente divulgado. Podemos começar pela nossa aldeia, pois há dezenas de comerciantes Israelenses em Porto Alegre (proprietários de concessionárias, de imobiliáriasde, de óticas, de lojas nos shoppings e na avenida Osvaldo Aranha então, nem se fala.

Gaza: as pessoas estão entregues a própria sorte

O embaixador da Autoridade Palestina no Brasil, Ibrahim Al Zeben, em entrevista para o site G1 afirmou que não é mais possível dizer quem é que está enfrentando o exército de Israel. Segundo ele, todo o povo palestino está se defendendo. Zeben informa que mesmo quem não é militante do Hamas, mesmo quem não tem nada a ver com a guerra e vê sua família em perigo, vê a sua família morta, vai pegar em armas para enfrentar o inimigo. Para ele todas essas pessoas têm o direito de se defender, pois as casas delas estão sendo atacadas. “As pessoas correm de um lugar para o outro, mas estão entregues à própria sorte.” , lamentou.