30 de ago de 2009

Maria Rita: Não Deixe O Samba Morrer

Rio Grande dá exemplo na área de segurança

Rio Grande dá exemplo na área de segurança é o título da matéria do jornalista Humberto Trezzi em Zé H Dominical para bombar a participação do Rio Grande do Sul na 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública. Quem lê o título e os subtítulos da matéria até toma coragem de passear no Parque da Redenção depois que escurece, ou deixar tranquilamente seu carro estacionado nas ruas da Capital campeã em roubo e furto de veículos. Aliás os gaúchos até podem achar que estamos nivelados com a Suécia ou Finlândia na área da segurança pública.

Nessa semana (23) o comandante d0 15º BPM de Canoas, tenente-coronel Bondan foi "tirado" do posto devido a truculência e violência de seus subordinados contra trabalhadores tendo como a gota d'água o brutal espancamento de um motorista de ônibus que parou em frente a um posto de BM daquele município para pedir ajuda a uma senhora que estava passando mal. Recebeu um "diálogo da BM" num beco escuro, que até agora lhe rende pavor e medo do dito encontro.

Quem tem casa no litoral gaúcho sabe que a qualquer momento pode receber a notícia de que sua residência foi literalmente levada, tamanha a falta de segurança. Nossos presídios estão superlotados e sem às mínimas condições de atender o objetivo de recuperar o apenado. Hoje, na realidade, são verdadeiros barris de pólvora, fermentando roubos e assaltos, executados por soldados de facções, que de fora dos presídios obedecem ordens via celular. No litoral norte a Penitenciária Modulada de Osório está interditada devido a falta de espaço, de higiene e de condições de trabalho para os servidores da segurança. Semana Passada o Conselho estadual Saúde denunciou na Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia a total falta de estrutura de saúde no sistema prisional.

O que mais me irrita nisso tudo é a sutileza da mídia guapa em montar, pelo menos nos jornais, uma politica de segurança no Estado, mesmo que o Estado nem saiba o que isso signifique, e tente,sofisticadamente, limpar às mãos de muita gente grande perante ao leitor.

A matéria, lida atentamente, mostra que todas as ações alí expostas não não tem nada a ver com uma política de segurança pública do RS, mas sim, iniciativas isoladas de algumas lideranças políticas, bombeiros, profissionais da saúde, prefeitos, policiais e até mesmo de apenados.

Passados três anos de governo Yeda, lamentavelmente, a falta de uma política de segurança pública só faz aumentar a violência e o crime organizado. Quadrilhas se espalham pela terra guapa, assaltam vários bancos de forma simultânea, além do alarmante aumento do roubo de cargas e de depósitos de grandes redes atacadistas. Sobre o tráfico de drogas não precisa nem falar mais nada, pois está tudo liberado.

A quantidade exorbitante de carros furtados ou roubados mensalmente em Porto Alegre elevou o seguro de automóvel a tal ponto que já se paga valores semelhantes aos patamares estipulados pelas seguradoras em áreas de conflitos militares de baixa intensidade. Há ! vou deixar de fora os assaltos, que só entre taxistas, já vitimou cinco profissionais na Região Metropolitana e em Porto Alegre em 2009.

Então, aproveitem o sol de domingo e a tal sensação de segurança dada pela mídia guapa.

Lembrando Chomsky, por Marcos Rolim

Quando as pessoas dominam verdadeiramente um tema, se fazem compreender facilmente, porque falam com simplicidade. Simplicidade não é o mesmo que superficialidade. É possível dizer coisas importantes e profundas de forma clara, mesmo quando tratamos de assuntos bem complicados. Por outro lado, quando o falante começa a entrelaçar conceitos que remetem a outros conceitos; quando suas palavras formam círculos que impedem qualquer afirmação, o discurso vira um refúgio e, nesta metamorfose, o que se propõe não é mais um diálogo, mas uma encenação.Um dos críticos deste mau uso das palavras é Noam Chomsky, um dos grandes intelectuais de nosso tempo, a quem devemos descobertas que revolucionaram a linguística. Chomsky nunca entendeu o significado de expressões como, por exemplo, “dialética”.

Para ele, sempre que alguém lhe tentou explicar o sentido do conceito, ou dizia algo sem sentido, ou produzia uma verdade trivial. Brincando com suas próprias posições, Chomsky diz que talvez lhe falte um gene para entender palavras do tipo. No interessantíssimo Para Entender o Poder (Bertrand Brasil, 2005), o polêmico dissidente americano concluiu que, por trás de conceitos assim, há muita “falcatrua”. Chomsky tem sido, também, um dos mais importantes críticos do papel da imprensa, o que explica a razão pela qual não costuma ser muito “popular”. Uma de suas teses sustenta que a imprensa não vende jornais.


O verdadeiro produto que a imprensa vende é seu público e quem compra este produto, é claro, são os anunciantes. Talvez, dito assim, soe muito simples. Mas o que há de verdadeiro nesta simplicidade é seu incômodo.O jornalismo precisa ser simples, porque seu desafio é o de alcançar o maior número de pessoas, informando-as. O que não significa que precise ser superficial. Nas primeiras horas após a desocupação da fazenda Southall, tínhamos um sem-terra morto. Depois, com as informações de que a vítima não estava armada e que foi alvejada pelas costas, o que passamos a ter foi um assassinato. Ou, se a linguagem jurídica for preferível, um homicídio. O MST não “ganhou um mártir”, como se chegou a afirmar, porque a conclusão faz crer que o impróprio no disparo é seu efeito político, não o cadáver.


Os relatos colhidos sobre o que foi feito pela Brigada Militar apontam não para uma “operação desastrada”, mas para a prática da tortura contra dezenas de pessoas. Não há desastre ou “erro” na tortura, há vergonha e crime. Simples assim. E se uma representante do Ministério Público anuncia que a operação policial demonstrou “profissionalismo”, então há um espanto que precisa ser explicado, para que o próprio Ministério Público não se confunda com o “Ministério da Verdade” de George Orwell e sua “novilíngua”. Na distopia proposta pelo livro 1984, um dos conceitos criados pela “novilíngua” era “duplipensar”.


Com a expressão, o governo totalitário pretendia induzir os indivíduos a conviver simultaneamente com duas crenças opostas, aceitando ambas. Uma polícia que atua com profissionalismo não tortura, não humilha e não produz cadáveres. Não há “dialética” a ser invocada e não dizê-lo claramente é amparar a mão que puxou o gatilho. Simples assim. Ou, talvez, me falte um gene para compreender a covardia. marcos@rolim.com.br