26 de out de 2009

Pesar


É com muito pesar que lamentamos a morte da estudante Aline Jahn, 17 anos, e sua família, que estavam se dirigindo à Câmara de Vereadores de Novo Barreiro, para uma homenagem a jovem Aline como rainha da Feimate. Um choque envolvendo vários veículos provocou a morte de Aline, de seus pais, Aloísio Jahn, 56 anos, de Jurena Jahn, 52 anos, e de um sobrinho, Henrique, de cinco anos. Neste momento de profunda dor e tristeza apenas queremos dar nossa solidariedade para a Lisisane, mãe do Henrique e nossa amiga. Estaremos ai para te ajudar.

Base de Yeda tenta flexibilizar legislação ambiental do RS

O deputado Dionilso Marcon (PT), membro titular da Comissão de Agricultura Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa, alerta que o PL 154/2009 dispõe sobre o Código Estadual do Meio Ambiente do Estado, protocolado pela base do governo Yeda, não representa o pensamento dos deputados da Comissão. Segundo o deputado, o presidente da Comissão, Edson Brum, simplesmente coletou nove assinaturas, exceto do PT e PSB e protocolou o projeto, sem uma discussão profunda com a sociedade.

A proposta, segundo o petista, tenta flexibilizar toda a legislação ambiental do Estado do RS e se coloca em desacordo com a legislação federal, em especial no que diz respeito ao Código florestal, garantindo igualdade entre a agricultura familiar e a agricultura empresarial. No atual Código Florestal Brasileiro a agricultura familiar tem tratamento diferenciado.

Marcon informa ainda que o projeto está tramitando rapidamente, e se aprovado, revogará o Código Estadual do Meio Ambiente, Código Florestal do Estado do RS, Organização do Sistema Estadual de Proteção Ambiental, Preservação do Solo Agrícola, Lei do Regramento de Corte de Capoeira que alterou o Código Florestal do RS, Lei que Instituiu o Sistema Estadual de Recursos Hídricos e a Lei que Dispõe sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos. "O PL, na forma que está, fará regredir a política ambiental do Estado, presente nessas sete leis estaduais em vigor", destaca Marcon.

O circo de Yeda

A cidade de Porto Alegre recebe anualmente uma série de circos, no entanto, o governo Yeda simplesmente criou o seu. Tudo bem que já estamos acostumados, mas dessa vez ela passou a utilizar uma via pública da Capital, em frente ao Piratini. O local está bloqueado há mais de seis meses, com o silêncio e a omissão da prefeitura de Fogaça.
A via, inicialmente foi fechada pela Brigada Militar e ponto final. Após isso, paulatinamente, foi instalada uma tenda plástica, e agora, temos uma espécie de tenda maior de alvenaria com teto de sapê. Festas, comemorações, e até empresas públicas são obrigadas a aportar atividades para preencher aquele espaço. Na realidade, o fechamento "forçado" serve pra contrapor a enorme quantidade de protestos e de manifestações contra o governo tucano. Como se não bastasse toda a parafernália, uma barraca Yanes foi montada atrás da oca, tendo a foto da governadora ao fundo, onde a base tucana se reveza diariamente. A via dá, ou dava, acesso aos veículos ao Palácio Farroupilha (Assembleia).

Buracos e lagoas


É impressionante a buraqueira das ruas de Porto Alegre e também nas estradas gaúchas. Na Capital é comum ter que desviar de buracos ou de tampos de redes de esgoto, que até parecem crateras lunares, mas como a mudança não pode parar (ahahaha) paciência.

No interior, as estradas, além da falta de de sinalização nas pistas (mas com muitos pardais), e da quantidade enorme de buracos, também apresenta verdadeiras lagoas nos dias de chuva: são pistas desniveladas e com o asfalto afundado. Motoristas de carros de passeio sofrem ao dirigir, pois em determinados momentos têm seus carros cobertos por cachoeiras de água, jogadas por caminhões ou ônibus, quando esses passam essas lagoas rodoviárias. Não vamos nem falar da qualidade do asfalto, nem da qualidade dos serviços das estradas pedagiadas. Uma vergonha