1 de abr de 2010

Só o PMDB pode barrar a CPI do caso Eliseu

Para uma polícia que possui mais de 1 milhão de inquéritos parados, a rapidez com que a Polícia Civil "desvendou" o assassinato do ex-secretário Eliseu Santos deixaria até mesmo Sherlock Holmes satisfeito. De cara a PIG guasca encampou a tese do latrocínio vendida pela PC. Tão rápida que no domingo, dois dias após Eliseu ser silenciado, pelo menos um jornal abria duas páginas "prevenindo" a população contra possíveis assaltos à noite e dando dicas de "segurança".

O que está se vendo é que a história é bem diferente e que, segundo investigação de dois promotores do Ministério Público, Eliseu Santos foi morto num crime de encomenda. Segundo depoimento do próprio Eliseu na Câmara de Vereadores, ainda no ano passado, dois homens pararam de moto ao seu lado e um deles disse que ele ia morrer porque estava perseguindo o seu pessoal (?????). O estranho é que a Policia desconsiderou esse depoimento feito na Câmara de Vereadores no dia 18 de maio de 2009, onde revelou essa ameaça de morte.

Um dos donos da empresa Reação, que prestava segurança na Secretaria da Saúde, também compareceu à Câmara, e reafirmou que supostamente sofria pressão para pagar propina ao secretário ou algum preposto dele, no entanto, o PMDB abafou a tentativa da oposição de abrir uma CPI para investigar denúncias de propina na Secretaria Municipal de Saúde no governo de José Fogaça (PMDB)

Vamos ver o que será feito pela base de Fogaça para impedir que a CPI não saia na Câmara de Vereadores. Num Estado, dito politizado, a CPI já teria ocorrido há muito tempo.

É 1º de abril, mas é tudo verdade

Parece piada de 1º de abril que o governo tucano tenha enviado ao Poder Legislativo gaúcho uma proposta vergonhosa de apenas 6% de reajuste aos professores como forma de recomposição salarial dos últimos quatro anos. Segundo o governo Yeda e seus aliados (PMDB, PTB, PP, PPS) o impacto nas contas públicas será de R$ 254 milhões até ao final de 2011. Enquanto isso os nababos do judiciário e os roliços oficiais da BM embolsarão mensalmente uma pequena bolada que pode chegar a 24 mil reais mensais. Os juízes ganharão até R$ 3 mil a mais nos seus contra-cheques e o magistério receberá um aumento de R$ 16 no vencimento básico, lamentou a presidente do Cpers, Rejane de Oliveira.

Coincidentemente esse "gasto" com os professores, como gosta de chamar o governo Yeda, é quase o mesmo valor que Yeda "investiu" anualmente na grande mídia em forma de publicidade com o seu governo. E se somarmos o "investimento" de Yeda para sustentar politicamente o seu desastrado governo via mídia juntametne com os valores desviados do Detran, chegaremos ao mesm patamar do tal impacto financeiro.


O líder do governo Yeda, o deputado Adilson Troca (PSDB), disse que não era Silvio Santos para sair distribuindo dinheiro para todo mundo. Nesse quesito o deputado tucano tem razão, o governo Yeda só deu para as elites, para os poderosos. Para o magistério e os praças da BM foram apenas as migalhas, e depois não sabem porque o Rio Grande cresce ano-a-ano como rabo de cavalo: para baixo
O pior é que hoje é 1º de abril, o dia da mentira, mas tudo isso é a pura verdade.