20 de fev de 2009

Escolas itinerantes: Entrevista especial com Jacques Alfonsin

Perplexidade e revolta. Foi assim que o procurador Jacques Alfonsin definiu o significado da determinação do Ministério Público para fechar as escolas itinerantes criadas pelo MST para educar os filhos e filhas dos acampados. A IHU On-Line debateu com Alfonsin, por e-mail, as razões para essa medida e o que ela implicará tanto para as crianças, que deverão ser matriculadas em escolas regulares das cidades onde estão acampadas, quanto para os movimentos sociais e suas ações.
“O fato de se cancelar o funcionamento de tais escolas atesta, mais uma vez, em que medida o preconceito ideológico da suspeita infundada pesa sobre os trabalhadores e as trabalhadoras pobres do nosso país, não pelo que elas fazem ou dizem, mas sim pelo que são”, enfatiza Jacques, que conversou conosco também sobre a influência da determinação sobre os novos militantes, sobre as ações de Gilberto Thums contra o MST e também se seria necessária uma institucionalidade ao movimento que nasceu aqui no Rio Grande do Sul e tornou-se referência para os movimentos sociais do mundo todo. Clique aqui para ler a entrevista na íntegra

Bispo é perseguido por sionistas

O bispo britânico Richard Williamson, recebeu ultimato do governo Argentino para deixar o país em até 10 dias. Williamson afirmou não acreditar no Holocausto. Para ele apenas 200 mil a 300 mil judeus morreram nos campos de extermínio nazistas – não 6 milhões, como dizem os historiadores. O Vaticano exige retratação de Williamson sobre o Holocausto, mas ele se nega a fazer. Se os judeus não aceitam a posição do bispo, porquê se negam a aceitar que o Estado de Israel promove o extermínio de homens, mulheres e crianças na Faixa de Gaza ? Eu gostaria de ter acesso aos relatórios secretos que o Vaticano recebeu de 1940 a 1945 sobre o tema, seria esclarecedor. O tempo dirá !