17 de nov de 2008

Policia Civil recebe solidariedade do delegado Protógenes


Estão presentes no ato da Policia Civil a ex-senadora pelo PSOL, Heloisa Helena, a deputada federal Luciana Genro, acompanhado do delegado federal Protógenes de Queiroz. Também estão presentes no ato o deputados Dionilso Marcon , Elvino Bohn Gass e Fabiano Pereira, ambos do PT.

"Policia na rua, Yeda a Culpa é tua"


Com gritos de protesto "Policia na rua, Yeda a Culpa é tua" centenas de policiais estão em protesto , em frente ao Palácio Piratini, contra a politica de desmantelamento do Estado. Segundo Isaac Ortiz, presidente da Ugeirm, o governo Yeda está destruindo o Estado do Rio Grande. Isaac criticou peiu a ajuda do Ministério Público para que investigue membros do governo Yeda e suas ações de corrupção dero e orado governo.

Policiais começam a chegar ao Palácio


Policiais Civis começam a chegar ao Palácio Piratini. Iniciam e iniciam um cordão de isolamento para receber a manifestação que já que ja esta chegando na Praça.

Chegou a Banda da BM no Palácio


Acaba de chegar ao Palácio Piratini o ônibus da Banda da Brigada Militar , so que todos de capacete laranja. Somados com os que já estão na volta do Palácio podemos afirmar que a Praça da Matriz deve ser o lugar mais seguro do Estado.

Mendes prepara recepção aos Policiais Civis


Não faltará efetivo da BM para garantir a "segurança" dos policias civis até o Palácio Piratini. O local acaba de receber o reforço de uma centena de policias do Batalhão de Choque e, é claro, a Cavalaria não pode faltar.

Os policiais civis gaúchos realizam uma grande passeata em defesa da categoria e em solidariedade aos colegas paulistas, que estão em greve desde o dia 16 de setembro. A concentração será a partir de 14 horas, no Palácio da Polícia. Dali os policiais seguirão, com carro de som, até o Palácio Piratini. É uma caminhada pacífica e ordeira. Nossas armas serão apenas verbais. Não aceitaremos provocações e intimidações.

Foto: Brigada Militar/Divulgação

A greve do CPERS


O Comando de Greve do CPERS/Sindicato prepara a mobilização da categoria em todo o Estado. Também lança uma ofensiva de comunicação da categoria com a sociedade. Os professores exigem que o governo Yeda recue da iniciativa de elaborar um novo plano de carreira para o magistério e não aceita alterações no plano atual. O CPERS pedirá também aos parlamentares a retirada do projeto que retira direitos dos trabalhadores em educação.