2 de set de 2015

Detesto gente que cospe no prato que comeu

Detesto gente que cospe no prato que comeu. Duvido que 90% dos gaúchos não tenham,nestes 12 anos, acessado alguma política pública implementada pelo PT, e nem falo para os pobres. Projetos habitacionais com valores acima de R$ 300 mil, Pronaf para o pequeno,médio e grande agricultor (latifundiários). Financiamento de máquinas, implementos e veículos com IPI zero e juro reduzido mantiveram a indústria em alta e garantiram alto rendimento na produção. Prouni, Fies e 18 novas universidades, além do Mais Médicos e Samu. Na boa, tem que ser muito eleitor do Sartori pra não ver a diferença. Corrupção? Esse debate quero fazer olhando no teu olho.

1 de set de 2015

Empreiteiras foram generosas com Aécio em 2014


Dados do TSE revelam que as empreiteiras envolvidas na Operação Lava-Jato foram generosas com a candidatura tucana de Aécio Neves. Falto espaço para printar todas as doações. Confira a lista abaixo.Fonte: http://inter01.tse.jus.br/spceweb.consulta.receitasdespesas2014/abrirTelaReceitasCandidato.action

22 de ago de 2015

A Água no Chopp e o Vinho de Sartori

Pelo que vejo o governador Sartori poupou seus conterrâneos do gosto amargo do imposto no produto mais querido da Serra Gaúcha: o vinho. Sim ! pelo que li, a bebida de Baco, assim como  os espumantes estão fora do Sartoraço. Isso é sinal de que o governador, ao contrário do que diz, tem amor a sua epiderme e deseja manter intacto o patrimônio político na região que sempre o elegeu. Já que os deputados vão aprovar a maior carga tributária do país é injusto com os cervejeiros paguem a conta sozinhos,haja vista que o consumo do vinho também é elevado no RS. A saber: sou contra o aumento de impostos, só acho injusto.


21 de ago de 2015

A Oração da Propina

Ao comprovar que Eduardo Cunha utilizava as contas da Igreja para lavar o dinheiro ungido, conforme denuncia da Procuradoria geral da República, demonstra apenas aquilo que a sociedade já sabia: abrir um templo hoje também virou grande negócio, melhor ainda se misturar política, religião e poder. Pela denúncia, Cunha vai ter que devolver R$ 270 milhões para os cofres da Petrobras, mas enquanto não sair o julgamento vai continuar rezando pela bíblia da malandragem e da falta de ética com aquele discurso de que tudo é armação. Fui criado dentro de uma Igreja Evangélica e posso afirmar que o que existe hoje está muito além do que apenas louvar a Deus, infelizmente.

12 de ago de 2015

20 anos nas mãos do PMDB e aliados: Simon, Britto, Rigotto, Yeda e agora Sartori


QUEM NÃO FEZ A LIÇÃO DE CASA ??Em menos de 30 anos da abertura democrática, o PMDB governou pelo menos 20 anos o Rio Grande do Sul (Simon, Britto, Rigotto e também com Yeda). Antes deles a maioria dos governadores eram da Arena (PDS que hoje é PP e DEM), que também são aliados. Ou seja, se existe uma crise econômica e o Estado não fez a lição de casa, de quem é a culpa ? O Deficit Zero de Yeda apenas represou reajustes e reduziu a capacidade do Estado de atender minimamente a saúde, educação e a segurança pública. 

Agora, Sartori corre para Brasília para jogar a conta da renegociação da dívida nas costas do PT e de Dilma, sendo que quem renegociou a dívida foi o PMDB. 

Foi também nesses governos que o Estado se desfez da maioria do seu patrimônio e ficou com os passívos trabalhistas, como é o caso da CEEE, que foi esquartejada, perdendo 70 % da receita e ficando com toda a dívida. Agora querem dizer que a culpa é do PT por ter gasto mais do que arrecada, mas esquecem de dizer que foi apenas no governo Tarso Genro que  o estado investiu 10 % em saúde, reajustou salários defasados que não atraiam mais nenhuma mão de obra qualificada. A saída agora é a mesma que sempre fizeram, vender e demitir. A gente já conhece o filme.

A FOTO ACIMA FALA MAIS QUE MIL PALAVRAS

Libere a Cannabis e Cobrem Imposto

Liberar a comercialização de drogas como a maconha e cobrar imposto é a solução mais inteligente que a sociedade pode fazer. A guerra das drogas foi perdida nos Estados Unidos e lá já estão ganhando milhões de dólares como a cannabis. Aqui, a polícia enxuga gelo prendendo traficante e o Estado perde de arrecadar. Vamos Evoluir Gente ! Cigarro e Álcool são drogas tão ou mais perigosas e são vendidas livremente. Imaginem quanto rendenderia esse mercado para o Estado ??

10 de ago de 2015

O discurso da crise sempre foi utilizado pelos governos do PMDB

O discurso da crise sempre foi utilizado pelos governos do PMDB e de seus aliados. Lembro do discurso de Britto, reproduzido pela mídia guasca, que todos os problemas de saúde, educação e transporte estariam resolvidos com a venda de estatais e a demissão de funcionários. Britto vendeu tudo o que pode a preço de banana e ainda deixou uma renegociação da dívida pública com a União (FHC à época) com juros impagáveis. Yeda (PSDB) e seu principal aliado (PMDB) também utilizou do mesmo artifício, aliás, usou tanto, que os líderes empresariais gaúchos tiveram que pedir que a ex-governadora parasse de falar em crise  pois estava atrapalhando os negócios. Todos os governadores passaram por dificuldades, mas sempre o PMDB achou o caminho mais fácil, aumentar impostos e redução do tamanho do Estado através de venda, deixando o passivo trabalhista para o Estado, como foi o caso da CEEE. 
Agora colocam novamente o bode na sala,  ameaçando servidores com extinção de fundações e paralelamente tocam o projeto de reprivatizar estradas e venda de estatais. Na época do Britto a gente viu no que deu: contratos sem transparência, geralmente bem amarrados juricamente e beneficiando apenas o lado do investidor.

Não vi nenhum gesto do governador Sartori em pedir ajuda da sociedade no combate à sonegação e muito menos de buscar alternativas para pagara aqueles que ganham menos. Pelo visto a saída da crise pelo crescimento econômico não é a opção do governo Sartori.

8 de ago de 2015

Para seu filho ler, e para você também



Num regime presidencialista, democraticamente estabelecido como o nosso, um presidente é eleito por maioria dos votos, ou seja, 50% mais 1 dos votos válidos. Porém, como diz o juridiques, existem os freios e contrapesos, onde o Congresso eleito naquele dia é o exata imagem da sociedade naquele momento. Ou seja, elege um projeto e coloca uma maioria que teoricamente precisa ser convencida que aquele que está no executivo está certo.

Segundo Passo:

Não tendo maioria, e nunca terá, o presidente precisa negociar. Em países desenvolvidos, essa disputa fica no campo ético e nas disputas ideológicas.aprova-se por convicção e não por interesse.

 Agora que vem a parte boa. Se o país elege um bando de achacadores e a presidenta não sede, ou luta para não seder, as consequências de uma crise política são devastadoras. 

Digo isso para que a sociedade saiba que foi o povo que elegeu essa gente (deputados e senadores),uma imagem da sociedade refletida no Congresso no dia da votação. Hoje temos uma plutocracia eleita,uma vanguarda do atraso,  bancada com dinheiro público, através de doações de campanha de empresas privadas.

Renan, Collor, Eduardo Cunha, Aécio, Agripino, Bolsonaro e Caiados não estão lá porque entraram no tapetão como gosta a oposição,entraram pelo voto e para tirá-los só daqui quatro anos,

O PMDB e o PSDB, com seu aliado no TCU (foto acima)  são os principais interessados  no quanto pior melhor, transformar o país numa republiquetas de bananas para depois dividir os despojos de guerra. 

1 de ago de 2015

O combate à sonegação não é prioridade de Sartori

Ao propor aumento em mais cinco pontos percentuais do ICMS para os combustíveis e energia  e de 17% para 18 %  na alíquota geral, Sartori, do PMDB, fala nas entrelinhas que não está nenhum pouco interessado em combater a sonegação no Estado. É muito mais fácil tungar a população via energia e gasolina do que sair à caça daqueles que não pagam seus impostos.  Além de não dar nenhum reajusteao funcionalismo, Sartori ganhou muito com o realinhamento do preço dos combustíveis e energia no inicio do ano, fator que ele esconde. Meu Partido é o Rio Grande é na verdade a velha prática do PMDB nos governos, tira dos pobres e deixa os ricos de lombo liso. 

31 de jul de 2015

E as pedaladas do Sartori ?

O não pagamento em dia do funcionalismo e o adiamento da quitação da parcela da dívida pública com a União pode também ser consideradas pedaladas fiscais. Porém, não vi nenhum articulista da mídia pedindo o impeachment do Sartori .Aliás, notaram que quando o PMDB está no governo e a crise aperta a sigla some do noticiário e surge apenas o PIRATINI.

29 de jul de 2015

Dinheiro tem, mas é para poucos.

Dinheiro tem, mas é para poucos. Ao confirmar que o governo Sartori vai parcelar o salário dos servidores do executivo, fica a dúvida de qual será a cota de sacrifício dos outros poderes. Judiciário e Legislativo, que já ganham acima da maioria das categorias vão ficar livre da tesoura da fazenda ?? Injusto, haja vista que a própria Assembleia no final do ano passado fez um trenzinho da alegria  criando mais 46 cargos, liberando outros 46 para os deputados. Se desdobrados, essas vagas se transformam em até 92. Ou seja, numa canetada, a Assembleia fez uma bela festa. Não vi nenhum deputado da base reclamando.

26 de jul de 2015

Apesar da crise & tudo pode acontecer

Em 10 minutos da programação da GloboNews, a palavra "a pesar da crise" foi repetida três vezes, sempre ressaltando o crescimento de setores da economia. Articulista da Zero Hora me "informa" que José Serra poder ser o Primeiro Ministro no lugar de Dilma, numa alusão de que tudo pode acontecer. Eu lembro que votei pelo presidencialismo num plebiscito nacional, e pelo que sei isso exige consultar popular. De resto tudo cheira a golpe.

25 de jul de 2015

Teus filhos não sabem,mas você sabe o que foi a treva

Teus filhos não sabem,mas você sabe o que foi a treva de viver o período neoliberal de FHC no Brasil e de Britto no Rio Grande do Sul. Desemprego, fome, miséria, e os ricos sozinhos felizes nos aeroportos. Financiamento habitacional não existia, e se existia tinha que ter uma "cunha" no governo para conseguir a liberação. Material de construção em 10 x sem juros ?ahahahha A inflação era de 80 % , sim, 80% ao mês. Final do governo FHC ? Universidades quebradas, desemprego entre os jovens em níveis espanhóis.

Aeroporto de Cláudio: nunca quiseram saber

Nunca a nossa mídia suja quis saber como uma aeroporto novinho em folha foi parar nas terras dos parentes de Aécio Neves. Assim como nunca quiseram saber quem era o dono do avião que matou Eduardo Campos e seus assessores.

Para os vassalos, defender empresas brasileiras no exterior virou crime

Antes da definição da compra de caças para a Força Aérea Brasileira, Hillary Clinton, Sarcozy (França) e Vladimir Putin, vieram ao Brasil defender os produtos das empresas de seus países. Lula não ! esse é criminoso por vender nossos produtos, gerando milhares de empregos no Brasil. Criminalizar Lula é condenar o Brasil a voltar ao passado, se subordinando aos interesses das grandes empresas internacionais. A saber, no Brasil, um dos ramos da Odebrechet é equipamentos de defesa, industria que movimenta bilhões de dólares e é dominada pelos americanos. Talvez resida aí um dos motivos para que os vassalos de plantão queiram acabar com Lula e a Odebrechet. Na foto, míssel desenvolvido pela Odebrechet para o exército. Superfície-Superfície Anticarro MSS 1.2 AC


Não Sigam Nossas Façanhas de Modelo à toda Terra

Toneladas de garrafas pets, sacos de lixo, sofás,saquinhos de doritos, chinelos e outras coisas que são uma mistura de todas as outras. Esse é o resultado do transbordamento do rio Guaíba em sua orla devido a enchente.Infelizmente, não tem classe social, pois vejo desde jovens bem apessoados com seus caros skates ao tiozinho que vende algodão doce utilizando nossas ruas como imensas lixeiras. Será que a sociedade não se dá conta que esse material vai ficar na natureza por 100 ou 200 anos e que afetará o meio ambiente ? As mudanças climáticas está apenas começando e muita coisa ruim ainda está por vir. Se a sociedade não ajudar, só vai piorar.

8 de mar de 2015

O PT e seus 35 anos por Olívio Dutra*


No dia 10 de fevereiro passado o Partido dos Trabalhadores completou 35 anos de existência formal. Na informalidade, começa com o Movimento Pró-PT, em 1978, por dentro de uma intensa movimentação de trabalhadores(as) de diferentes categorias e regiões, sendo núcleo principal o ABCD paulista, maior concentração operária do país. O anúncio do projeto se deu na Reunião Intersindical de Porto Alegre, RS, em 19-01-79.

Portanto, o PT não surge dos gabinetes executivos ou legislativos, nem de geração espontânea, muito menos de cima para baixo. Surge no seio de lutas importantes de parcela significativa do povo brasileiro que lutava não só contra a Ditadura mas por Terra, Trabalho, Liberdade e o direito de ser sujeito e não objeto da política. O Partido, já nos seus primeiros documentos, forjados nas discussões por núcleos de trabalho, moradia, estudo, lazer, etc, enfatizava a importância da Política não como “o toma lá dá cá” dos partidos tradicionais, mas como a construção de uma nova sociedade com o protagonismo das pessoas. Os debates foram se espraiando e se aprofundando.

Incorpararam-se a esse movimento inicial outras vertentes e experiências de lutas sociais diversas, do pensamento libertário e do socialismo democrático, latentes nas lutas do povo brasileiro. O Programa do Partido foi sendo forjado num processo e num ambiente político que exigia a interação entre a tarefa de elaborá-lo com as lutas travadas pelo povo contra a Ditadura, seus esbirros, seus defensores e suas políticas. Daí decorre um estaqueamento alicerçante do PT: o Protagonismo. A ideia de que a Política pode e só é transformadora à medida em que o povo for sujeito e não objeto dela.

O Partido já nasce afirmando a Democracia não como tática ou estratégica, mas como objetivo permanente. O ser humano é um ser político e se não se realizar nessa dimensão é um ser incompleto. Entenda-se a Política não uma profissão, um mandato, um cargo (estes são missões importantes porém passageiras) mas o exercício pleno da cidadania baseada na interação entre as pessoas, podendo formar associações, entidades, partidos, etc, na busca da construção solidária do Bem Comum. Maquiavel e Sun Tzu estão entre muitos que pensam diferente. A Ética da Política é, portanto, a construção do Bem Comum com o protagonismo das pessoas.

Nos seus 35 anos de vida, o PT vem perseguindo realizar na prática essa concepção de Política. O Orçamento Participativo é o exemplo seminal mais emblemático dessa busca permanente. A participação direta da cidadania na construção da proposta orçamentária – uma peça essencialmente política – na integridade da sua Receita & Despesa, antes de ser remetida para o Poder Legislativo que a debate e a aperfeiçoa (ou não), tornando-a Lei. O OP, portanto, é um processo possibilitador, através da apropriação do conhecimento de como funciona a máquina pública, de empoderamento da cidadania e de ampliação do controle público sobre o Estado ( nas três dimensões), sobre os governos e os governantes, atacando, na origem, qualquer esquema de corrupção. Seja por conjunturas políticas, razões culturais, governabilidade, alianças, etc, o certo é que não radicalizamos e nem espraiamos o suficiente essa experiência democrática no universo de nossos governos, nem mesmo no trato do orçamento partidário.

O OP é uma referência mundial, mas praticamos um simulacro do que ele se propunha originalmente como conquista da cidadania e não “obra do PT”. As experiências do OP, na dimensão federada, são mínimas ou inexistentes. Nossos governos não tiveram gana nem condições políticas, por razões óbvias (as dimensões do país, a burocracia, a logística, a necessidade da construção de uma cultura participativa na maioria dos municípios e unidades federativas) de implementar o OP na dimensão federal. Houve ensaios importantes mas limitados a algumas regiões, com participação de entidades de representação nacional, voltadas à temas e não “ao conjunto da obra”; conferências temáticas, eleições de Conselhos que a Presidenta Dilma, ultimamente, pretendia reforçar através de um decreto definindo o Plano Nacional de Participação Social, agora em disputa na Câmara via um projeto de lei. O certo é que a feitura do orçamento público continua sendo um mistério, uma alquimia tecno burocrática sobre cuja execução os grupos poderosos têm maior influência do que o povo.

Vejam agora a manobra do Orçamento Impositivo, aprovado na Câmara, que estilhaça uma parcela considerável do orçamento da União em emendas parlamentares que vão reforçar o clientelismo político e os currais eleitorais. Isso tudo e mais um pouco, sublinha o quão distante estamos de um efetivo e democrático controle público sobre o Estado (nos cursos de formação é sempre bom esclarecer que o Estado não é só o Executivo, mas também os demais Poderes) brasileiro. Sublinhe-se a importância do MP como conquista republicana da Constituinte de 88 e que merece ser reforçado e não enfraquecido. O controle público sobre o Estado de Direito Democrático não é uma questão de vontade de fazer ou não fazer, que possa ser resolvida por decreto ou qualquer impostura. Essa é uma conquista a ser obtida através de um processo de permanente, pacienciosa e persistente, provocação ao protagonismo político, uma construção inclusive cultural. Portanto, de longo prazo, que precisa de partidos políticos (respeitada a pluralidade e a diversidade) de corte diferenciado, como nasceu o PT, com vínculos reais e não hegemonista e/ou utilitarista com os movimentos sociais e comprometidos com a radicalidade democrática e com um Projeto de Nação que poderia vir a ser um projeto de poder solidário, socialista e democrático, não fosse as condutas condenáveis dos que, já na subida, colocaram “a carreta adiante dos bois”.


Cabe uma reflexão sobre as estruturas que se foram cristalizando no interior do Partido: os mandatos legislativos e executivos se sobrepondo às instâncias partidárias; as correntes internas não mais respondendo a necessidade do debate de temas sempre atuais como, o Brasil na América Latina e no Mundo, o Socialismo, o Capitalismo, o Estado, a vida no seu lato sentido, a C & T, a mãe Natureza, a Cultura. Evidentemente que, nessa conjuntura, a partir da internacional, com o ressurgimento de ideologias que já ocasionaram grandes guerras, progroms, culags, campos de extermínio e, hoje, de formas diferenciadas, mais tecnológicas e sofisticadas, promovem guerras localizadas, sustentam ditaduras, instigam conflitos étnicos e religiosos, mantém campos de concentração e de torturas fora do alcance da Justiça e dos Direitos Humanos, e manejam instrumentos macroeconômicos que submetem nações, países e continentes à Banca internacional e à megaempresas que lhes sugam as riquezas, roubam-lhes a identidade, arrasam o meio ambiente, geram fome e miséria, não é razoável imitarmos o caramujo ou a avestruz diante de tais ameaças e perigos.

Estamos sobre ataque cerrado da direita e do neoliberalismo não apenas caboclo, mas dos seus comandos internacionais. A cereja no bolo desses ataques veio de atitudes de figuras importantes do nosso Partido e com funções destacadas nos nossos governos que cometeram erros sérios de condução política, em nome do Partido e se relacionaram pessoalmente de forma promiscua com contraventores e ladravazes de colarinho branco, ferindo fundo a imagem e a respeitabilidade do PT, dentro e fora do país. Essas condutas foram e são graves e o PT não pode tergiversar em torno delas. Sem ser juiz, promotor e carcereiro e enfrentando a insídia da Mídia monopolista local, regional e nacional, não podemos deixar de afirmar que os que se conduziram dessa forma não tiveram e não têm a concordância e a chancela de qualquer instância do Partido e que queremos que sejam julgados pelo Judiciário e não pela Imprensa. Punidos, que o Poder Público seja ressarcido plena e totalmente dos valores comprovadamente desviados.
O filiado do PT, principalmente o que não está empregado na estrutura partidária e ou nos gabinetes executivos e legislativos, é instado todos os dias a se posicionar diante de questionamentos e provocações de toda ordem vindos de adversários ideológicos mas, também, de uma cidadania que nos tinha como referência da boa política e hoje, perplexa, nos vê com decepção e desesperança, sobre condutas de dirigentes tomadas fora do alcance da sua militância e ao arrepio da ética da política do PT. Ocorre que essas condutas não aconteceram por acaso.

O Partido vem, de longe, sofrendo uma transformação por conta de sua inserção de corpo inteiro na institucionalidade. Antes, o PT se autossustentava, à medida que foi conquistando, pelo voto e pela expressão de suas candidaturas, mais presença nos legislativos e executivos, passou a depender dos recursos de gabinetes e um grande número de pessoas aí colocadas não contribuem financeiramente para o Partido nem participam ativamente de suas instâncias. Há uma cultura de acomodação e de pragmatismo se alastrando pelas engrenagens do Partido como uma ferrugem. Uma derrota eleitoral para o projeto adversário, ou, até mesmo uma alternância num governo petista, é um Deus nos acuda na disputa por novas colocações. Nada contra o Partido ter sofrido transformações nesses seus 35 anos de história. Nesse período perdeu e ganhou eleições, elegeu prefeitos, governadores e, por 4 vezes, a Presidência da República, formou bancadas legislativas nos três níveis, fez e desfez alianças e coligações. Algumas dessas transformações estão, no entanto, nos empurrando aos poucos para a vala comum dos partidos convencionais. O PT ao surgir inaugurou um novo tempo na política brasileira. Nos governos que encabeçou o povo brasileiro conquistou cidadania junto com mais emprego com carteira assinada, geração de renda, educação, saúde, moradia, diminuição da miséria (saiu do mapa da fome da ONU), da mortalidade infantil, do analfabetismo, aumento da longevidade, do financiamento para a agricultura familiar e o empreendedorismo; investimentos pesados na infraestrutura do país; política externa independente, soberana, inclusiva, participativa e construtora de uma cultura de Paz; combate às exclusões, discriminações e preconceitos de qualquer espécie. Não é pouco, mas falta ainda muito para o Brasil se tornar verdadeira nação para o seu povo.


A maior riqueza do PT, na verdade, são seus milhares de filiados/militantes que o têm como ferramenta de transformação e não de acomodação; ferramenta que não pode enferrujar, perder o fio nem ficar frouxa em suas mãos; que se mobilizam nas ruas por uma Reforma Política de verdade, não o ornitorrinco que está quebrando a casca no ninho da maioria no Congresso, mas a que virá por pressão legítima e democrática da cidadania despertada e com a qual poderemos construir parcerias verdadeiras em torno de um Projeto de Nação com partidos de contornos programáticos e ideológicos claros. A direita tenta surfar sobre as águas turvas da corrupção, mas dos seus quadros poucos se salvam com moral e autoridade para nos atacar. O maior erro dos petistas que causaram esse estrago à Política e ao Partido foi o terem se metido em enredos nos quais os partidos tradicionais da elite patrimonialista brasileira são escolados e mestres há muito tempo. Agora eles se acham “melhor do que nós” e, diante do desgaste do PT e do Governo, retomam suas bandeiras de privatização do Estado e achicamento da Petrobras, políticas que o povo rejeitou ao nos eleger por quatro mandatos sucessivos. Querem entregar as riquezas a serem extraídas do pré-sal às petrolíferas internacionais através de concessões e não mais pela partilha como conseguimos, em nossos governos, assegurar por Lei. Os ataques se redobram às políticas que em nossos 12 anos de governo já implementamos, afirmando o papel imprescindível do Estado na emulação de um desenvolvimento sustentável, redutor das desigualdades regionais, valorizador do trabalho e da distribuição mais equitativa da riqueza por ele produzida, onde empresas como a PETROBRAS, o BANCO DO BRASIL, a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e o BNDES são estratégicas.

As forças políticas, sociais e econômicas que se contrapõem ao projeto que defendemos e que, mesmo em conjunturas e correlações de forças adversas por conta de nosso compromisso com a classe trabalhadora e os mais pobres do Brasil, estamos executando, agora, com “os erros do PT” (e eles aconteceram), se acham “por cima da carne seca” e se preparam para obstaculizá-lo nas eleições de 2018. Na verdade, através dessas coligações espúrias, garantidas nas Leis, e as composições de governos delas decorrentes, incorporando no Executivo “técnicos”, “bruxos” e “experts” do campo adversário, essas forças nos estão piranhando há muito tempo. Nessa situação, o campo de luta do Partido não pode ser o exclusivamente eleitoral. Daí que articulações serôdias, paralelas às instâncias partidárias e em torno de pessoas buscando prováveis candidaturas, é um grande equívoco e um desperdício de energias que não reabilitam o PT. O campo de lutas é o céu aberto da movimentação popular, com suas debilidades, contradições, desenfoques, no seio do qual podemos educar e aprender fortalecendo a organização popular e aglutinando forças para que, de baixo para cima, cresça a pressão sobre os governos, legislativos e judiciários, nos três níveis, em contraponto à pressão que sobre eles é exercida, de cima para baixo, pelos grandes grupos de interesse privado, seus lobistas e representantes.

Os neoliberais querem uma democracia sem povo, nós queremos o povo protagonista, exercitando plenamente a cidadania na defesa dos direitos individuais, coletivos e solidários e de reformas estruturantes que possibilitem o país se desenvolver de forma parelha, solidária e descentralizada e que a Democracia se consolide, além do discurso e do texto legal, na vida de milhões de brasileiros.
Por reformas: Agrária, Urbana, Tributária e Política.

A luta não é pequena mas é por isso que vale a pena!
Olívio O. Dutra
Presidente de Honra do PT/RS