22 de ago de 2014

ZH anunciou que Britto liquidou a dívida em 21.09.1996

A edição da Zero Hora de hoje(22), que traz a manchete de capa "RS no Limite do endividamento" ignorou que há 18 anos atrás o mesmo jornal saudou o Acordo da Dívida (principal causador da crise das finanças do estado hoje), assinado pelo então governador Antônio Britto (seu ex-funcionário), com a manchete "Rio Grande liquida a dívida". Falta de memória ou de compromisso com a verdade?!

Tarso Genro: Quem fez mais contra a crise financeira do RS?


Quem fez mais contra a crise financeira do RS?

É importante ressaltar, para uma boa leitura da ZH de hoje, no que concerne a dívida do Estado, medidas fundamentais, de natureza estrutural, que o atual governo teve a coragem de tomar para combater este legado de décadas, consolidado com o acordo feito pelo Governo Britto em 98:

1. Parece incrível, mas o jornal não sabe que o atual governo - com maioria na Assembleia - já aprovou o Fundo de Aposentadoria, que vincula todos os novos servidores públicos, vencendo as resistências das altas corporações que tentaram brecar o projeto no Legislativo; repito, o jornal desconhece que esta questão está solucionada, por iniciativa do atual Governo;

2. Não é verdadeira a afirmativa de que a modificação dos indexadores só tem efeitos "no longo prazo": imediatamente, nós abateremos da dívida do Estado mais ou menos R$ 15 bilhões, abrindo um espaço de financiamento imediato de US$ 1 bilhão! Ora, se isso não é considerado uma conquista extraordinária (reduzir a dívida e abrir novo espaço fiscal!), é porque o olhar sobre o tema é ideológico e distorcido.

E esse olhar está revelado na crítica aos aumentos dados aos funcionários públicos, que sofriam um brutal arrocho salarial. Ou seja, abater da dívida R$ 15 bilhões não é nada, mas voltar ao arrocho é uma boa solução. Trata-se, na verdade, de passar como mercadoria-notícia uma "tese" sobre o Estado: para ter solução é preciso pagar mal os servidores e, portanto, rebaixar a qualidade dos serviços públicos.

De outra parte, convém lembrar que uma das maiores pressões sobre o caixa do tesouro são as requisições de valores e os precatórios. Originários de onde, principalmente? Dos aumentos dados pela famosa "Lei Britto", que não foram pagos pelos sucessivos Governos e que estouraram agora. Essa deve ser a qualidade de gestão recomendada pelo Editorial de ZH.


Venho dizendo - desde o início do meu Governo - que não temos divergência sobre o fato de que existe uma crise financeira estrutural no Estado. A divergência é sobre como sair dela. O nosso Governo, com o Fundo de Aposentadoria já aprovado e com a reestruturação da dívida, já acordada, deu dois passos fundamentais para uma saída de médio e longo prazo. Quem não reconhece isso, ou está em campanha eleitoral, ou não gosta de lidar com o mundo real, porque ele desmente suas utopias de direita fundadas na ideologia do Estado Mínimo.

20 de ago de 2014

Ensinando Bonner como se faz entrevista, com FHC

No Brasil nenhum jornalista reacionário foi capaz de fazer essas perguntas a FHC. O apresentador foi competente e ao mesmo tempo duro, respeitoso e educado. Seria um belo exemplo a ser seguido aqui se nossa imprensa não fosse golpista e trabalhasse como um partido político. O mais sensacional na entrevista é que o apresentador faz o próprio FHC admitir a grandeza de Lula e sua gestão a frente do Brasil. A partir dos 4' 50" o bicho pega. 

Será que é perda de tempo assistir programas eleitorais como dizem os barões da mídia ?

Na tentativa de afugentar a população de assistir programa eleitorais, os barões da mídia e seus arautos dizem que os programas são idênticos se comparado há quatros. Afirmam que é uma perda de tempo assistir os programas eleitorais e o que os candidatos tem a dizer.  Será mesmo ?? 

Mostrar obras e compromissos cumpridos não é bom ?? comparar propostas e votar cada vez melhor não faz parte do aprimoramento da democracia ? debater ideias e até mesmo criticar os personagens travestidos de candidatos também não está no jogo para o avanço da democracia ? 

Pego como exemplo os programas que serão veiculados pela presidenta Dilma, onde será possível mostrar todas as obras, programas e projetos realizados. No caso da oposição, tentar mostrar se tem ou não propostas melhores. 

O mais do mesmo, na realidade, são os programas diários das grandes redes de canal aberto. Velhos programas de auditórios e de culinária reciclados eternamente pela industria cultural, numa espécie de cópia da cópia, que cada vez fica pior. Esse fato é comprovado pela perda acentuada de audiência, que foge para a internet e para os canais fechados.

Na realidade o desejo da grande mídia seria que não tivesse horário político e o único palanque fosse as páginas de seus jornais ou a fala de seus arautos nas rádios e TVs. São os mesmos que criticam a política e os políticos para depois se apropriar da bandeira da "honestidade " e posteriormente servir aos seus patrões, sejam em que partido-hospedeiro for. 

19 de ago de 2014

Dilma na TV

O programa de estréia da Dilma na TV foi maravilhoso e ao contrário dos tucanos que escondem FHC, o nosso está com o Lula, pois esse não tem vergonha do seu passado.

4 de ago de 2014

PAC 123456789...porque com tucano é só FMI

Quando o governo do ex-presidente Lula tom ou a decisão de construir hidrelétricas, rodovias, pontes, viadutos, túneis, metrôs e habitações  lançou o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Dilma, seguindo a mesma linha lançou o PAC 2 e em breve o PAC 3. Uma hidréletrica, por exemplo, pode levar uma década para ser realizada e muitas obras avançam esbarram na burocracia, entraves ambientais ou de desapropriação  de áreas indígenas.





Mesmo sabendo disso, o jornal Folha de São Paulo, neste domingo (3/8), afirmou que a presidenta Dilma relança PAC com 30% das grandes obras inacabadas. Mentira ! todas as obras estão em andamento, empregando milhares de pessoas. Abaixo a nota no Ministério do Planejamento sobre o tema e os videos (Belo Monte e transposição do rio São Francisco) acima são exemplos do que falo

Ministério do Planejamento esclarece matéria do jornal Folha de SP

03 de Agosto de 2014
A respeito da matéria publicada pelo jornal Folha de São Paulo, neste domingo (3/8), “Dilma relança PAC com 30% das grandes obras inacabadas“ o Ministério do Planejamento esclarece:

  1. As 101 obras, levantadas pelo jornalista, são parte do conjunto maior de empreendimentos PAC 1. Como mostrou o balanço de quatro anos do PAC, o programa executou 94,1% dos R$ 657,4 bilhões previstos para serem investidos no período 2007-2010. E as obras concluídas alcançaram R$ 444 bilhões ou 82% dos investimentos previstos para o mesmo período.  
  2. Os empreendimentos, ao contrário do que sugere a reportagem, não estão inacabados. Todos eles se encontram em obras, portanto em pleno andamento, empregando milhares de trabalhadores em todo Brasil.
  3. Todos os contratos de obras preveem reajustes anuais conforme variação Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) e/ou outros índices adotados especificamente para determinada obra, conforme cada contrato. Entre 2007 e 2014, o INCC variou 72,95%. A previsão de investimento das 101 obras era de R$ 155,7 bilhões, em 2007 e hoje somam R$ 272,2 bilhões, uma variação de 75%, similar à do INCC, no mesmo período, 72,95%.
  4. Para esse conjunto parcial de obras do PAC1 levantado pelo repórter, 101 obras, é importante esclarecer:
  • Houve obras que foram desmembradas e/ou tiveram alteração de escopo e por isso correspondem atualmente a 114 empreendimentos.
  • Essas alterações provocaram também modificações de cronograma e de valores.
  1. Dessas 114 obras, 76% (87 obras) foram concluídas ou estão em operação; 12% (14 obras) estão em obras e não tinham previsão de conclusão até 2010; 8% (9 obras) estão em obras e tinham previsão de conclusão até 2010 e 4% (4 obras) foram excluídas do PAC.  
  2. Considera-se que o nível de conclusão de 76% é condizente com a primeira seleção de obras do PAC, na qual partiu-se de um baixo patamar de disponibilidade de projetos e baixa capacidade pública e privada para contratação e execução de obras.  

Assessoria de Comunicação
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão