30 de out de 2009

A crítica de Paulo Henrique Amorim à imprensa

A BM e os barões da mídia no mundo da fantasia


Já é comum ligar para o 190 (aquele que no governo Olívio só atendia em 15 segundos) e ninguém atender ou atender mas uma viatura demorar de três a quatro horas para chegar após o chamado de uma acorrência de assalto ou homicídio. Se for em áreas conflagradas pelo tráfico a policia só chega no outro dia já com o DML para levar os corpos. Pequenos furtos, roubos de veículos e atividades suspeitas, esqueça, isso só em filme da S.W.A.T.

Falo isso porque o comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel João Carlos Trindade voltou maravilhado de Israel, e deseja fazer "negócia" e comprar aeronaves não tripuladas capaz de gravar e transmitir imagens a três quilômetros de altitude. Trindade disse que a BM vai testar essa aeronave na Operação Golfinho (Parece que estou vendo a capa de Zé H com Yeda e o comandante da BM ao lado do avião e a seguinte manchete: Tecnologia Israelense na Operação Golfinho)

O coronel, preocupado com a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, e o risco do Brasil se tornar alvo de atentados (ahahahahahahah) quer fazer mais "negócia" e comprar o fuzil Tavor pela bagatela de U$6,5 mil por peça,(preço apontado em sites especializados de armamento). Trindade gostou tanto do briquedinho que pretende comprar 80 deles. A arma é produzida aqui no Brasil pela Taurus, e já teria destino certo: pelotões e batalhões de operações especiais da corporação. Segundo ele, a arma é ideal para combater quadrilhas de assalto a banco (daqui 6 meses vai ter uma duzia dessas nas mãos dos assaltantes)

O certo é que mesmo que o governo Yeda compre poderosas armas ao custo de (R$ 880 mil reais) e aviões não tripulados (ela tem fascínio por aviões né ?) os brigadianos continuam a fazer bicos, ganhando mal, morando mal e sendo uma das polícias mais mal pagas do país, só perdendo para o estado do Piauí. Enquanto o comando da BM brinca de Forte-Apache e os barões da mídia trasmitindo e imprimindo o mundo da fantasia. Brincar de segurança pública não faz muita diferença num Estado onde as chamadas "forças vivas" e põe vivas nisso mostram um Estado que cresce como o rabo do cavalo, para baixo.