20 de nov de 2009

O agronegócio está extinguindo as abelhas no mundo

Não é só o clima que está mudando para pior. O chamado agronegócio que utiliza grandes extensões de terra para plantação de monoculturas, com o uso de pesticidas, associado a destruição das florestas para atender o mercado agropecuário está levando ao desaparecimento das abelhas dos continentes. Segundo os cientistas, os insetos, essenciais para a polinização, estão morrendo devido ao uso de pesticidas e o crescimento da atividade agrícola, que reduz suas fontes de alimento. A espécie pode ser completamente exterminada, o que provocaria efeitos devastadores na agricultura.
Falo isso porque descobrimos que no prédio que resido, há dentro da tubulação de esgoto uma colméia de abelhas. Entrei em contato com o especialista no assunto, o senhor João Feeburg da Casa da Abelha de Porto Alegre, que me confirmou que a pesquisa dos cientistas está correta, e alerta para a necessidade de um debate sobre o tema. Segundo Feeburg nossos bombeiros não estão preparados para atender essas ocorrências e acabam por eliminar as colméias ao invés de retirá-las com vida. O apicultor sugere que o assunto receba a atenção das autoridades de Porto Alegre e que sejam disponibilizadas áreas de entrepostos para que esses enxames sejam realocados vivos para posteriormente serem transportados em lotes maiores, reduzindo custos e salvando os enxames da morte. Segundo o especialista, cerca de 80% dos alimentos consumidos pelos seres humanos dependem da polimização das abelhas e se forem extintas a humanidade passará fome.

O RS perde espaço na economia nacional


O Instituto Brasileiro de Economia e Estatística (IBGE) divulgou nesta semana os resultados da apuração do PIB das unidades federadas. Conforme as informações apresentadas, o RS, entre 1995 e 2007, perdeu sua participação na economia nacional. Em 1995, o PIB do RS representava 7,07% do PIB nacional, esta participação em 2007 caiu para 6,6.
A indústria da transformação foi determinante para a redução da economia frente a outros estados. Entre 1995 e 2007, a participação da indústria da transformação gaúcha em relação à indústria da transformação nacional caiu (-1,6%). Também contribui a estagnação da agropecuária que permanece nos mesmos patamares, em 1995 representava 11,99% e em 2007, 11,88%.

Discurso de Yeda vai pro beleléu

O discurso de Yeda sobre déficit zero foi pro beleléu com a apresentação do projeto de lei que autoriza a tucana a gastar R$ 1 bilhão de reais em 12 meses. A maior parte desse recurso provem da venda de 40% das ações do Banrisul (privatização escamoteada).Yeda sabe que suas chances de reeleição são limitadíssimas e por isso vai torrar parte do patrimônio público com pagamento de precatórios.
Aliás, há dezenas de empresas especializadas em comprar precatórios com deságio que chegam até 70% do valor de face do papel. Essas mesmas empresas e suas ligações "políticas", utilizam esses "cheques ao portador" já com seu valor real para pagar dívidas de empresas com Estado. Se minha tese estiver correta, Yeda ainda vai reduzir juros desses devedores, dando um presente de final de ano para os sonegadores.