29 de out de 2009

Operação tapa-buracos de Yeda


Pequenos agricultores do município de Ajuricaba-RS cansaram de esperar pelo famoso défict zero de Yeda e de suas ações midiáticas. Como eles precisam de estradas verdadeiras e reais para escoar a produção da próxima safra, meteram as mãos calejadas nas enxadas e pás e passaram o final de semama passado fazendo o que o governo Yeda não fez nesses três anos, trabalhar.
Os barões da mídia vendem o Estado maravilhoso de Yeda e de seu déficit zero. Das suas rotativas saem noticias boas e maravilhosas todos os dias sobre o governo tucano. Lá do alto da bufunfa de R$ 150 milhões de reais que Yeda gastou em mídia em 2008, eles apreciam o desmantelamento do RS sem culpa, afinal o Estado é grande e para todos (ahahahahaha). Com esse dinheiro, o Estado poderia, por exemplo, fazer 150 quilômetros de asfalto, suficente para asfaltar a estrada acima.
Vamos conferir no ano que vem quantos votos fará a governadora ou seus aliados em 2010 nessa cidade.

Estradas da morte do défict zero

O RS cresce como rabo de cavalo, para baixo. Nossas estradas passaram do terceiro para o 12º lugar no ranking das melhores estradas, perdendo até mesmo para o Piauí. Isso é o que demonstra a Pesquisa Rodoviária 2009 da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Apenas 9,% dos trechos inspecionados no Rio Grande do Sul são classificados como ótimos e 61,6% apresentam condição de regular a péssima. A falta de uma malha ferroviária, o lobby das montadoras de veículos automotores (automóveis, ônibus e caminhões) transforma nossas estradas em verdadeiras roletas russas que jogam com a vida de famílias. Um país continental como o nosso não pode depender de estradas para transportar cargas ou pessoas. A quantidade de mortos anualmente, vítimas de acidentes, equivale a uma guerra. A mesma situação vale para nossas cidades que possuem transporte coletivo precário e ruas em péssimo estado de conservação.