20 de abr de 2010

Tarso Genro (PT) em primeiro lugar, com 36,2%

O Partido Progressista (PP) do RS apresentou nesta segunda-feira os resultados de pesquisa encomendada ao IIP Instituto de Pesquisas (Index) sobre as intenções de voto dos gaúchos para a presidência da República, Senado e governo do Estado. Na induzida, para a presidência da República, José Serra (PSDB), obteve 40,3%; Dilma Rousseff (PT), 30,5%; Ciro Gomes (PSB), 9,9% e Marina Silva (PV), 6,9%. Os indecisos totalizaram 6,1%. E os sem resposta 6,5%. A margem de erro é de 2,6 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 8130/2010. O levantamento foi feito entre os dias 8 e 10 de abril com 1.500 entrevistados.

Para o governo do Estado, a induzida apontou Tarso Genro (PT) em primeiro lugar, com 36,2%, seguido por José Fogaça (PMDB), com 28,3%, e Beto Albuquerque (PSB), com 11,3%. A governadora Yeda Crusius (PSDB), que deve tentar a reeleição, ficou com 9,1%. E o candidato do PTB, Luis Augusto Lara, com 3,8%.

Para o Senado, Paulo Paim (PT), obteve 60,6%. Em seguida, vem Germano Rigotto (PMDB), com 53%; Ana Amélia Lemos (PP), com 41,4%; Vicente Bogo (PSDB), com 9,2% e Luiz Francisco Corrêa Barbosa (PTB), com 8%. Os percentuais para o Senado totalizam mais de 100% porque os entrevistados escolhem duas vezes, já que o RS elegerá dois senadores nas eleições deste ano. O levantamento mediu também a rejeição aos candidatos.

Para o governo do Estado, Yeda foi quem apresentou o maior índice de rejeição (47,1%). Genro teve 9,9% e José Fogaça 5,6%. Lara 3,6% e Beto 2,3%. Na questão específica sobre a avaliação do governo Yeda, 44,7% dos entrevistados o consideraram como ruim ou péssimo e 19,2% como bom ou ótimo.

Fonte: http://www.psbcaxias.org/?p=437

Terreno da Fase vale no mínimo o dobro

Nas terças-feiras a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa segue o rito de votação dos pareceres de projetos que tramitam na Casa. Nos últimos tempos, projetos polêmicos como o da extinção do Tribunal de Justiça Militar ou do plebiscito sobre os pedágios nas estradas estão parados há mais de ano. No entanto, o projeto que permite a permuta da área de 73 hectares da Fase, próximo ao estádio Beira-Rio (uma das sedes da copa do mundo), tramita em ritmo acelerado e tem o apoio de muitos deputados.

Agora os parlamentares da base de Yeda (PMDB, PP, PPS, PTB) já admitem que a área vale R$ 79 milhões, valor bem superior ao da permuta oferecida pelos "empreendedores". No entanto, o local, após obras viárias e de infraestrutura que serão realizadas pelos governos para receber a copa do mundo farão duplicar o triplicar o valor do terreno em menos de cinco anos. Os empresários já sabem do potencial da área e colocam um bode na sala para tentar fazer com que a área não tenha a valorização que realmente tem, alegando restrições ambientais. Tudo balela, se o projeto fosse aprovado do jeito que o governo Yeda mandou, provavelmente o local seria repassado por apenas um décimo do valor que já "descobriram". Como a consultoria foi contratada pelo governo Yeda, entendo que o terreno vale pelo menos o dobro ou o triplo do valor.