27 de mai de 2010

Compromisso com a juventude

Edegar Pretto (*)

Pela primeira vez, nos últimos 50 anos, o povo brasileiro, em especial nossa juventude, pôde voltar a sonhar com o seu futuro. O Brasil vive um momento ímpar em todos os segmentos: crescimento da economia, desenvolvimento social acelerado, transferência de renda e geração de empregos.

Em apenas sete anos de governo Lula conseguimos reverter o desastre da política neoliberal que atingiu milhões de jovens brasileiros e foi responsável direto pelo agravamento da pobreza e das desigualdades sociais no Brasil. A eleição do presidente Lula, no entanto, barrou esse período de trevas, e na educação fez a sua grande revolução, tendo nas novas gerações o foco principal dessa política.

Essas ações de governo foram muito além das garantias de acesso à educação para o jovem. Hoje, temos um projeto estratégico, que além de ampliar a rede pública de ensino, com a criação de novas universidades federais e de escolas técnicas, também apóia a cultura e a consolidação das políticas públicas de Juventude. Hoje, a criação de milhares de vagas nas escolas públicas e nas universidades, associada aos investimentos na educação, ampliaram os postos de trabalho, atualmente ocupados por 80% de jovens. No entanto precisamos avançar construindo políticas que discutam como e quando os jovens devem acessar o mercado de trabalho, e de que forma esses jovens podem disputar o acesso ao trabalho decente, sem que abram mão do acesso às políticas educacionais. Vamos construir juntos um programa que apóie o jovem, que o integre nas políticas de transferência de renda, na sua educação e qualificação.

Este ano temos eleições e precisamos buscar o apoio da juventude brasileira para esse grande projeto de desenvolvimento do Brasil que está em andamento. Temos, desde já, o compromisso de eleger Dilma Presidenta e garantir uma expressiva bancada de deputados federais, bem como reeleger o nosso senador Paim. No RS, precisamos recuperar o tempo perdido e fazer o Estado voltar a crescer, para isso, vamos eleger Tarso Governador e a maior bancada do PT na Assembleia Legislativa.

Acadêmico em Gestão Pública, Edegar integra o grupo Cantadores da Luta do Povo, que anima atos e manifestações através da música.

O PIG quer manter o fator previdenciário

O PIG está louco pra ver o presidente Lula vetar o reajuste de 7,72% concedido aos aposentados pelo Congresso, e vai entrar em orgasmos múltiplos se o governo vetar o fim do fator previdênciario, criado em 1999 por FHC. Afirmar que o Estado terá déficit caso as aposentadorias sejam corrigidas junto com o salário mínimo é papo de neoliberal.

Se o governo tem dinheiro para emprestar a fundo perdido para os Gerdau, para a GM, Ford e outras multinacionais,então tem dinheiro suficiente para pagar uma aposentadoria digna aos seus trabalhadores. Aliás, o presidente Lula poderia fechar seu governo com chave de ouro ao determinar o fim do fator previdenciário, derrubando mais um dos símbolos do atraso econômico e social do Brasil. Ainda bem que temos o senador Paim (PT), que além de defender os interesses do Rio Grande no Senado, é também um dos grandes guerreiros dos aposentados no Congresso Nacional, e um dos maiores lutadores pelo fim do fator previdenciário no Brasil.

O Congresso Nacional, ao contrário do que o PIG afirmou, tomou uma das maiores e melhores decisões dos últimos tempos a favor dos brasileiros, em especial para aqueles que ainda não se aposentaram. Se eu fosse o Lula assinava com muito gosto o fim dessa chaga criada no governo das trevas de FHC. Se queremos erradicar a pobreza no Brasil, vamos começar dando dignidade aos nossos aposentados.