20 de mai de 2009

Não há fatos novos

Revista Imóvel Class - Ano 2- n 12 /22 de abril 2006

Não há eco para fatos novos, novos, novos

Só o que se houve falar na mídia guapa a cada vez que são publicados fatos novos sobre denúncias de corrupção no governo Yeda é que não há fatos novos para a abertura da CPI . Sempre que os fatos novos são mais novos, eles já perdem o prazo de validade (ahahaha). A mansão da governadora, o caso Detran (Atento), a espionagem política, o caixa 2, o caixa 2 da 2 de campanha de Yeda, o "suicídio" de Marcelo Cavalcante, às denuncias do vice-governador, às denúncias do Psol, às maracutaias nas licitações das barragens, a operação solidária. Nada disso representa fatos novos. O governo acabou e o sangramento político do governo Yeda é fatal e agora pega também o PDT, que ficou numa saia justíssima, assim como sua executiva estadual, ao assistir três de seus deputados negarem assinatura na CPI e correrem para os braços do governo Yeda. O risonho Kalil Sehbe, Giovani Cherini e Gerson Burmann terão que explicar para sua base eleitoral a razão pela qual não assinaram. Segundo eles não há fatos novos (ahahahahaahahcofcofcofaha).

O terceiro mandato, e a denúncia piquititinha

Não sei se pelo fato da gente ter "opinado" ahahahha, mas a nova materia de Zé H(20) Uribe mais perto do terceiro mandato que está veiculada hoje traz o assunto de forma mais "transparente". Talvez a outra matéria Lula descarta terceiro mandato e diz que Dilma está bem seja o motivo pelo qual tenha sido escrito dessa forma. Se repetissem a mesma lógica teriam que escrever: Lula descarta a segunda reeleição (ahahahah). No entanto, a denúncia do empresário Jorge Renato Melo, proprietário da empresa de segurança Reação, que denunciou ontem na Câmara Municipal a cobrança de propina contra o secretário da Saúde, Eliseu Santos, e o ex-diretor jurídico da Secretaria, Marco Bernardes ficou bem piquititinha e bem enfiadinha entre pequenas notas. è assim, não se assustem, aqui temos liberdade de empresa, ops, de imprensa (ahahahah).