13 de mar de 2010

Na balada com Moby

A bancada do PIG

Com a entrada oficial na disputa eleitoral em 2010, o PIG guasca coloca a disposição dos eleitores (ahahaha) os seus "melhores" quadros, de olho em duas cadeiras na Câmara Federal. Afonso Motta, filiado ao PDT, foi o primeiro a declarar sua pré-candidatura e a fazer pré-campanha (ahahahha) aparecendo em jornais do interior, posando em fotos com lideranças regionais do partido. Também apareceu de repente (ahahahha), na coluna de artigos de Zé H falando sobre a galáxia, o mundo, o agronegócio etc.
Outro quadro político do PIG guasca que se lança ao Congresso é a colunista Ana Amélia, que mesmo filiada ao Partido Progressita desde outubro, continuava a escrever sua coluna como se partido não tivesse. Ardorosa defensora do agronegócio, Ana Amélia sempre teve posição política contra os movimentos sociais, bombando os quadros políticos do agronegócio e nacional. Sua pauta preferida era dar voz a quem pudesse atacar o PT e o governo Lula, sempre dando generosos espaços a velhos conhecidos: Agripino Maia (DEM), Katia Abreu (DEM), ACM neto (DEM), além da turma dos demos de Brasília. Também sempre foi dado generosos espaços do "canhão", como eles mesmos gostam de falar sobre suas emissoras, a uma grande lista de tucanos de alta plumagem.
O PIG guasca sempre teve inúmeros quadros na Assembleia e no Congresso e até já elegeu governador (ahahahah), no entanto, eles sabem que com o avanço da universalização da comunicação, os seus superpoderes estão enfraquecidos devido o efeito da kriptonita chamada internet.
Ao ter que deixar claras suas posições políticas, ou assisistir pela internet o desmascaramento de suas versões tendenciosas e recheadas de interésses, o PIG precisa reforçar seus quadros em Brasília, pois, passadas as eleições, o Congresso Nacional será o grande palco de votações importantes, e que podem mudar para melhor ou para pior o Brasil.
Mesmo assim o PIG concentra nas mãos muitos poderes, suficente para influenciar setores da classe média e eleger em 2010 uma bancada capaz de garantir a sustentação de seus interesses (que não são os da população) e manter o status atual por pelo menos mais 20 anos.

Os reais interésses do PIG

Chega ser engraçado e já está no imaginário popular que quando se aproximam as eleições o PIG ataca o PT de tudo quanto é lado para bombar seus aliados tucanos. Ontem, por exemplo, o Jornal Nacional dedicou precisosos 5 minutos para se debruçar sobre o tal caso Bancoop e colocar o PT dentro do rolo jurídico da cooperativa.

O caso nunca teve relevância nacional, mas foi só o PT anunciar o nome de João Vaccari Neto como o novo tesoureiro do PT nacional no 4º Congresso petista em Brasília, que a maioria dos dirigentes petistas já sabiam que o nome do tesoureiro estamparia as páginas dos jornais.

A Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo - Bancoop foi criada em 1997 (Bancoop) com o objetivo de garantir o sonho de todo o trabalhador, ou seja, a casa própria. Quem faz parte de uma cooperativa habitacional sabe das dificuldades, agruras e fantasias que muitos de seus associados vivem, além é claro, do atraso e do não pagamento de suas cotas.

Lembro que naquele ano muitas empresas e incorporadoras do sul do país quebraram devido a crise econômica, má gestão e é claro, desvios de recursos. Em 1999, uma velha conhecida dos gaúchos, a Encol, faliu, deixando mais de 42 mil mutuários sem ver a cor de seus imóveis, além de deixar um rastro de desemprego no setor da construção civil na ordem de 15 mil postos de trabalho. A construtora também deixou um rombo financeiro de de R$ 2,3 bilhões de reais nos bancos, na maioria públicos. Em 2003, a massa falida da Encol entrou com Medida Cautelar para bloquear os bens dos 38 ex-diretores da empresa, de modo a garantir o pagamento de indenizações aos mutuários. A saber: ontem o STJ desbloqueou os bens de Miguel Ferreira Tartuce, um dos ex-diretores da Encol, A decisão é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que acompanhou a divergência inaugurada pela ministra Nancy Andrighi. (o PIG nem comentou o assunto)

Citei o caso Encol para fazer uma pequena comparação do real interesse que o PIG tem nessas eleições e em colocar o caso Bancoop nas costas do PT. O PIG vai lutar para derrotar Dilma e fazer voltar a vanguarda do atraso com FHC, Serra e Yeda etc. (imaginem essa senhora de ministra). O certo é que o caso serve como uma luva para alimentar o PIG e tirar de foco os alagamentos em São Paulo ou esconder os gatunos ligados aos DEMOS de Brasília (até o Demo Agripino Maia falou no JN ontem) , os mesmos DEMOS que até bem pouco tempo desfilavam com os tucanos Serra e Yeda nos salões acarpetados de Brasília.

Recomendo a leitura sobre o tema na revista Carta Capital desta semana (13) que trás uma importante e reveladora reportagem sobre o assunto, e mostra que a articulação do suposto "escândalo" passa pelas cabeças pensantes da mídia e do PSDB paulista.