13 de fev de 2010

Ônibus paulista



Fernanda Seibel, de Caxias do Sul,manda imagens do novo ônibus paulista. O veículo é um híbrido terra-água (ahahahhaha). O anfíbio, ainda em fase de teste, poderia ser incorporado à frota de ônibus do Estado de São Paulo. Com uma centena desses rodando e navegando (ahahahha) o governador de São Paulo, José Serra (Zé Alagão) e o prefeito da capital Paulista, Gilberto Kassab (DEMO) podem solucionar o problema dos alagamentos em Sampa (ahahahha). Com o híbrido eles podem ficar tranquilos, se a cidade continuar alagando, pelo menos, o transporte público não vai parar no coração financeiro do país.

Brincadeiras a parte, a situação dos alagamentos em São Paulo não se resolve com demagogia e com promessas pré-eleitorais. Além disso, a capital paulista será uma das cidade-sede da copa do mundo e não pode ficar refém desse tipo de situação, assim como a sua população .

Um governo de resultados ?

hoje (13) está publicado em Zé H uma artigo de Yeda Crusius onde ela destaca sua administração como Um governo de resultados . Pois bem, Yeda cita o tal equilíbrio nas contas públicas e utiliza uma pesquisa baseada no Código Estadual de Qualidade dos Serviços Públicos, que, segundo ela, revela que os serviços públicos melhoraram consideravelmente durante o mandato tucano. Segundo suas próprias palavras o critério foi científico e metodológico, em que supostamente foram ouvidas 2.056 pessoas em 329 cidades .

Ocorre que eu faço parte desse cadastro, e não recebei nenhum questionário sobre essa avaliação e tenho certeza que o número de usuários cadastrados na Lei nº 11.075/98 é no mínimo o dobro do número dos pesquisados (2056).

A ampliação desse cadastro foi feito no ano 2000, ainda sob a coordenação do então secretário do Planejamento Clóvis Ilgenfritz, no governo Olívio Dutra. O cadastro, originalmente tinha apenas pouco mais de mil cadastrados, e abrangia na sua maioria a cidade de Porto Alegre e algumas poucas cidades da região metropolitana. Esse problema foi resolvido ao se ampliar para quase cinco mil cadastrados naquele ano, através das assembleias do Orçamento Participativo Estadual.

Não sei qual a metodologia usada, mas sei que na condição de usuário não fui consultado. De qualquer forma, Yeda atribuí o sucesso na melhoria da satisfação desses usuários com saúde, segurança, energia e educação somente a ela e ao seu governo. No entanto, essa mesma pesquisa, aponta para indicadores que são compartilhados tanto com o governo Federal, quanto com os municípios.

O que achei estranho em tudo isso é que na página (devidamente printada) da Secretaria do Planejamento, somos todos convidados a fazer parte desse cadastro de usuários. Não sei para que, pois se nem mesmo os que estão cadastrados são consultados.