21 de fev de 2009

O PSDB sangra lentamente no RS

O PSDB gaúcho, a cada dia que passa, sangra mais e mais no episódio da misteriosa morte de Marcelo Cavalcante, culminando com a denúncia do PSOL sobre esquemas de caixa 2 e de desvios de recursos públicos no governo gaúcho. Aposto que neste jogo de xadrez entre o PSOL e o PSDB, o segundo perderá sua rainha no terceiro lance e ficará em xeque-mate na quarta rodada, caso o MPF libere tudo o que tem sobre o caso. Todas as peças deste jogo ainda estão no tabuleiro e tudo é muito estranho nesta história.Vejamos: Yeda vai para Brasília e reencontra Marcelo Cavalcante, alguns dias antes dele se suicidar ou ser morto; Segundo a família de Cavalcante, o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE) oferece um emprego para Marcelo trabalhar no partido (Aqui vale aquela máxima: Os inimigos devem estar mais perto dos olhos do que os amigos, pois emprego não era o problema já que estava trabalhando com um deputado do PSDB ); Após a morte, disseram pela mídia amiga que Marcelo havia brigado com a mulher; Carlos Crusius libera carta acusando indiretamente a CPI do Detran pela morte de Marcelo; A esposa de Marcelo desmente a primeira versão da briga e diz que sabia de tudo da vida do marido e que falava 20 vezes por dia com ele (Quem fala com sua mulher 20 vezes por dia ???). Todos na família de Cavalcante sabiam que ele ia depor no Ministério Público Federal após o Carnaval, menos o MPF; A PF desconfia que ele estava recebendo pressões com relação ao seu depoimento. A deputada Luciana Genro afirmou em entrevista que deseja ser interpelada judicialmente pelo PSDB ou algum membro envolvido na operação Rodin, pois assim poderá exigir que se abra a caixa-preta das provas que estão no MPF. Os acusados silenciam e só AOD interpela o PSOL (será que interpelou mesmo ?). Muitas novidades surgirão após o Carnaval.