15 de ago de 2009

Ditabranda guapa

Nos protestos do Fora Yeda o comandante-geral da Brigada Militar João Carlos Trindade Lopes orientou seus subordinados para que confiscassem e recolhessem faixas e cartazes contra a governadora porque seriam ofensivos a honra da governadora etc....Na condição de comandante e oficial, sua decisão foi ao velho estilo da Ditadura Militar e se fosse em outros tempos, a grande mídia já estaria pedindo a cabeça do coronel e o debate tomaria conta de rádios, TVs e jornais até que a exoneração do coronel fosse publicada. Imaginem se você no governo Olívio Dutra o que seria o editorial de Zé H do outro dia. Alías, o editorial de hoje (15) deixa o lombo do comandante da BM lisinho lisinho: "....Preocupada em evitar mal-entendidos e a repetição de episódios como o que resultou até mesmo no recente indiciamento de um grupo de manifestantes, a própria governadora afirmou ontem considerar protestos um “instrumento da democracia”, desde que não firam a lei. A Constituição Federal, de fato, garante em seu artigo 5º a livre manifestação do pensamento e a livre expressão. Quem quer que seja responsável por atos que impliquem injúria ou difamação pode ter que prestar contas à Justiça pelos excessos. Mas não cabe nem ao policial civil nem ao militar dizer o que pode ou o que não pode ser expresso, muito menos encarregar-se de recolher cartazes ou faixas interpretados como inadequados pelo seu conteúdo...." Mal-entendido ?? como assim cara-pálida ? O comandante deu uma ordem completamente inconstitucional e anti-democrática e a coisa fica por isso mesmo? A ação não se seguiu porque começaram a pipocar centenas de telefonemas às redações e emissoras de rádio denunciando o fato, e como a lei seria estuprada, o comando não teve outra alternativa a não ser a de bater em retirada.

Veja outra pérola do editorial:

[...O Estado vive um momento politicamente tenso e a sociedade precisa ter o direito de agir com liberdade, o que inclui manifestações democráticas, incluindo as programadas para locais públicos. Mas é importante, acima de tudo, que esses atos ocorram sempre de forma pacífica, preservando o respeito à autoridade e aos direitos dos demais....] Momento politico tenso ? preservar o respeito à autoridade ?? Esse momento não é tenso não, é um momento político vergonhoso e triste para nós gaúchos que achávamos que éramos a última bolachinha do pacote em matéria de lisura e ética (ahahahahahha). Ah! Uma coisa que aprendi a: respeito tu deve a quem te respeita, pois no momento que essa linha é rompida não há mais quem segure, principalmente quando o respeito é quebrado por quem deveria dar o exemplo.

Outro fato que passou em branco foi a prisão de de um frei e de padre essa semana, ambos ligados a questão agrária. O primeiro foi um frei, que foi preso em São Gabriel sem nenhum motivo, pois segundo testemunhas apenas acompanhava o conflito. O frei foi algemado com às mãos para trás e transpassado com um cabo de vassoura, tendo seu braços levantados num pau-de-arara vertical. O segundo foi o Padre Rudimar Dal'Lasta um dos coordenadores nacionais da Comissão Pastoral da Terra (CPT) , sob alegação que alguém do PSDB teria visto que ele teria no meio da multidão jogado pedras e ovos em militantes do PSDB. Engraçado é que a BM além de considerar como verdadeira a fala de um militante do PSDB para prender o padre, deixaram que o pessoal do PSDB trancasse a rua Duque de Caxias (as gravações das Câmeras do Palácio provam o que digo) para fazer um abraço simbólico ao governo Yeda. O trânsito ficou parado por quase 10 minutos e a mída nem ao menos tocou no assunto, preferindo dizer que os manifestantes do Fora Yeda estavam atrasando o fluxo. Como os dois religiosos são ligados à questão agrária e agora estão fichados por um pseudo-crime, poderão ser presos novamente em qualquer circunstância e tachados com antecedentes criminais.