31 de ago de 2009

Quando começa a nova fase Yeda-Serra ?

Hoje a mídia guapa retomou a sua normalidade. Na sua cruzada vespertina Lasier Martins entrevista o comandante-geral da Brigada Militar e levanta a bola pra ele bater no MST sobre os supostos crimes do MST, denunciados pela Veja. Do assassino do sem-terra, Elton Brum da Silva, em São Gabriel, nada. Dali, Lasier salta para a pauta do ex-comandante da BM de Canoas, tenente... (ahahhaa) Bondan e acabou . Aliás muito interessante a matéria sobre a falsa farda da BM. Deixa a BM no foco mas tira do eixo do sem-terra assassinado (muito bem pensando, brilhante, quase uma formula matemática). Nossa governandora Yeda simplesmente esfumaçou, desapareceu nesses 15 dias , só vi ela com a vaca da Expointer. Nosso indomável Lasier fincou o pé no pré-sal e tentou de todas as formas FFF..... Lula e Dilma no atacado afirmando sutilmente que o projeto é uma farsa. Quem acredita que nossa mídia é isenta fica minha imprensão: Quando começa a nova fase da governadora e o aparecimento do Serra no RS ?

30 de ago de 2009

Maria Rita: Não Deixe O Samba Morrer

Rio Grande dá exemplo na área de segurança

Rio Grande dá exemplo na área de segurança é o título da matéria do jornalista Humberto Trezzi em Zé H Dominical para bombar a participação do Rio Grande do Sul na 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública. Quem lê o título e os subtítulos da matéria até toma coragem de passear no Parque da Redenção depois que escurece, ou deixar tranquilamente seu carro estacionado nas ruas da Capital campeã em roubo e furto de veículos. Aliás os gaúchos até podem achar que estamos nivelados com a Suécia ou Finlândia na área da segurança pública.

Nessa semana (23) o comandante d0 15º BPM de Canoas, tenente-coronel Bondan foi "tirado" do posto devido a truculência e violência de seus subordinados contra trabalhadores tendo como a gota d'água o brutal espancamento de um motorista de ônibus que parou em frente a um posto de BM daquele município para pedir ajuda a uma senhora que estava passando mal. Recebeu um "diálogo da BM" num beco escuro, que até agora lhe rende pavor e medo do dito encontro.

Quem tem casa no litoral gaúcho sabe que a qualquer momento pode receber a notícia de que sua residência foi literalmente levada, tamanha a falta de segurança. Nossos presídios estão superlotados e sem às mínimas condições de atender o objetivo de recuperar o apenado. Hoje, na realidade, são verdadeiros barris de pólvora, fermentando roubos e assaltos, executados por soldados de facções, que de fora dos presídios obedecem ordens via celular. No litoral norte a Penitenciária Modulada de Osório está interditada devido a falta de espaço, de higiene e de condições de trabalho para os servidores da segurança. Semana Passada o Conselho estadual Saúde denunciou na Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia a total falta de estrutura de saúde no sistema prisional.

O que mais me irrita nisso tudo é a sutileza da mídia guapa em montar, pelo menos nos jornais, uma politica de segurança no Estado, mesmo que o Estado nem saiba o que isso signifique, e tente,sofisticadamente, limpar às mãos de muita gente grande perante ao leitor.

A matéria, lida atentamente, mostra que todas as ações alí expostas não não tem nada a ver com uma política de segurança pública do RS, mas sim, iniciativas isoladas de algumas lideranças políticas, bombeiros, profissionais da saúde, prefeitos, policiais e até mesmo de apenados.

Passados três anos de governo Yeda, lamentavelmente, a falta de uma política de segurança pública só faz aumentar a violência e o crime organizado. Quadrilhas se espalham pela terra guapa, assaltam vários bancos de forma simultânea, além do alarmante aumento do roubo de cargas e de depósitos de grandes redes atacadistas. Sobre o tráfico de drogas não precisa nem falar mais nada, pois está tudo liberado.

A quantidade exorbitante de carros furtados ou roubados mensalmente em Porto Alegre elevou o seguro de automóvel a tal ponto que já se paga valores semelhantes aos patamares estipulados pelas seguradoras em áreas de conflitos militares de baixa intensidade. Há ! vou deixar de fora os assaltos, que só entre taxistas, já vitimou cinco profissionais na Região Metropolitana e em Porto Alegre em 2009.

Então, aproveitem o sol de domingo e a tal sensação de segurança dada pela mídia guapa.

Lembrando Chomsky, por Marcos Rolim

Quando as pessoas dominam verdadeiramente um tema, se fazem compreender facilmente, porque falam com simplicidade. Simplicidade não é o mesmo que superficialidade. É possível dizer coisas importantes e profundas de forma clara, mesmo quando tratamos de assuntos bem complicados. Por outro lado, quando o falante começa a entrelaçar conceitos que remetem a outros conceitos; quando suas palavras formam círculos que impedem qualquer afirmação, o discurso vira um refúgio e, nesta metamorfose, o que se propõe não é mais um diálogo, mas uma encenação.Um dos críticos deste mau uso das palavras é Noam Chomsky, um dos grandes intelectuais de nosso tempo, a quem devemos descobertas que revolucionaram a linguística. Chomsky nunca entendeu o significado de expressões como, por exemplo, “dialética”.

Para ele, sempre que alguém lhe tentou explicar o sentido do conceito, ou dizia algo sem sentido, ou produzia uma verdade trivial. Brincando com suas próprias posições, Chomsky diz que talvez lhe falte um gene para entender palavras do tipo. No interessantíssimo Para Entender o Poder (Bertrand Brasil, 2005), o polêmico dissidente americano concluiu que, por trás de conceitos assim, há muita “falcatrua”. Chomsky tem sido, também, um dos mais importantes críticos do papel da imprensa, o que explica a razão pela qual não costuma ser muito “popular”. Uma de suas teses sustenta que a imprensa não vende jornais.


O verdadeiro produto que a imprensa vende é seu público e quem compra este produto, é claro, são os anunciantes. Talvez, dito assim, soe muito simples. Mas o que há de verdadeiro nesta simplicidade é seu incômodo.O jornalismo precisa ser simples, porque seu desafio é o de alcançar o maior número de pessoas, informando-as. O que não significa que precise ser superficial. Nas primeiras horas após a desocupação da fazenda Southall, tínhamos um sem-terra morto. Depois, com as informações de que a vítima não estava armada e que foi alvejada pelas costas, o que passamos a ter foi um assassinato. Ou, se a linguagem jurídica for preferível, um homicídio. O MST não “ganhou um mártir”, como se chegou a afirmar, porque a conclusão faz crer que o impróprio no disparo é seu efeito político, não o cadáver.


Os relatos colhidos sobre o que foi feito pela Brigada Militar apontam não para uma “operação desastrada”, mas para a prática da tortura contra dezenas de pessoas. Não há desastre ou “erro” na tortura, há vergonha e crime. Simples assim. E se uma representante do Ministério Público anuncia que a operação policial demonstrou “profissionalismo”, então há um espanto que precisa ser explicado, para que o próprio Ministério Público não se confunda com o “Ministério da Verdade” de George Orwell e sua “novilíngua”. Na distopia proposta pelo livro 1984, um dos conceitos criados pela “novilíngua” era “duplipensar”.


Com a expressão, o governo totalitário pretendia induzir os indivíduos a conviver simultaneamente com duas crenças opostas, aceitando ambas. Uma polícia que atua com profissionalismo não tortura, não humilha e não produz cadáveres. Não há “dialética” a ser invocada e não dizê-lo claramente é amparar a mão que puxou o gatilho. Simples assim. Ou, talvez, me falte um gene para compreender a covardia. marcos@rolim.com.br

28 de ago de 2009

Qual é o nome do menino? By Carta Capital

Carlos Leonam e Ana Maria Badaró
Esdruxulices nas certidões de nascimento viraram folclore há muito tempo, entra geração, sai geração. Mesmo em tempos saturados de Suelens, Ostos e Maicons, nomes, digamos, exóticos não deixam de despertar curiosidade. Um jovem pediatra do interior paulista reuniu e divulgou na internet uma lista de antropônimos, mais conhecidos na roda de samba como nomes próprios ou de batismo, que nos últimos anos frequentaram seus prontuários e os de outros doutores. A relação preparada pelo médico começa por revelar a devoção de alguns pais por seus ídolos.
Quem paga o preço na pia batismal é a ingênua criança. Valdisnei, por exemplo, é uma deferência ao eterno Walt Disney; Usnavi é o nome do filho de um aficionado por navios americanos e Kallison Bruno homenageia o grupo KLB (Kiko, Leandro, Bruno). Consta na lista um “famoso” caso registrado no Recife: Xerox é o pai e Fotocópia e Autenticada as filhas, note-se, em idades decrescentes. Não é difícil identificar os ídolos incensados por quem registrou os seus miúdos como Maycom Gérquiçom, Maiquel Edy Marfy, Boniclaide, Erriporter. O que dizer da dupla de irmãos Kalifornia Drim e Roliúde dos Santos; de Letisgo, João Le Não, Istiveonder, Aga Esterna e Harlei David Son? Pedimos desculpas pelo nosso trocadilho cretino, mas, como comentou cirurgicamente o pediatra, o menino motocicleta é um perfeito born to be wild. Antigamente, pelo menos, os ídolos eram homenageados na batatolina: Shirley (Temple), Clark (Gable), Odilon (famoso ator teatral), Juscelino (JK), Brigitte (Bardot), Glauber (Rocha), etc., etc., etc.
Tivemos, também, naqueles tempos do século passado, muitos Benitos (Mussolini), Lenines e até um Adolfo Hitler (cujo sobrenome preferimos manter oculto). Carnavalescamente, um famoso paulistano registrou um filho como Rodouro Metálico (famoso lança-perfume), que mudou de nome quando cresceu. Os craques da Copa de 70 não serão esquecidos se depender dos pais que juntaram as primeiras sílabas dos nomes de Tostão, Pelé, Rivelino, Carlos Alberto, Gerson e Jairzinho para chamar o filho de Tospericagerja. Pra frente Brasil.
Já pensou se o menino virar um fenômeno da bola? Apelido já. Que tal Copinha? Voltando a outros tempos, também remotos, lembremos dos grandes craques que sempre inspiraram nomes de batismo famosos. Começando por Ademir da Guia, filho do imortal Domingos – que levou Armando Nogueira a criar um antológico título para uma entrevista com jogador palmeirense: “Ademir da Guia, nome, sobrenome e futebol de craque”. Foi o tempo dos Ademires, Leônidas, Jurandires, Baltazares, Evaristos e tantos outros ases da pelota. O médico adverte para nomes que não deixam as enfermeiras saírem gritando pelos corredores dos hospitais e postos de saúde, como Caralhecida e Urinoldo Alequissandro. Outras crianças requerem uma língua afiada para ser chamadas, como a trinca de petizes da família Silva: Bilidudilei, Jimibradilei e Darkson Stick Nick.
Um pai fanho batizou o filho de Darzã. Outro progenitor igualmente fanático por cinema deu à sua menina o doce nome de Romixinaide, enquanto o menino “voou mais alto” e se chama Railander. Há nomes mais simples – ou não? – como Eneaotil. Mas tem os quebra-língua consonantais como Kwysswyla (simples, pronuncia-se Quíssila), Pier (de Pierre), Shaite, um tributo ao nosso bravo velejador Robert Scheidt, Geoáite, homenagem à escritora Ellen G. White e Maiquetaiçon.
Sem comentário. O telejornalismo também inspira os pais. Antes de nos despedirmos, desejando ao leitor uma boa noite, ou bom dia, finalizamos a lista com um guri que atende por Uilam Bone. Agora é com você, Fátima. E chegou a vez dos hindus. Agora que Caminho das Índias está na reta final, preparemo-nos para ver nos berçários pequerruchos Rajis, Mayas, Surias, Bahuans, Indiras e Opashis. Cada novela de sucesso corresponde uma enxurrada de crianças com nomes de heróis e heroínas das tramas. Uma lista de nomes próprios por faixa etária, também dos filmes, é a melhor constatação da boa audiência da época. Não é, Brussiulis? • A quem interessar possa. O segundo nome do titular desta página é um anagrama de Manoel, como também Elmano. Sem esquecer o querido compadre Ziraldo, filho de dona Zizinha e seu Geraldo.

Debate: CCDH debate titularização e desenvolvimento sustentável nas terras de quilombos

Ocorreu hoje (28) no teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, a audiência pública da Comissão de Cidadania e Direitos Humano sobre a titularização e desenvolvimento sustentável nas terra de quilombos. O Brasil possui mais de três mil comunidades remanescentes de quilombos reconhecidas e,destas, apenas sete foram tituladas.A titularização e políticas públicas de saúde, educação, segurança, emprego e renda também serão discutidos nesse encontro.

De volta ao caos

A lama e a corrupção guapa nos faz fugir um pouco das tragédias do dia-a-dia e do cotidiano de nossas cidades. Na semana passada, numa grande concessionária de automóveis de Porto Alegre, um veículo zero foi furtado de dentro da loja, horas antes de ser entregue ao seu proprietário. O ladrão entrou na oficina como se fosse funcionário bateu o arranque e foi embora. Quando o pessoal do Detran chegou para emplacar o veículo, cadê o carro ? Mas não são somente carros novos que estão na mira, carros antigos também e não adianta trancas normais (cadeado etc) pois essas são rapidamente destroçadas. Lamentavelmente na madrugada de ontem um taxista foi baleado e morto quando chegava em casa no bairro Santana, na Capital. A vítima levou três tiros nas regiões do tórax e do abdômen. Ontem havia 3 brigadianos para cada manifestantes na Praça da Matriz, no entanto, quando voltava para minha Casa, não encontrei uma única viatura circulando pelas ruas, isso que havia a tal Operação Centauro da Brigada Militar. É o que dá misturar política e segurança pública. Servidores mal pagos, mal posicionados, pouco treinamento e com comandos incompententes.

27 de ago de 2009

Imagem do agricultor Elton no acampamento

Edegar Pretto, filho do falecido deputado Adão Pretto envia uma das últimas imagens registradas do agricultor sem-terra Eltom Brum da Silva. A imagem foi registrada num encontro com os agricultores acampados que estavam no acampamento. A imagem tem duas semanas, e segundo relatos, Elton era tímido e cuidava da segurança das crianças do acampamento. No ato da desocupação os homens fazem a primeira linha de proteção, tendo as mulheres no segundo círculo e por último as crianças do acampamento. Ao assumir a morte de Elton o PM deve saber o que fez.

Ato interreligioso marca o sétimo dia da morte de agricultor Sem Terra na Capital

Foi realizado hoje (27), às 17h, um ato interreligioso pelo sétimo dia da morte do agricultor sem-terra Elton Brum da Silva, assassinado pelas costas pela BM,com um tiro de arma de calibre 12, na operação de desocupação da fazenda Southall. O ato teve nicio na frente da Assembleia Legislativa, passou pelo Palácio Paratini e pelo Ministério Público Estadual. O ato foi organizado pela Coordenação dos Movimentos Sociais – CMS e Pastorais Sociais.

BM diz que foi um soldado que matou

A Secretaria de Segurança e a BM emitiram nota agora hoje (27/ 10h30) afirmando que um PM assumiu o assassinato do agricultor Elton Brum. Segundo a versão, o PM teria saido em defesa de um colega e por isso fez o disparo pela costas do agricultor. Isso ainda vai fedeerrr ......

Big Fish


O novo subcomandante-geral da BM, coronel Calixtrato Barreto do Santos, substituto de Binsfield, noticiou que nas próximas 24 horas a Brigada Militar tem a meta de prender 2 mil pessoas, na chamada Operação Centauro. A pergunta que faço é se nessa "meta" também está a prisão do assassino do agricultor Elton Brum da Silva, fuzilado pelas costas com um tiro de arma de calibre 12, desferida pela na BM na operação de desocupação da fazenda Southall. Já está ficando insustentável a posição do comando-geral da BM sobre o assunto. Segundo um oficial da BM com quem conversei, a demora ao apresentar o assassino pode ser comparado ao de um peixe grande (BIG FISH), que quando fisgado, tenta lutar para não sair da água.

26 de ago de 2009

Brigada Militar matou o homem errado


A Brigada Militar matou o homem errado em São Gabriel. A denúncia foi feita pelo presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, deputado Dionilso Marcon (PT), na sessão plenária desta quarta-feira (26). O parlamentar quer que a governadora Yeda Crusius e a Secretaria da Segurança Pública revelem aos gaúchos o nome do assassino de Elton Brum da Silva e também digam qual sem-terra deveria morrer no seu lugar, durante operação da BM, na Fazenda Southall, em São Grabriel, na sexta-feira (21). Marcon também contesta informações da BM sobre a falta de experiência dos policiais que estavam no local na hora do crime. “Não houve despreparo da corporação e o tiro não foi acidental. A ação foi planejada”, afirmou o deputado, ao esclarecer que Elton era natural de Canguçu e não de São Gabriel, como reproduziu a imprensa a partir das informações da BM. “Ele foi morto por engano. O sem-terra que deveria ter sido assassinado também é negro. Há uma lista de outras pessoas para serem mortas”, advertiu Marcon, que levará as denúncias ao Ministério Público Estadual. A demora em tornar público o nome do autor do tiro que matou Elton também indigna o deputado Raul Pont. “Não é possível ter um sistema de segurança que compactue com o assassinato”, frisou. Para ele, a cumplicidade, a omissão e a conivência da governadora Yeda Crusius com esse episódio é inaceitável. Raul Pont contrapôs a eficiência da BM para apurar os responsáveis pela morte do soldado ocorrida em 1990 na Praça da Matriz durante confronte entre BM e sem-terra com a ineficiência para apontar o assassino do sem-terra de 44 anos. “Naquela oportunidade, a BM teve estrutura, organização e efetivo para cercar o Paço Municipal e tomar depoimentos em busca do pretenso culpado. Agora, essa mesma corporação age com um corporativismo inaceitável. Não é possível ter um sistema de segurança que compactua com o assassinato”, ressalta Pont.

A crise da receita Federal

Do blog Diário Gauche : O comentário inicial lido por Mônica Waldvogel é vergonhoso, antijornalístico, desonesto, porque desmentido ao longo de todo o programa pelos três entrevistados convidados pelo programa. A Globonews perdeu o rumo.Os três convidados são unânimes em afirmar que a politização ocorreu na fase de Lina Vieira, não agora. Mônica atropela as conclusões da mesa redonda, desrespeita os telespectadores ao antecipar conclusões falsas. Principalmente sabendo-se que a abertura sempre é feita após o programa, com base nas conclusões levantadas.O presidente do Sindifisco denuncia o aparelhamento da Receita… por Lina. Mostra que o pedido de demissão coletiva dos antigos superintendentes foi apenas uma antecipação para demissões que ocorreriam. O advogado tributarista nega crise na Receita. Disse que está mais preocupado com as taxas de juros dos bancos e temas mais relevantes.Mônica tenta se socorrer do ex-Secretário da Receita Everardo Maciel, da gestão FHC, pedindo que confirme a politização. Everardo diz que a politização ocorreu com Lina e que agora não há ingerência política, porque é atribuição do Ministro definir o Secretário.Depois disso tudo, Mônica volta ao papo de que Mantega estaria pressionando para não apertar os grandes contribuintes. Os entrevistados negam. Everardo mostra que esse foco nos grandes contribuintes começou em sua gestão. Mônica diz que houve aumento na arrecadação dos grandes contribuintes na gestão Lina. Everardo desmonta com números.Mônica vem com a história da opção do regime de caixa pela Petrobras foi manipulação. Everardo é incisivo: a Petrobras está certa. O factóide criado foi para justificar a queda da arrecadação na gestão Lina - embora diga que a queda tem muitos fatores, entre os quais a crise.Mônica: se fosse tão clara a possibilidade de mudar o regime no meio do ano, não haveria tanta controvérsia.Everardo: a regra é clara e foi feita em 1999 justamente para enfrentar o problema da desvalorização cambial.Mônica: mas até agora a Receita está para soltar um parecer.Everardo e os demais: já foi feito, concordando com a Petrobras. Essa prática existe há muito tempo, não existe qualquer ilegalidade ou manobra contábil.Mônica, balbuciando: a lei foi feita. Houve então uma manipulação da opinião pública?Todos concordam com a cabeça.Aí ela deriva a entrevista para o caso Sarney, perguntando se é legítimo pressionar a Receita para abrandar a fiscalização.O presidente do Sindicato disse que é impossível essa pressão, que nunca essa informação correu na Receita. Disse que sempre trabalhou próximo à chefia da Receita, tanto no governo FHC e Lula, e nunca viu esse procedimento. O chefe da Receita conversa com políticos todos os dias. Mas esse tipo de ingerência é novidade para a gente.Everardo disse que se ocorreu, o momento certo seria na época em que foi feita. Se não fez, cometeu prevaricação.Conclusão final: Lina foi um desastre para a imagem da Receita e caberá a todos os funcionários trabalharem para o resgate de sua imagem.Assista o programa e depois volte à abertura.P.S.: Com uma oposição trapalhona dessas, a Dilma se elege no primeiro turno, em 2010.

Privatização da água no RS, Odebrecht ataca


Essa aí de cima é do blog do José Renato de São Luiz Gonzaga, que está afim de consultar o Pai Ambrósio e o Pai Arnapio pra ver se "tranca" a privataria da água em São Luiz. Aliás, esse tema está caindo de maduro pois o grupo Odebrecht espalha rapidamente seus tentáculos no RS e vende a idéia para os prefeitos de que o problema da água e do esgoto serão resolvidos num passe de mágica, claro, via iniciativa privada. Um dos belos exemplos de gestão pública de água e esgotos é o Semae de São Leopoldo e a nossa valente Corsan que resiste bravamente à gestão Tucana aos moldes do Detran.

25 de ago de 2009

Marcon exige de Yeda que apresente o assassino de Sem Terra

Na sessão plenária desta terça-feira (25), o deputado Dionilso Marcon (PT) exigiu da governadora Yeda Crusius, da Secretaria de Segurança Pública e da Brigada Militar que apresentem o assassino do trabalhador sem terra, Elton Brum da Silva. O parlamentar também quer garantias do governo estadual de que esse crime seja, de fato, o último confronto do Estado com os trabalhadores. Por conta dessa morte ocorrida na sexta-feira (21), na Fazenda Southall, em São Gabriel, a criminalização dos movimentos sociais voltará à pauta da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. A audiência pública acontecerá às 9h30 do dia 9 de setembro, na Assembléia Legislativa.As declarações da promotora do Ministério Público de São Gabriel causaram revolta em Marcon. Lisiane Villagrande considerou “extremamente profissional” a ação da BM que resultou na execução de Elton. “Esse é o papel do Ministério Público?”, indagou. Ele também ficou indignado com a truculência da Brigada Militar que montou um forte aparato policial para dominar as pessoas c

O conceito de armas não letais

Peço ajuda aos universitários e aos especialistas para esclarecer qual o conceito de arma letal. Talvez até mesmo o Ministério Público Estadual poderia me dizer. Além de armas de caça, calibre 12, recheadas de chumbo, também a BM utiliza sabres — nas mãos dos brigadianos da foto acima —, tiradas no momento da desocupação da fazenda Southall, em São Gabriel. Essas armas também não são letais ? Há relatos de que mais de 45 pessoas (crianças, mulheres e Homens com H) foram pisoteados pelos cavalos e e tiveram pernas e braços atingidos pelos sabres.

O pagode da vergonha

Há pelos menos 4 meses uma das ruas centrais da cidade de Porto Alegre está bloqueada por uma barraca que teria inicialmente a função de atender a campanha de vacinação de idosos. Desse tempo para cá pelo menos dois terços do tempo a tal barraca permanece fechada. De vez enquando é aberta para atividade relâmpago. Quem conhece o local sabe que a barraca bloquea o fluxo de que chega de carro ou de taxi ao Parlamento Gaúcho ou de quem precisa fazer um retorno. Imaginem se fosse uma barraca do MST, provavelmente, a mídia guapa estamparia na capa que o trânsito foi bloqueado, caos no centro, atrapalhando o transito, o direito de ir e vir etc.. Hoje o pagode corria solto na frente do Palácio Piratini com uma duzia de pessoas em plena terça feira 10h50min. A pagodeira foi organizadao pelo governo Yeda num tal projeto contra à violência, por ironia, três dias depois do assassinato de um agricultor sem-terra pela BM.

Metade omem

Por que foi a Brigada Militar que recolheu as escopetas calibre 12 na operação da BM em São Gabriel ? Deveria ser a Policia Civil e não a mesma BM que vitimou o agricultor sem terra Elton Brum da Silva. Mais um crime ? Isso é como deixar a raposa cuidando do galinheiro. É impossível que passados quase sete dias da morte de Elton a BM não saiba quem atirou. Se esperarmos pela investigação do comando-geral da BM , talvez daqui uns 45 dias, saberemos que foi uma espingarda de caça que matou Elton, e se depender da coragem desse omem-oficial, a mesma que teve ao matar uma pessoa pelas costas, a coisa vai demorar ainda mais. Quero saber se a Assembleia Legislativa vai se pronunciar sobre o tema, o MP já falou que foi tudo muito profissional, através da sua promotora local. Novamente a instituição BM serve de manto protetor para esse oficial que não merece o H na palavra homem. Conheço muitos praças e oficiais da BM e acho que eles também não gostariam que o brasão com a imagem do centauro (vigilância, sabedoria, bravura e proteção) sirva de escudo para quem comete um crime.

24 de ago de 2009

Vigília em memória a Elton Brum da Silva

A Coordenação de Movimentos Sociais (CMS) anunciou hoje que realizará na próxima quinta-feira (27) uma vigília em memória ao sétimo dia do assassinato do agricultor sem terra Elton Brum da Silva. A concentração será em frente a Assembleia Legislativa a partir das 17h.

Lançamento do 15º Grito dos Excluídos


Com o objetivo de denunciar todas as formas de injustiças e de corrupção presentes na nossa sociedade ocorre amanhã (25) o lançamento do 15º Grito dos Excluídos. O ato de lançamento será na sala do Fórum Democrático da Assembléia Legislativa do RS, às 18:30h, após o painel constituído por Dom Alessandro Ruffinoni, Bispo responsável pelo Setor das Pastorais Sociais do Regional Sul 3 da CNBB; por Milton Viário, Presidente da Federação dos Metalúrgico do RS e Celso Woyciechowski, Presidente da CUT-RS. O Grito dos/as excluídos/as acontecerá, em Porto Alegre, no dia 04 de setembro. Como o lançamento será o primeiro ato público que reunirá representantes dos movimentos sociais após o assassinato do agricultor Elton Brum da Silva, em São Gabriel, o tema da criminalização dos movimentos será um dos pontos alto dos lançamento.

Perfil atrasado e conservador

Posso estar enganado, mas seguidamente ouço reclames do aumento do ingresso de servidores públicos com o perfil ultraconservador e de centro-direita nas carreiras públicas de Estado. Não que isso seja novidade, no entanto, quando esse servidor público tem o poder de decidir sobre a vida, o futuro de uma pessoal ou de um grupo e toma uma decisão baseada nessa bagagem cultural, carregando preconceitos de uma elite atrasada, me faz pensar se dentro dos milhares de cargos abertos — que jaziam extintos na era FHC — pelo governo Lula, isso seria regra ou exceção. Sei que no caso da magistratura ou do MP a "origem" sempre teve peso. A fulana é filha de desembargador, o fulano é filho de juiz, o beltrano é neto do fomoso advogado, etc. Digo isso porque não me conformo com a relação que a promotora Lisiane Villagrande nutriu ao longo dos anos com os latifundiários da região de São Gabriel. As declarações sobre o “ profissionalismo” da Brigada Militar que determinou o assassinato de Elton Brum da Silva, 44 anos, me causa repulsa. Espero que além da investigação da morte de Elton, também a ação da promotora seja investigada, para o bem do MP Estadual.

23 de ago de 2009

Viva a democracia

Venceu mais uma vez a democracia ao dizer um sonoro Não (18.212 votos) na consulta pública sobre a construção de prédios residenciais na área do antigo Estaleiro, na zona sul de Porto Alegre. Mesmo que o percentual tenha sido pequeno (22.619 eleitores) isso mostra que a sociedade tem sim o interesse em discutir temas de interesse público, temas coletivos que para muitos, deveriam ser resolvidos (negociados) numa reunião de executivos, com uma bela vista para o guaíba. Quem sabe a gente pode começar a discutir, por exemplo, o tema dos pedágios através desse intrumento ? Viva a democracia, com Sarney e Yeda no pacote.

Vote Não ao Projeto Pontal do Estaleiro

22 de ago de 2009

Mais cabeças !

Será que só a cabeça do subcomandante-geral da Brigada Militar, coronel Lauro Binsfeld é que vai rolar ? Na quarta-feira, Binsfeld disse em entrevista que não havia pressa para executar a ordem de despejo porque queria fazer o serviço "bem feito". Mas a responsabilidade também é do comandante-geral da BM, João Carlos Trindade e do Ministério Público que até agora não abriu a boca, aliás, abriu, mas para falar M..... Agora o comandante-geral pede calma, imaginem se tivesse sido um brigadiano morto ? A essa hora centenas de colonos já estariam enjaulados e os jornais e tvs guapas já teriam dado a sentença condenatória ao MST. A transmissão do velório seria com honras e por dezenas de anos a morte seria lembrada, como fizeram com o PM Valdeci, usando de forma vergonhosa a sua imagem para fins politico-partidários. Quem é o oficial que matou o agricultor Elton ? Porque não revelam logo ?Enquanto isso persistir a coisa tende a piorar no RS.

BM matou dois ligados aos movimentos desde 2005


O gradativo aumento da violência da Brigada Militar, ao longo dos anos, culminou com o assassinato de dois trabalhadores ligados aos movimentos sociais desde 2005 . Além da BM ter executado pelas costas ontem (21) o agricultor sem-terra Elton Brun da Silva, também não podemos esquecer que em 2005 o sindicalista Jair Costa foi estrangulado (foto) por PMs — governo Rigotto (PMDB)— ,quando participava de uma manifestação contra o desemprego do setor coureiro-calçadista, em Sapiranga. De lá para cá, confrontos entre trabalhadores e policiais são cada vez mais comuns e violentos. No ano passado, com o arrocho do funcionalismo, o desmantelamento das políticas sociais e dos serviços públicos, sobrou apenas a última barreira da direita: a violência de Estado. Estimulado pela mídia guapa um midiatico coronel colocou anos de experiência de seus serviços prestados à época da Ditadura para bater, bater, bater e bater. Agora, mais um cadáver, reflexo da orientação política direta da governadora Yeda Crusius, do PSDB. Yeda é também culpada pela morte desse agricultor pois passados três anos de seu catastrófico mandato, acabou a política agrária e não assentou um única família Sem Terra. Se a situação política de Yeda já era insustentável devido a corrupção, agora, tendo um cadáver de um agricultor no colo e a revolta dos movimentos sociais, sua vida não será nada fácil daqui para diante.

21 de ago de 2009

Silêncio na mídia, onde está a fita ?

Chega ser insurdecedor o silêncio da mídia nacional e blogs locais-oficiais sobre o assassinato do agricultor sem terra Elton Brum da Silva em São Gabriel. Medo ? não ! Como Elton pôde ter sido fuzilado pelas costas ? Quem Fez ? Como o MP não viu nada ? Filmaram ? Sim ! Onde está a fita ? Todas as ações da BM são registradas filmadas e fotografadas por P2s. O comando da BM pode responder e logo..

NOTA PÚBLICA MST

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra vem a público manifestar novamente seu pesar pela perda do companheiro Elton Brum, manifestar sua solidariedade à família e para:

1. Denunciar mais uma ação truculenta e violenta da Brigada Militar do Rio Grande do Sul que resultou no assassinato do agricultor Elton Brum, 44 anos, pai de dois filhos, natural de Canguçu, durante o despejo da ocupação da Fazenda Southall em São Gabriel. As informações sobre o despejo apontam que Brum foi assassinado quando a situação já encontrava-se controlada e sem resistência. Há indícios de que tenha sido assassinado pelas costas;

2. Denunciar que além da morte do trabalhador sem terra, a ação resultou ainda em dezenas de feridos, incluindo mulheres e crianças, com ferimentos de estilhaços, espadas e mordidas de cães;

3. Denunciamos a Governadora Yeda Crusius, hierarquicamente comandante da Brigada Militar, responsável por uma política de criminalização dos movimentos sociais e de violência contra os trabalhadores urbanos e rurais. O uso de armas de fogo no tratamento dos movimentos sociais revela que a violência é parte da política deste Estado. A criminalização não é uma exceção, mas regra e necessidade de um governo, impopular e a serviço de interesses obscuros, para manter-se no poder pela força;

4. Denunciamos o Coronel Lauro Binsfield, Comandante da Brigada Militar, cujo histórico inclui outras ações de descontrole, truculência e violência contra os trabalhadores, como no 8 de março de 2008, quando repetiu os mesmos métodos contra as mulheres da Via Campesina;

5. Denunciamos o Poder Judiciário que impediu a desapropriação e a emissão de posse da Fazenda Antoniasi, onde Elton Brum seria assentado. Sua vida teria sido poupada se o Poder Judiciário estivesse a serviço da Constituição Federal e não de interesses oligárquicos locais;

6. Denunciamos o Ministério Público Estadual de São Gabriel que se omitiu quando as famílias assentadas exigiam a liberação de recursos já disponíveis para a construção da escola de 350 famílias, que agora perderão o ano letivo, e para a saúde, que já custou a vida de três crianças. O mesmo MPE se omitiu no momento da ação, diante da violência a qual foi testemunha no local. E agora vem público elogiar ação da Brigada Militar como profissional;

7. Relembrar à sociedade brasileira que os movimentos sociais do campo tem denunciado há mais de um ano a política de criminalização do Governo Yeda Crusius à Comissão de Direitos Humanos do Senado, à Secretaria Especial de Direitos Humanos, à Ouvidoria Agrária e à Organização dos Estados Americanos. A omissão das autoridades e o desrespeito da Governadora à qualquer instituição e a democracia resultaram hoje em uma vítima fatal;

8. Reafirmar que seguiremos exigindo o assentamento de todas as famílias acampadas no Rio Grande do Sul e as condições de infra-estrutura para a implantação dos assentamentos de São Gabriel.

Exigimos Justiça e Punição aos Culpados!
Por nossos mortos, nem um minuto de silêncio. Toda uma vida de luta!
Reforma Agrária, por justiça social e soberania popular!
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

"Foi tudo muito profissional" by Lisiane Villagrande

Promotora Lisiane Villagrande
diz que foi tudo muito profissional

O MP Far Far Way

Agora a tarde (21), ao ouvir na rádio gaúcha a promotora Lisiane Vilagrande, representante do MP que "acompanhou de perto" a BM e a ação da desocupação da fazenda Southal pela BM, que culminou com o assassinato do agricultor, Eltom Brum da Silva , tenho a convicção de que essa defensora das leis estava muito muito distante dos fatos, até demais. Inicialmente ela disse que estava longe dos fatos e que o comandante a aconselhou, para a sua própria segurança, que ficasse longe da ação (hummmmm). Segundo ela, ficou mais próxima dos jornalistas (que estavam forçadamente afastados) do que da ação (onde ela realmente deveria estar). Durante todo tempo da entrevista ficou claro, para ela, que a BM agiu com a maior tranquilidade. Se a promotora afirmou que estava longe, a pedido do comandante, como pôde afirmar tranquilidade na ação que determinou o assassinato de um agricultor ? Ela nem sequer ouviu os disparos. Onde estava nessa hora ? Esse é o nosso MP muito muito distante da realidade social do Brasil e muito muito próximo dos poderosos. Depois de um assassinato e varias pessoas feridas na desocupação a promotora declara que tudo foi tranquilo e profissional, eu não sei o que dizer sobre essa turma.

Oficial da BM teria efetuado o disparo

Segundo apurou o site RS Urgente o disparo que matou o agricultor Sem Terra Eltom Brum da Silva, de 44 anos, foi feito por um oficial da Brigada Militar após "discutir" com o agricultor e atirar a queima-roupa um disparo de espingarda de caça calibre 12. Para identificar a origem desse disparo é fundamental o recolhimento de todas as armas daquele calibre e de todos os tickets (cautelas) gerados pela BM quando a arma é disponibilizada aos policiais numa operação como essa. A informação é extra-oficial e só poderá ser comprovada com uma rigorosa investigação.

Nota do Sindicato dos Jornalistas do RS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Rio Grande do Sul recebe com pesar a notícia da morte do trabalhador rural sem terra, Elton Brum da Silva, ocorrida hoje (21/8) pela manhã, em São Gabriel. Ele foi morto com um tiro disparado por policiais da Brigada Militar. Para a entidade, a morte deste brasileiro é inaceitável e resulta da intransigência do governo do Estado, que encara protestos como crime, ocasionando agressões constantes a quem participa de manifestações, desconsiderando que elas são inerentes à democracia e asseguradas na Constituição Brasileira. A entidade espera que o fato seja apurado com a maior brevidade e rigor, com a responsabilização dos envolvidos.

Tiro de calibre 12 mata Sem Terra

Segundo o presidente da Comissão e Cidadania e Direitos Humanos - CCDH da Assembleia Legislativa do RS, deputado Marcon (PT), foi um disparo de calibre 12, com oito perfurações nas costas, que matou o agricultor Elton Brun da Silva de 44 anos.

Sem Terra é assassinado em São Gabriel

O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos- CCDH, da Assembleia Legislativa do RS, deputado Dionilso Marcon (PT), confirma o assassinato pela BM, de um agricultor Sem Terra no momento da desocupação da fazenda Southall, em São Gabriel, realizada hoje (21) pela Brigada Militar. O deputado está se dirigindo nesse momento para o local do conflito. Ontem, militantes da Via Campesina denúnciaram na CUT-RS que a polícia aplicou choques elétricos em militantes do MST em São Gabriel. O filho do deputado Federal Adão Pretto, Edegar Pretto,também está se deslocando para o local do conflito. Pelo visto Yeda criou dois fatos relevantes para desviar o foco da CPI e da corrupção de seu governo: o dos pedágios e agora o assassinato de um agricultor sem terra.

A preocupação de Ana assusta


Olhem qual é a preocupação da jornalista Ana Amélia Lemos sobre os novos índices de produtividade: Grifo pessoal. "A reação de lideranças rurais e políticas contra alteração nos índices de produtividade foi criticada por alguns setores que entendem que os novos índices, propostos pelo governo, não representam risco e que a maior parte das lavouras no país supera os percentuais de produção. Enxergaram só a floresta e não a árvore. O problema não é a produtividade. A questão é a interferência do Estado na liberdade do produtor, que pode perder a terra, sob esse manto legal. Breve, o governo poderá tentar resolver o déficit habitacional desapropriando campos de golfe e casas de praia que não cumprem função social."

Parece piada que em pleno século XXI alguém coloque os campos de golfe com prioridade num país como nosso, com tanta violência e desigualdade social. Só gostaria de saber se alguns campos de golfe e dezenas de mansões (casas) da qual ela se refere tem todas as matrículas legais, principalmente no nosso litoral guapo.

O dia em que a Terra Parou

FALA RAULLLLLLLL !!!

20 de ago de 2009

Um bode para despistar

Os deputados do PT criticaram a decisão de Yeda Crusius de transferir para o governo federal os contratos firmados entre o Estado e as concessionárias que exploram as estradas gaúchas. O petista, Raul Pont, classificou a medida de estapafúrdia. “É inacreditável que o governo gaúcho transfira os contratos para a União junto com uma dívida de R$ 1,1 bilhão, que ninguém sabe como foi constituída. É mais um factóide criado para desviar a atenção da opinião pública das denúncias de corrupção”, apontou. Segundo Pont, nem os membros do Executivo mostram consenso a respeito da dívida alegada pelas concessionárias. “Um ex-diretor do Daer afirmou na CPI dos Pedágios que o valor era de R$ 600 milhões. Outro disse que não havia dívida. E agora o governo anuncia que é de R$ 1,1 bilhão e quer repassar a conta adiante “Os cálculos são verdadeiras trapaças, montados a partir da contratação de empresas do mesmo grupo das concessionárias e da total falta de controle do número de usuários das praças de pedágios”, enfatizou Pont. O anúncio desse fato relevante de Yeda é mais uma tentativa de Yeda e de seus aliados para tirar o foco da CPI da Corrupção. Podem apostar, a partir de amanhã não se fala mais em corrupção nesse Estado porque nossa mídia guapa estará muito ocupada (ahahahah) tratando de pedágios.

Abaixo Yeda diz no ítem D que não tem controle contábil da arrecadação das concessionárias mas no ítem I aponta um "severo" desequilibrio financeiro. Se não tem controle como pode afirmar isso ?




Quem tem medo de um índice ?

Há centenas de regiões do Brasil e vastas áreas no Rio Grande do Sul que se aplicados o novo índice de produtividade da terra seriam desapropriados imediatamente. O índice atual está completamente defasado e tem como base o censo agropecuário de 1975. Naquela época a mecanização nas grande glebas era mínima e hoje os latifundiários e ou especuladores de terra se agarram nesse indicador com tábua de salvação. O índice, assim como qualquer outro indicador, deve atualizado constantemente o que não era feito desde 1980, ou seja, quase 20 anos. Para a agricultura familiar não há o que temer e nem aquele proprietário de terras que faz cumprir a sua função social. Quem conhece o Brasil sabe que essa não é a regra e muitos utilizam a terra para trabalho escravo, especulação financeira e milhões de hectares caem nas mãos de empresas estrangeiras e espertalhões que veem para cá com projetos mirabolantes já rechaçados nos seus próprios países de origem. Ganham dinheiro rápido e fácil e deixam a terra destruída enquanto nosso povo tem que arrendar terras para plantar. A renovação do índice é uma antiga reivindicação dos movimentos sociais e uma das promessas do presidente de campanha de Lula no que diz respeito ao aceleramento do processo de reforma Agrária.

19 de ago de 2009

A direita joga verde


Recebi na semana passada o artigo do secretário de relações internacionais do PT, Valter Pomar, sobre a possível saída da senadora Marina Silva do PT. Quero compartilhar o documento com vocês para que possamos entender às consequências da saída de Marina para a eleição presidêncial em 2010.

Não sei se a senadora Marina Silva já decidiu se fica ou sai do PT, se disputa ou não a presidência da República. Mas sua eventual candidatura já está sendo comemorada pela direita brasileira.

O troféu da babação foi para Danuza Leão, autora de um artigo intitulado “Quem tem medo da doutora Dilma” (Folha de S.Paulo, 16 de agosto). Segundo Danuza, “não existe em Dilma um só traço de meiguice, doçura, ternura (....) Lembro de quando Regina Duarte foi para a televisão dizer que tinha medo de Lula (....) Não lembro exatamente de que Regina disse que tinha medo, mas de uma maneira geral era medo de um possível governo Lula. Demorei um pouco para entender o quanto Regina tinha razão. Hoje estamos numa situação pior, e da qual vai ser difícil sair, pois o PT ocupou toda a máquina, como as tropas de um país que invade outro. Com Dilma seria igual ou pior (...) Minha única esperança, atualmente, é a entrada de Marina Silva na disputa eleitoral, para bagunçar a candidatura dos pe tistas (....) Seja bem-vinda, Marina. Tem muito petista arrependido para votar em você e impedir que (...) Dilma Roussef passe para o segundo turno”.

De maneira menos boçal, variantes deste raciocínio foram matéria de capa da Época (“Marina embaralha o jogo eleitoral de 2010”), da IstoÉ (“o Brasil não é só PT e PSDB”), bem como de textos publicados em Veja (que ainda não deu capa) e outras publicações.

Os que comemoram, não acreditam e geralmente não desejam que Marina possa ser presidente; acham apenas que ela pode atrapalhar uma terceira vitória do PT. Ou seja: sua candidatura é vista como linha auxiliar do PSDB, mais ou menos como o Partido Verde se comporta em vários estados do Brasil.

Como ficaria mal falar isto de maneira explícita, a grande imprensa faz três movimentos diversionistas: a) apresenta Marina como candidata de quem “manteve viva a utopia”; b) destaca a importância de incluir o meio ambiente no debate presidencial; c) diz que o Brasil deve escapar da falsa polarização entre PT e PSDB.

A verdade é que a direita não se incomoda com a defesa das utopias e do meio ambiente, desde que essa defesa não se materialize em atos de governo. Por isso, dirão o que for necessário para impedir uma vitória do PT nas eleições de 2010, pois sabem muito bem que nesta quadra da história não haverá presidente de esquerda, nem defesa efetiva do meio ambiente, sem o Partido dos Trabalhadores.

Neste sentido, a crítica à “falsa polarização PT e PSDB” tem o mesmo objetivo daquele discurso que fala que não existem mais diferenças ideológicas: quem se beneficia de ambos é a direita, que opera nos marcos do senso comum e das personalidades, não precisando demarcar diferenças, nem construir organizações coletivas.

Infelizmente, existem setores do PT que alimentam este discurso. Por exemplo, não por coincidência, a senadora Marina Silva, que em artigo intitulado “Renda básica na política” (FSP, 9/2/ 2009) defende que PT e PSDB, que “têm sido as forças mais estáveis no comando do país”, se unam “pelo resgate da política e por meio de um alinhamento ético”. Política de alianças adotada no Acre, segundo consta.

Acontece que estes dois partidos organizam a disputa política brasileira, exatamente porque representam dois projetos nacionais opostos e contrapostos: o neoliberal e o democrático-popular. Não é a disputa entre PT e PSDB que cria esta contraposição; é esta contraposição na vida real (algo que nossos velhos chamavam de luta de classes) que se traduz na disputa política entre os dois partidos.

Que a disputa às vezes assuma formas mesquinhas, rebaixadas, pouco claras ou elegantes, é outro assunto. Mas enquanto aquela contradição de projetos for dominante na sociedade brasileira, enquanto petistas e tucanos representarem projetos opostos, não haverá aliança estratégica entre eles.

Neste sentido, quem tiver a ambição de construir uma terceira via entre PT e PSDB, viverá o mesmo dilema do PSOL em 2006: no segundo turno, dividir-se entre Alckmin e Lula. A direita sabe disto e joga verde apenas para colher serra. Motoserra.

Os frutos da copa

Os R$ 15 mil reais em diárias que o peemedebista Clóvis Acosta Fernandes, o "Gaúcho da Copa" levou do gabinete da governadora para "acompanhar" a Copa das Confederações na África do Sul deve ser mais uma piada de mal gosto desse bando que está no governo da tramparência. Nossos atletas amadores ou até mesmo os profissionais penam para conseguir patrocínio público e geralmente quando precisam disputar alguma competição fora daqui têm que mendigar apoio para juntar dinheiro para passagens e hospedagens. A justificativa para a liberação da bufunfa seria que o Gaúcho da Copa divulgaria o Estado do Rio Grande do Sul. Como assim cara-pálida ? se fosse uma comitiva política que fizesse contatos comerciais com empresas que trabalham com o turismo e ou empresas que estão engajadas nas obras da copa de lá eu até entenderia, mas pagar R$ 15 milhas para um cidadão desfilar fantasiado com uma roupa típica de um estado brasileiro, seis anos antes da copa que o Brasil sediará, não faz o menor fundamento.Espero que esse dinheiro seja ressarcido aos cofres públicos. Parece que o Rio Grande já está colhendo os frutos da Copa de 2014 (ahahahahahahha).

É muita treta



Essa é em homenagem ao nosso governo da tramparência

18 de ago de 2009

Uma nova fase com mamãe

O ex-ouvidor da Secretaria de Segurança Pública, Adão Paiani, acostumado a transitar livremente pelo Palácio Piratini e até bem pouco tempo desfrutar da confiança de Yeda, agora, prova de uma nova fase da sua relação com a mamãe (ahahahahah). Paiani como ouvidor da segurança pública sempre fez ouvidos de mercador e ignorava sistematicamente as denuncias de violência contra os movimentos sociais. A política do bate primeiro e pergunta depois do coronel Mendes sempre foi ignorada pelo ex-ouvidor, mesmo quando parlamentares e os movimentos sociais condenavam internacionalmente o comando da BM, coronel Mendes, que mandava sentar o cassetete a torto e a direito em professores, estudantes e agricultores.
Paiani agora prova um pouquinho da democracia do governo Yeda e da forma com que seus colaboradores tratam seus adversários políticos. Mesmo assim entendo ser ilegal a tal ordem que o chefe da Casa Civil, José Roberto Wenzel, teria dado ao determinar a proibição do acesso do cidadão Paiani no palácio (um local público). Principalmente se o cidadão foi em busca de informações de seu interesse, no caso dele na condição de advogado,exigindo cópia de uma sindicância pública sobre o uso do sistema de escutas Guardião para espionagem política e chantagem contra adversários do governo.

@lheira.com.br

É muita cara-de-pau dessa gente fazer pompa ao lançar o site da transparência do Estado. O problema não está no mecanismo, mas sim no caráter, ou a falta dele no que se refere aos agentes políticos desse governo. Se pergarmos como modelo a prefeitura de Canoas quando Chico Fraga estava à frente da "gestão", podemos ter certeza que muita coisa podre ainda está por aparecer e entendo que a CPI tem forças para chegar nos peixes graúdos de dentro e principalmente nos que estão do lado de fora do portal da transparência. Já tem até um e-mail circulando pela internet onde qualquer cidadão pode enviar denuncias de corrupção no governo do Estado: transparencia@lheira.com.br (ahahahahaahahaha)

17 de ago de 2009

De olho arregalado gaúchada


A sensação de impunidade em relação a corrupção é tanta que a maioria das pessoas acha que tudo que envolve políticos corruptos acaba em pizza, e que tudo ficará como está. Não compartilho dessa linha de pensamento por entender que nossa sociedade evolui e com ela a consciência política. O brasileiro já elegeu Maluf, já elegeu Collor, já elegeu Britto, já elegeu Fogaça e Yeda (ahahaaha). Vivemos por quase 30 anos sob governos ditatorias e ou neoliberais. A filosofia era o da bota na cara ou a do mercado salvador dos nossos problemas. A idéia de que o serviço público é uma porcaria é plantada todo o dia pela PIG e que o deus mercado é a salvação. Há dez anos a Policia Federal estava tão sucateada que só prendia ladrão de galinha, nossas instituições públicas e mecanismos de fiscalização eram infinitamente mais fracas do que são hoje, mesmo com todos os seus defeitos e vícios.

Muita coisa mudou e para melhor. Apenas em duas operações de rotina da PF no Rio Grande do Sul (Rodin e Solidária) se descobriu a dimensão de uma quadrilha que operava desde o governo Rigotto (PMDB) com continuidade e alastramento no governo Yeda (PSDB) que sugou R$ 44 milhões de reais dos cofre públicos. Grande parte dessa gente fazia parte da creme de la creme da elite política gaúcha. Gente que há 20 anos ditava a política guapa tendo o respaldo da PIG guasca. A investigação da PF e do MPF abriu as entranhas dessa gente e mostrou o alto comprometimento de agentes políticos com falcatruas e com a corrupção deslavada. Não é preciso ser um detetive para concluir, ao ler os diálogos das escutas telefônicas da PF, transcritos na ação do MPF, contra Yeda + oito, que se essa gente tivesse um pingo de vergonha na cara já teriam ido embora

Falo isso porque a CPI da Corrupção será outro grande desafio para a sociedade gaúcha, que talvez ainda não tenha percebido que haverá muita gente que fará de tudo para que nada funcione dentro da Comissão Parlamentar e tudo está dentro da regra do jogo. Os gaúchos devem ficar atentos à cada requerimento rejeitado e se a fala do deputado é coerente com seu voto. Se tudo der certo, uma boa parte dessa gente será varrida da vida política guapa pelos crimes que cometeram. Mas fiquem de olho. Ah ! chama a atenção que um dos principais "conselheiros da crise " de Yeda é o do ex-governador Antônio Britto. (ahahahahaha)

Vale de Lagrimas

16 de ago de 2009

PIG quer Serra


A PIG quer Serra em 2010 no Palácio do Planalto e para isso tenta derrubar Sarney de qualquer forma através dos senadores éticos (ahahahah) do PSDB. Esses não resistiram a 30 dias de investigação. A farra senatorial que eles promoveram com dinheiro do Senado levou o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio, na TV Bandeirantes do último sábado (15) no programa Show Business. Virgílio disse que estava arrependido (ahahaha) de ter utilizado (ser pego) a verba da Casa para mandar assessores para fazer cursos no exterior e outras cositas mais. Na entrevista ele não falou quem pagou a "vaquinha" de U$ 10 mil de sua viagem a Paris, e nem que foi Agaciel Maia, ex-diretor do Senado que bancou tudo. O apresentador João Doria Jr.aplaudiu a coragem do senador

Na realidade a campanha do Fora Sarney e da ética tucana pela moralidade do Senado não passa de uma bela encenação tendo como objetivo atingir Dilma e voltar para voltar a mamar nas tetas do Estado. Como os atos secretos não beneficiaram somente Sarney, mas também senadores tucanos, o PSDB correu para fazer acordo com o PMDB, retirando ofensas, pedindo desculpas a Renan Calheiros etc.

Lula conhece bem essa gente e também a nossa PIG e soube como ninguém usar das armas dos seus inimigos contra eles mesmos. Lembro que a PIG em 1989 aplaudiu o todo poderoso presidente da Fiesp, Mario Amato, quando esse publicamente disse que se Lula ganhasse às eleições milhares de empresários pegariam seus jatinhos e abandonariam o Brasil, deixando milhões de desempregados. Levaram a eleição, elegeram collor, e afundaram o país. Assim também foi com FHC , que mudou a Constituição no meio do jogo, com o apoio da PIG para poder ter a reeleição, quebrando o país e entregando o patrimônio público para muitos empresários, um deles réu do MPF.

Além de garantir a participação do PMDB e do PP no governo, Lula garantiu a sustentação política no Senado e na Câmara, tendo Collor, Sarney e Renan como aliados. O lingua plesa rompeu a espinha dorsal da estratégia da PIG e da burguesia brasileira, que derrubava governos com a formação de crises artificiais e midiáticas.
O povão sabe que nunca na história desse país o Brasil (ahahaha) recebeu tanto investimento público em saúde, educação e distribuição de renda. Podem criticar o quanto quiserem o governo Lula, mas de uma coisa não : hipocrisia. Ele joga o jogo que está na mesa e as cartas que a PIG ajudou a inventar, e está ganhando. Só que agora a PIG quer mudar às regras no meio da partida. O PIG quer o PSDB de Serra-Yeda e tentará abrir todas as frentes contra Dilma, nem que tenha que sacrificar seus antigos aliados.

15 de ago de 2009

Ditabranda guapa

Nos protestos do Fora Yeda o comandante-geral da Brigada Militar João Carlos Trindade Lopes orientou seus subordinados para que confiscassem e recolhessem faixas e cartazes contra a governadora porque seriam ofensivos a honra da governadora etc....Na condição de comandante e oficial, sua decisão foi ao velho estilo da Ditadura Militar e se fosse em outros tempos, a grande mídia já estaria pedindo a cabeça do coronel e o debate tomaria conta de rádios, TVs e jornais até que a exoneração do coronel fosse publicada. Imaginem se você no governo Olívio Dutra o que seria o editorial de Zé H do outro dia. Alías, o editorial de hoje (15) deixa o lombo do comandante da BM lisinho lisinho: "....Preocupada em evitar mal-entendidos e a repetição de episódios como o que resultou até mesmo no recente indiciamento de um grupo de manifestantes, a própria governadora afirmou ontem considerar protestos um “instrumento da democracia”, desde que não firam a lei. A Constituição Federal, de fato, garante em seu artigo 5º a livre manifestação do pensamento e a livre expressão. Quem quer que seja responsável por atos que impliquem injúria ou difamação pode ter que prestar contas à Justiça pelos excessos. Mas não cabe nem ao policial civil nem ao militar dizer o que pode ou o que não pode ser expresso, muito menos encarregar-se de recolher cartazes ou faixas interpretados como inadequados pelo seu conteúdo...." Mal-entendido ?? como assim cara-pálida ? O comandante deu uma ordem completamente inconstitucional e anti-democrática e a coisa fica por isso mesmo? A ação não se seguiu porque começaram a pipocar centenas de telefonemas às redações e emissoras de rádio denunciando o fato, e como a lei seria estuprada, o comando não teve outra alternativa a não ser a de bater em retirada.

Veja outra pérola do editorial:

[...O Estado vive um momento politicamente tenso e a sociedade precisa ter o direito de agir com liberdade, o que inclui manifestações democráticas, incluindo as programadas para locais públicos. Mas é importante, acima de tudo, que esses atos ocorram sempre de forma pacífica, preservando o respeito à autoridade e aos direitos dos demais....] Momento politico tenso ? preservar o respeito à autoridade ?? Esse momento não é tenso não, é um momento político vergonhoso e triste para nós gaúchos que achávamos que éramos a última bolachinha do pacote em matéria de lisura e ética (ahahahahahha). Ah! Uma coisa que aprendi a: respeito tu deve a quem te respeita, pois no momento que essa linha é rompida não há mais quem segure, principalmente quando o respeito é quebrado por quem deveria dar o exemplo.

Outro fato que passou em branco foi a prisão de de um frei e de padre essa semana, ambos ligados a questão agrária. O primeiro foi um frei, que foi preso em São Gabriel sem nenhum motivo, pois segundo testemunhas apenas acompanhava o conflito. O frei foi algemado com às mãos para trás e transpassado com um cabo de vassoura, tendo seu braços levantados num pau-de-arara vertical. O segundo foi o Padre Rudimar Dal'Lasta um dos coordenadores nacionais da Comissão Pastoral da Terra (CPT) , sob alegação que alguém do PSDB teria visto que ele teria no meio da multidão jogado pedras e ovos em militantes do PSDB. Engraçado é que a BM além de considerar como verdadeira a fala de um militante do PSDB para prender o padre, deixaram que o pessoal do PSDB trancasse a rua Duque de Caxias (as gravações das Câmeras do Palácio provam o que digo) para fazer um abraço simbólico ao governo Yeda. O trânsito ficou parado por quase 10 minutos e a mída nem ao menos tocou no assunto, preferindo dizer que os manifestantes do Fora Yeda estavam atrasando o fluxo. Como os dois religiosos são ligados à questão agrária e agora estão fichados por um pseudo-crime, poderão ser presos novamente em qualquer circunstância e tachados com antecedentes criminais.

14 de ago de 2009

Lied engrossou o Pró-Yeda

O chefe de Gabinete de Yeda, Ricardo Lied, estava entre os 78 manifestantes que interroperam o trânsito da Duque de Caxias, em frente ao Piratini e fizeram um "abraço" simbólico ao governo Yeda. Neste caso não ouve violência e ninguém foi preso, até porque muitos deles entraram para dentro do Palácio depois do ato (ahahaha) Imagem: Marco Couto

Um, dois, três Yeda no Xadrez

Fora Yeda já está no Piratini




BM usou Taser contra agricultores em São Gabriel


A grande mídia não divulgou, mas ontem (13), em São Gabriel, a BM usou a vontade a nova arma dita não letal Taser . Segundo sites especializados no tema, os impulsos elétricos transmitidos no disparo são de 50.000 volts, e afetam o sistema nervoso central do indivíduo, imobilizando-o, fazendo com que ele fique na posição fetal. Ao atingir a vítima, os eletrodos disparam uma descarga de 5 segundos. Após isso, caso o operador permaneça com o dedo no gatilho, uma descarga é liberada a cada 1,5 segundo.

O alcance máximo da arma, a depender do cartucho utilizado, é de aproximadamente 10,6 metros (comprimento do fio da M26), e após um disparo, os fios tem que ser recolhidos para que a arma seja novamente utilizada. Os 50.000 volts citados, são gerados por 8 pilhas AA de 1,2 volts, através de condensadores e transformadores que a arma possui. O fabricante informa que todas as armas possuem uma memória digital que armazena a data e a hora dos 585 últimos disparos, além de expelir confetes identificadores com o número serial do cartucho no momento do disparo.

Segundo sites especializados, as Taser (armas de choques eléctricos) já mataram 334 pessoas desde 2001 nos Estados Unidos da América (EUA). Estes são números divulgados pela Amnistia Internacional (AI) naquele que é o relatório mais recente sobre estas armas. Para contrariar estes números, as autoridades alegam que muitas destas mortes se devem ao consumo de estupefacientes.

Parece que o novo brinquedinho da BM será usado para outros fins que não o do combate a criminalidade.

Profusão de Brigadianos

Se apenas um terço da quantidade de brigadianos que está nas ruas de Porto Alegre no dia de hoje (14) estivessem no dia-a-dia da Capital, garanto que a criminalidade reduziria em 90%. Segundo informes, somente na Mansão de Yeda, há um pelotão inteiro da BM de prontidão. Infelizmente a profusão de policiais que brotam até de árvores não significa proteger a população, mas apenas uma espécie de policia política, bem ao estilo dos velhos tempos da ditadura. Cada ônibus que chega em Porto Alegre com manifestantes é parado e revistado de cima a baixo, e após gentilmente escoltado.
Essa será a primeira participação dos movimentos sociais no Fora Yeda, após a denúncia do MPF contra a governadora +oito. Espero que o governo não ouse agir com violência, pois o preço político será muito caro. No auge da divulgação da corrupção do governo Yeda em 2008 as principais vítimas foram os professores, estudantes e agricultores.

13 de ago de 2009

Uma ré, dois advogados, duas versões

Os advogados Paulo Olimpio Gomes de Souza e Fábio Medina Osório, contratados a peso de ouro pela governadora parece que se trairam ao não combinar qual seria a versão ideal para os R$ 90 mil reais que Walna Vilarins Meneses pegou emprestado para ajudar sua chefa Yeda. Paulo Olimpio disse que não houve empréstimo algum de Walna para a compra da Mansão e Medina disse que a bufunfa "emprestada" foi usada para fins habitacionais (ahahahahahha). A PF agora que ouvir a moça pra ver qual será a versão dela sobre o assunto.

Top Top da mídia em Dilma


O bombardeio da mídia sobre Dilma Roussef nos últimos dias já tem explicação. A tentativa de associar seu nome aos escândalos da família Sarney, de colocar Dilma no fogo cruzado tentando comprovar a tal versão da ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira que afirma que a chefe da Casa Civil pediu para que Lina encerrasse o processo contra membros da família Sarney são mais factóides pré-eleitorais, ou alguém tem dúvida disso ?
Para mim, a explicação para tudo isso veio da pesquisa realizada pelo Instituto Vox Populi, a pedido da revista Voto. O objetivo do campo era saber em quem a população gaúcha pretende votar nas eleições de 2010. O resultado deve ter enlouquecido a cupula do PSDB nacional e seus aliados da grande mídia. Dilma Rousseff (PT) já tem 26% e José Serra (PSDB) 25%, basicamente um empate técnico para presidente da República um ano antes da eleição aqui na terra guapa.

A mídia lança seus torpedos midiáticos em Dilma com a clara intenção de tentar segurar a sua ascensão nas pesquisas. Imaginem que vergonha seria perder antes mesmo de começar o jogo oficial. Alguém tem que começar a dar uma mãozinha ao PSDB (ahaaahahahah).

12 de ago de 2009

O povo gaúcho merece mais do que 'transparência"

Entrevista especial com Jacques Alfonsin - Jacques Távora Alfonsin é advogado do MST e procurador do Estado do Rio Grande do Sul aposentado.

"Por mais traumática que seja a situação do Rio Grande do Sul, a partir de agora, a apuração e a efetiva responsabilização de quantas/os serviram-lhe de causa, vai entrar para a história do nosso povo, seja como uma concessão à mais vergonhosa tradição política que nos vicia, tudo confiado ao tempo de esquecer, seja pela mais rápida apuração da verdade, com os efeitos que dessa sempre se esperam", afirma Jacques Alfonsin em entrevista concedida via email e telefone para a IHU On-Line.

Segundo ele, "o povo gaúcho merece mais do que “transparência”, palavra que vai entrar no vocabulário político do nosso Estado como significando seu contrário, se o tão valorizado “devido processo legal” mais não conseguir, no caso, do que, a pretexto de ser obedecido, sepultar, de novo, aquela esperança". Confira a entrevista.

Ei, você aí, me dá um dinheiro aí?

Essa é de filha para mãe (ahaahaha). A nota de rodapé da ação de improbidade administrativa contra a governadora Yeda Crusius + oito, movida pelo Ministério Público Federal denominou de “inusitada” a operação de crédito feita pela assessora Walna Vilarins Meneses. A super-assessora emprestou à governadora R$ 90,5 mil. Esse caso é semelhante ao do senador do PSDB, Artur Virgilio, que se socorreu de um empréstimo de U$ 10 mil junto ao ex-diretor da Casa, Agaciel Maia, para cobrir despesas extras de viagem a Paris. Na volta, o ilustre senador se socorreu de uma "vaquinha" com amigos para quitar a dívida. O que dá para perceber é que o PSDB está cercado de bons a$$e$$ores, tanto lá quanto aqui.

11 de ago de 2009

A MONTANHA PARIU GATOS


Ao contrário do que dizem por ai sobre a Ação de Improbidade contra Yeda + oito, a tal montanha do MPF pariu foi os gatos e não os ratos (ahahaha). Olhando o processo e lendo as gravações transcritas fica claro como flui para os bolsos privados o dinheiro público, manipulados pelas mãos de gente acostumada a passar a perna na sociedade. Essa mesma gente sempre recebeu o apoio da grande mídia e sempre estavam estampados nos jornalões como os guardiões da moralidade. Quantas e quantas vezes li, assisti e ouvi esse mesmo pessoal discursando sobre pactos pelo Estado, ética, etc.. A pergunta que faço agora é como essas estrelas de antigamente, que agora são réus, se cercam dos melhores e mais caros advogados, pagos a peso de ouro. Onde está enterrada essa burra ? Esse dinheiro é limpo ? Qual a sua origem ?

10 de ago de 2009

Visões


Para aqueles que imaginam que a batalha no MPF era o fim, e que tudo já estava terminado, recolham seus mantimentos e escondam as crianças, (ahahahaha), isso é apenas a primeira batalha. O teatro de guerra se inicia hoje (10) e a guerra será assimétrica, não havendo prazo para terminar. Muitos soldados marcham rumo ao campo de batalha. O combate será em várias frentes e pelo visto haverá poucos sobreviventes políticos (ahahaha) do lado perdedor.

Trabalho em equipe, por satiro-hupper. Perfeito ahahaha


Um sabre para abrir champanhe


Recomendo a leitura do artigo "Um sabre para abrir champanhe. Como a identidade de um certo poder político pode trair o poder constitucional da legítima identidade política." de autoria de Antonio Cechin, irmão marista, militante dos movimentos sociais. Jacques Távora Alfonsin é advogado do MST e procurador do Estado do Rio Grande do Sul aposentado. A revelação pública de que um integrante do Tribunal Militar do Estado admite ser “conselheiro” da governadora, segundo confessa em reportagem da ZH de domingo, dia 02 de agosto, revela o que de mais cínico e hipócrita se esconde nos bastidores de exercício do poder político aqui no Rio Grande do Sul. Leia na íntegra clicando aqui

A blindagem reforçada, por Eugênio




9 de ago de 2009

A imagem verdeira e frase solta de Simon


Zé H Dominical traz em sua edição dominical (09) uma matéria assinada pelos jornalistas Aline Mendes e Leandro Fontoura, com o título "O Estado em turbulência", (que deveria se chamar o Estado da Corrupção). A reportagem fala da crise institucional.

Lá pelas tantas, solta e sem foto (ahahaha) a opinião do Senador Simon: – A situação é triste e grave para o Estado em qualquer hipótese que se levantar – diz o senador Pedro Simon (PMDB). A frase é digna de alguém que anda sobre um muro largo do tamanho de uma avenida. (os outros dois senadores gaúchos estavam em destaque na foto"

Se não me falha a memória foi no governo Rigotto (PMDB) que a quadrilha do Detran se instalou, ou estou enganado ?? Na campanha para derrotar o PT e Olívio Dutra, tanto PMDB quanto o PP correram para os braços de Yeda no segundo turno, garantindo a vitória para o PSDB. Consequentemente todo o esquema de rapinagem que nasceu e se criou dentro do governo do PMDB pôde continuar livre e solto, e só vazou porque a turma do PSDB de Lair queria partilhar o Pão (ahahahaha).

Gostaria que os meus colegas fossem mais incisivos com o senador, assim como o eram na época do mensalão com os parlamentares petistas. Também gostaria que a mídia guapa entrevistasse a direção partidária desses partidos, pois foram eles que indicaram esses "quadros políticos" (ahahahah) para o Detran. Quem são os padrinhos políticos dessa gente que roubava e garante nos dias de hoje que a carteira de motorista guapa ainda seja a mais cara do Brasil ?

O silêncio e a falta de insistência da mídia é tão grande que chega a ser vergonhoso. Ontem, o deputado José Otávio Germano (PP) nem sequer foi questionado pois declarou que havia dado uma resposta através do seu Blog (ahahahahahah). Coube ao jornalista da Rádio Gaúcha apenas ler, sem comentar a falta de postura de um parlamentar diante de tão graves acusações, agora feitas pelo MPF.

A Frase dita acima pelo senador Simon diz tudo e não diz nada, poderia até mesmo se encaixar numa crítica ao Ministério Público Federal, se utilizássemos o discurso de Yeda pós-tsunami.

PARA MIM O QUE VALE É A FOTO ACIMA. ESSA SIM É A VERDADEIRA CARA DO PMDB