21 de ago de 2009

Silêncio na mídia, onde está a fita ?

Chega ser insurdecedor o silêncio da mídia nacional e blogs locais-oficiais sobre o assassinato do agricultor sem terra Elton Brum da Silva em São Gabriel. Medo ? não ! Como Elton pôde ter sido fuzilado pelas costas ? Quem Fez ? Como o MP não viu nada ? Filmaram ? Sim ! Onde está a fita ? Todas as ações da BM são registradas filmadas e fotografadas por P2s. O comando da BM pode responder e logo..

NOTA PÚBLICA MST

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra vem a público manifestar novamente seu pesar pela perda do companheiro Elton Brum, manifestar sua solidariedade à família e para:

1. Denunciar mais uma ação truculenta e violenta da Brigada Militar do Rio Grande do Sul que resultou no assassinato do agricultor Elton Brum, 44 anos, pai de dois filhos, natural de Canguçu, durante o despejo da ocupação da Fazenda Southall em São Gabriel. As informações sobre o despejo apontam que Brum foi assassinado quando a situação já encontrava-se controlada e sem resistência. Há indícios de que tenha sido assassinado pelas costas;

2. Denunciar que além da morte do trabalhador sem terra, a ação resultou ainda em dezenas de feridos, incluindo mulheres e crianças, com ferimentos de estilhaços, espadas e mordidas de cães;

3. Denunciamos a Governadora Yeda Crusius, hierarquicamente comandante da Brigada Militar, responsável por uma política de criminalização dos movimentos sociais e de violência contra os trabalhadores urbanos e rurais. O uso de armas de fogo no tratamento dos movimentos sociais revela que a violência é parte da política deste Estado. A criminalização não é uma exceção, mas regra e necessidade de um governo, impopular e a serviço de interesses obscuros, para manter-se no poder pela força;

4. Denunciamos o Coronel Lauro Binsfield, Comandante da Brigada Militar, cujo histórico inclui outras ações de descontrole, truculência e violência contra os trabalhadores, como no 8 de março de 2008, quando repetiu os mesmos métodos contra as mulheres da Via Campesina;

5. Denunciamos o Poder Judiciário que impediu a desapropriação e a emissão de posse da Fazenda Antoniasi, onde Elton Brum seria assentado. Sua vida teria sido poupada se o Poder Judiciário estivesse a serviço da Constituição Federal e não de interesses oligárquicos locais;

6. Denunciamos o Ministério Público Estadual de São Gabriel que se omitiu quando as famílias assentadas exigiam a liberação de recursos já disponíveis para a construção da escola de 350 famílias, que agora perderão o ano letivo, e para a saúde, que já custou a vida de três crianças. O mesmo MPE se omitiu no momento da ação, diante da violência a qual foi testemunha no local. E agora vem público elogiar ação da Brigada Militar como profissional;

7. Relembrar à sociedade brasileira que os movimentos sociais do campo tem denunciado há mais de um ano a política de criminalização do Governo Yeda Crusius à Comissão de Direitos Humanos do Senado, à Secretaria Especial de Direitos Humanos, à Ouvidoria Agrária e à Organização dos Estados Americanos. A omissão das autoridades e o desrespeito da Governadora à qualquer instituição e a democracia resultaram hoje em uma vítima fatal;

8. Reafirmar que seguiremos exigindo o assentamento de todas as famílias acampadas no Rio Grande do Sul e as condições de infra-estrutura para a implantação dos assentamentos de São Gabriel.

Exigimos Justiça e Punição aos Culpados!
Por nossos mortos, nem um minuto de silêncio. Toda uma vida de luta!
Reforma Agrária, por justiça social e soberania popular!
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

"Foi tudo muito profissional" by Lisiane Villagrande

Promotora Lisiane Villagrande
diz que foi tudo muito profissional

O MP Far Far Way

Agora a tarde (21), ao ouvir na rádio gaúcha a promotora Lisiane Vilagrande, representante do MP que "acompanhou de perto" a BM e a ação da desocupação da fazenda Southal pela BM, que culminou com o assassinato do agricultor, Eltom Brum da Silva , tenho a convicção de que essa defensora das leis estava muito muito distante dos fatos, até demais. Inicialmente ela disse que estava longe dos fatos e que o comandante a aconselhou, para a sua própria segurança, que ficasse longe da ação (hummmmm). Segundo ela, ficou mais próxima dos jornalistas (que estavam forçadamente afastados) do que da ação (onde ela realmente deveria estar). Durante todo tempo da entrevista ficou claro, para ela, que a BM agiu com a maior tranquilidade. Se a promotora afirmou que estava longe, a pedido do comandante, como pôde afirmar tranquilidade na ação que determinou o assassinato de um agricultor ? Ela nem sequer ouviu os disparos. Onde estava nessa hora ? Esse é o nosso MP muito muito distante da realidade social do Brasil e muito muito próximo dos poderosos. Depois de um assassinato e varias pessoas feridas na desocupação a promotora declara que tudo foi tranquilo e profissional, eu não sei o que dizer sobre essa turma.

Oficial da BM teria efetuado o disparo

Segundo apurou o site RS Urgente o disparo que matou o agricultor Sem Terra Eltom Brum da Silva, de 44 anos, foi feito por um oficial da Brigada Militar após "discutir" com o agricultor e atirar a queima-roupa um disparo de espingarda de caça calibre 12. Para identificar a origem desse disparo é fundamental o recolhimento de todas as armas daquele calibre e de todos os tickets (cautelas) gerados pela BM quando a arma é disponibilizada aos policiais numa operação como essa. A informação é extra-oficial e só poderá ser comprovada com uma rigorosa investigação.

Nota do Sindicato dos Jornalistas do RS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Rio Grande do Sul recebe com pesar a notícia da morte do trabalhador rural sem terra, Elton Brum da Silva, ocorrida hoje (21/8) pela manhã, em São Gabriel. Ele foi morto com um tiro disparado por policiais da Brigada Militar. Para a entidade, a morte deste brasileiro é inaceitável e resulta da intransigência do governo do Estado, que encara protestos como crime, ocasionando agressões constantes a quem participa de manifestações, desconsiderando que elas são inerentes à democracia e asseguradas na Constituição Brasileira. A entidade espera que o fato seja apurado com a maior brevidade e rigor, com a responsabilização dos envolvidos.

Tiro de calibre 12 mata Sem Terra

Segundo o presidente da Comissão e Cidadania e Direitos Humanos - CCDH da Assembleia Legislativa do RS, deputado Marcon (PT), foi um disparo de calibre 12, com oito perfurações nas costas, que matou o agricultor Elton Brun da Silva de 44 anos.

Sem Terra é assassinado em São Gabriel

O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos- CCDH, da Assembleia Legislativa do RS, deputado Dionilso Marcon (PT), confirma o assassinato pela BM, de um agricultor Sem Terra no momento da desocupação da fazenda Southall, em São Gabriel, realizada hoje (21) pela Brigada Militar. O deputado está se dirigindo nesse momento para o local do conflito. Ontem, militantes da Via Campesina denúnciaram na CUT-RS que a polícia aplicou choques elétricos em militantes do MST em São Gabriel. O filho do deputado Federal Adão Pretto, Edegar Pretto,também está se deslocando para o local do conflito. Pelo visto Yeda criou dois fatos relevantes para desviar o foco da CPI e da corrupção de seu governo: o dos pedágios e agora o assassinato de um agricultor sem terra.

A preocupação de Ana assusta


Olhem qual é a preocupação da jornalista Ana Amélia Lemos sobre os novos índices de produtividade: Grifo pessoal. "A reação de lideranças rurais e políticas contra alteração nos índices de produtividade foi criticada por alguns setores que entendem que os novos índices, propostos pelo governo, não representam risco e que a maior parte das lavouras no país supera os percentuais de produção. Enxergaram só a floresta e não a árvore. O problema não é a produtividade. A questão é a interferência do Estado na liberdade do produtor, que pode perder a terra, sob esse manto legal. Breve, o governo poderá tentar resolver o déficit habitacional desapropriando campos de golfe e casas de praia que não cumprem função social."

Parece piada que em pleno século XXI alguém coloque os campos de golfe com prioridade num país como nosso, com tanta violência e desigualdade social. Só gostaria de saber se alguns campos de golfe e dezenas de mansões (casas) da qual ela se refere tem todas as matrículas legais, principalmente no nosso litoral guapo.

O dia em que a Terra Parou

FALA RAULLLLLLLL !!!