28 de ago de 2009

Qual é o nome do menino? By Carta Capital

Carlos Leonam e Ana Maria Badaró
Esdruxulices nas certidões de nascimento viraram folclore há muito tempo, entra geração, sai geração. Mesmo em tempos saturados de Suelens, Ostos e Maicons, nomes, digamos, exóticos não deixam de despertar curiosidade. Um jovem pediatra do interior paulista reuniu e divulgou na internet uma lista de antropônimos, mais conhecidos na roda de samba como nomes próprios ou de batismo, que nos últimos anos frequentaram seus prontuários e os de outros doutores. A relação preparada pelo médico começa por revelar a devoção de alguns pais por seus ídolos.
Quem paga o preço na pia batismal é a ingênua criança. Valdisnei, por exemplo, é uma deferência ao eterno Walt Disney; Usnavi é o nome do filho de um aficionado por navios americanos e Kallison Bruno homenageia o grupo KLB (Kiko, Leandro, Bruno). Consta na lista um “famoso” caso registrado no Recife: Xerox é o pai e Fotocópia e Autenticada as filhas, note-se, em idades decrescentes. Não é difícil identificar os ídolos incensados por quem registrou os seus miúdos como Maycom Gérquiçom, Maiquel Edy Marfy, Boniclaide, Erriporter. O que dizer da dupla de irmãos Kalifornia Drim e Roliúde dos Santos; de Letisgo, João Le Não, Istiveonder, Aga Esterna e Harlei David Son? Pedimos desculpas pelo nosso trocadilho cretino, mas, como comentou cirurgicamente o pediatra, o menino motocicleta é um perfeito born to be wild. Antigamente, pelo menos, os ídolos eram homenageados na batatolina: Shirley (Temple), Clark (Gable), Odilon (famoso ator teatral), Juscelino (JK), Brigitte (Bardot), Glauber (Rocha), etc., etc., etc.
Tivemos, também, naqueles tempos do século passado, muitos Benitos (Mussolini), Lenines e até um Adolfo Hitler (cujo sobrenome preferimos manter oculto). Carnavalescamente, um famoso paulistano registrou um filho como Rodouro Metálico (famoso lança-perfume), que mudou de nome quando cresceu. Os craques da Copa de 70 não serão esquecidos se depender dos pais que juntaram as primeiras sílabas dos nomes de Tostão, Pelé, Rivelino, Carlos Alberto, Gerson e Jairzinho para chamar o filho de Tospericagerja. Pra frente Brasil.
Já pensou se o menino virar um fenômeno da bola? Apelido já. Que tal Copinha? Voltando a outros tempos, também remotos, lembremos dos grandes craques que sempre inspiraram nomes de batismo famosos. Começando por Ademir da Guia, filho do imortal Domingos – que levou Armando Nogueira a criar um antológico título para uma entrevista com jogador palmeirense: “Ademir da Guia, nome, sobrenome e futebol de craque”. Foi o tempo dos Ademires, Leônidas, Jurandires, Baltazares, Evaristos e tantos outros ases da pelota. O médico adverte para nomes que não deixam as enfermeiras saírem gritando pelos corredores dos hospitais e postos de saúde, como Caralhecida e Urinoldo Alequissandro. Outras crianças requerem uma língua afiada para ser chamadas, como a trinca de petizes da família Silva: Bilidudilei, Jimibradilei e Darkson Stick Nick.
Um pai fanho batizou o filho de Darzã. Outro progenitor igualmente fanático por cinema deu à sua menina o doce nome de Romixinaide, enquanto o menino “voou mais alto” e se chama Railander. Há nomes mais simples – ou não? – como Eneaotil. Mas tem os quebra-língua consonantais como Kwysswyla (simples, pronuncia-se Quíssila), Pier (de Pierre), Shaite, um tributo ao nosso bravo velejador Robert Scheidt, Geoáite, homenagem à escritora Ellen G. White e Maiquetaiçon.
Sem comentário. O telejornalismo também inspira os pais. Antes de nos despedirmos, desejando ao leitor uma boa noite, ou bom dia, finalizamos a lista com um guri que atende por Uilam Bone. Agora é com você, Fátima. E chegou a vez dos hindus. Agora que Caminho das Índias está na reta final, preparemo-nos para ver nos berçários pequerruchos Rajis, Mayas, Surias, Bahuans, Indiras e Opashis. Cada novela de sucesso corresponde uma enxurrada de crianças com nomes de heróis e heroínas das tramas. Uma lista de nomes próprios por faixa etária, também dos filmes, é a melhor constatação da boa audiência da época. Não é, Brussiulis? • A quem interessar possa. O segundo nome do titular desta página é um anagrama de Manoel, como também Elmano. Sem esquecer o querido compadre Ziraldo, filho de dona Zizinha e seu Geraldo.

Debate: CCDH debate titularização e desenvolvimento sustentável nas terras de quilombos

Ocorreu hoje (28) no teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, a audiência pública da Comissão de Cidadania e Direitos Humano sobre a titularização e desenvolvimento sustentável nas terra de quilombos. O Brasil possui mais de três mil comunidades remanescentes de quilombos reconhecidas e,destas, apenas sete foram tituladas.A titularização e políticas públicas de saúde, educação, segurança, emprego e renda também serão discutidos nesse encontro.

De volta ao caos

A lama e a corrupção guapa nos faz fugir um pouco das tragédias do dia-a-dia e do cotidiano de nossas cidades. Na semana passada, numa grande concessionária de automóveis de Porto Alegre, um veículo zero foi furtado de dentro da loja, horas antes de ser entregue ao seu proprietário. O ladrão entrou na oficina como se fosse funcionário bateu o arranque e foi embora. Quando o pessoal do Detran chegou para emplacar o veículo, cadê o carro ? Mas não são somente carros novos que estão na mira, carros antigos também e não adianta trancas normais (cadeado etc) pois essas são rapidamente destroçadas. Lamentavelmente na madrugada de ontem um taxista foi baleado e morto quando chegava em casa no bairro Santana, na Capital. A vítima levou três tiros nas regiões do tórax e do abdômen. Ontem havia 3 brigadianos para cada manifestantes na Praça da Matriz, no entanto, quando voltava para minha Casa, não encontrei uma única viatura circulando pelas ruas, isso que havia a tal Operação Centauro da Brigada Militar. É o que dá misturar política e segurança pública. Servidores mal pagos, mal posicionados, pouco treinamento e com comandos incompententes.