25 de fev de 2009

PSOL vai na Assembleia Legislativa e pede apresentação de provas do MPF contra o governo Yeda

video

Esta foi a segunda reunião do PSOL com deputados na Assembleia Legislativa no dia de ontem (25), sendo a primeira com o presidente da Casa, deputado Ivar Pavan (PT). Estavam presentes Pedro Ruas (PSOL), Luciana Genro (PSOL), Gilmar Sossella (PDT), Paulo Azeredo (PDT), Dionilso Marcon (PT), Robaina (PSOL) , Bohn Gass (PT) e Raul Pont (PT). Em determinado momento a deputada Luciana Genro clama para ser processada pelo turma que o PSOL denunciou. Segundo ela, nem mesmo a interpelação judicial de AOD CUNHA tem valor processual e nem sequer chegou ao judiciário. Brincando com essa situação e sorrindo, o deputado Raul Pont afirmou que essas coisas demoram a chegar no judiciário (ahahahahha). Na condição de presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, o deputado Marcon colocou seu mandato a disposição para que essa situação venha a tona e se revele a verdade. A pergunta que não quer calar : Por que os envolvidos na denuncia do PSOL se recusam a processar essa gente mentirosa ??ahahahahahahhahahahahahahaha

Quem tem medo das escolas itinerantes ?

Hoje está publicado em Zé H (25) o artigo da Mestre em Educação, professora de escola rural multisseriada, professora Vania Grim Thies sobre as escolas itinerantes. vale a leitura. Ao ler a reportagem Ponto final para as escolas itinerantes dos sem-terra (ZH, 18/09/09), não poderia deixar de expressar minhas reflexões, indignações, dúvidas e questionamentos em relação a essa temática. Como professora de zona rural, em escola multisseriada de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, sempre observei o descaso do meio rural, quando comparado com o urbano. Em se tratando de políticas públicas educacionais, a prioridade, historicamente, sempre foi o urbano. Desde as primeiras leis da educação, o que se procurou destacar foi o desenvolvimento da urbanização e da industrialização, o que resultou no processo de expulsão e segregação do homem do campo. Isso pode ser observado no currículo: as escolas rurais têm um currículo essencialmente urbano, longe de ressaltar as suas singularidades. Clique aqui para ler na íntegra.

Quarta-Feira de Cinzas, por Ique