9 de set de 2009

Raul Pont cobra nome de assassino do agricultor Elton

video

Criminalização dos movimentos sociais é condenada

A criminalização dos movimentos sociais no Rio Grande do Sul foi debatida hoje (09) em audiência pública promovida pela Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. O Secretário Adjunto da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da Republica, Rogério Sottili condenou o agravamento da situação da criminalização dos movimentos sociais no Rio Grande do Sul e afirmou que a sociedade gaúcha tem força e história para mudar a situação vivida no Rio Grande do Sul. O presidente da CCDH, deputado Marcon fez pedido para que organismos internacionais de Direitos Humanos visite o Rio Grande do Sul para verificar in loco o aumento da violência contra os movimentos sociais patrocinado pelo governo Yeda. O governo do Estado, demonstrando todo o seu desprezo pela Assembleia e pelos parlamentares da Casa, não enviou nenhum representante. O deputado Raul Pont(PT) cobrou que até agora a BM não mostrou o assassino do agricultor Elton e exigiu que o Ministério Público não seja conivente com essa situação. Participaram representantes dos movimentos sociais (Via Campesina, MST, UNE, UBES, DCEs), Centrais sindicais, Federações e Sindicatos de Trabalhadores,Policia Civil, Ministério Público Federal, ONG Justiiça Global de defesa dos Direitos Humanos, e Secretaria Especial de Direitos Humanos da presidência da República.

Para meus colegas que trabalham na CPI da Corrupção da Assembleia

Pelo ritmo que a tropa de choque de Yeda mostrou ontem na Assembleia, essa CPI só vai aprovar os requerimentos depois que o saci-pererê cruzar as pernas e morcego doar sangue, como dizia o grande e saudoso Bezerra da Silva.

Assembleia debate criminalização dos movimentos sociais no RS

A criminalização dos movimentos sociais no Rio Grande do Sul será o tema de debate da audiência pública que a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa promove nesta quarta-feira (9), a partir das 9h30. Foram convidados representantes do Ministério da Justiça, Ordem dos Advogados do Brasil, Secretaria de Segurança Pública do RS, Comando-Geral da Brigada Militar, movimentos sociais (Via Campesina, MST, UNE, UBES, DCEs), Centrais sindicais, Federações e Sindicatos de Trabalhadores,Policia Civil, Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, Comissão de Direitos Humanos do Senado e demais entidades .