8 de mai de 2009

Uma entrevista diferente

Na entrevista com o laser hoje (07), no Jornal do Almoço, a governadora Yeda, até que enfim, abriu a boca sobre a questão da estiagem. Afirmou que vai liberar R$ 5 milhões para o combate à estiagem. Se dividirmos essa soma pelo número de 200 municípios afetados: R$ 5 milhões por 200 municípios serão apenas R$ 25 mil reais para cada prefeitura. Das obras de barragem que Yeda citou, todas têm como maior investidor o governo Federal e a governadora nem sequer citou isso na entrevista. Achei engraçado foi a cara de sério do Lasier (ahhahaha) e a contundência da jornalista Cristina Ranzolin. É, agora não adianta mais. clica no link e assista o que a governadora prometeu na campanha eleitoral e compare com a entrevista de hoje


Nirvana na mídia e a culpa do Bugio em ZH

Agora a grande mídia vai entrar no nirvana com a chegada de quatro "vítimas" da gripe suína. Nossa Zé H de hoje (07) abriu às páginas quatro e cinco com uma grande reportagem sobre o tema (ahahaha), inclusive afirmando que um "gaúcho" está sendo monitorado. Já a nossa febre amarela que se alastra está na página 42 com um infográfico que o Ibama deveria multar quem deixou publicar. O infográfico da matéria denominado (ciclo da doença) é tão confuso que parece que o bugio e o mosquito trasmitem a febre para o ser humano. São tantas setas que parece sinal de transito em Porto Alegre. Será que os sabichões acham que alguém lê a matéria ou preferem ver a imagem do bugio passando a doença pro ser humano ? O poder da imagem é o princípio de antigas revistas nacionais onde uma foto vale por mil palavras e até mesmo o grande-pequeno irmão(Diário Gaúcho) de ZH utiliza muito. (que burrrossss). Tô dando consultoria mas cobro bem caro ahahahahahha

Reforma Política para quem ?

Eu defendo o financiamento público de campanha e entendo que os partidos devem ser fortes para que a grande mídia não os manipule ou pelo menos tente. No entanto o que chama a atenção e brilhantemente levantado pelo meu amigo Gilson G (ahahahah) é que nesses debates não tem participação popular. Esse debate deveria ser feito nas bases, nos municípios, com os aposentados, com os estudantes, com os trabalhadores da industria, do comércio, com o agricultores, pequenos e médios empresários, sindicatos e movimentos sociais. O que se vê na realidade é uma banca de figurões da política pegando para si um debate que deveria ser protagonizado pelos cidadãos e até nas escolas. Espero que os representantes dos partidos de esquerda não entrem nessa armadilha.