26 de dez de 2009

E o Marcelo Cavalcante ?

Ainda faltam muitas explicações da polícia de Brasília sobre a misteriosa morte de Marcelo Cavalcante, ex-assessor de Yeda, que estava com depoimento marcado na Justiça Federal, alguns dias depois da sua morte. Marcelo faria um depoimento sobre supostas denuncias de corrupção e de caixa 2 na campanha tucana.Até agora ninguém conseguiu dar uma explicação convincente sobre o que ocorreu com o assessor, que apareceu boiando no Lago Paranoá. Daqui 40 dias completará 1 ano sem nenhuma conclusão definitiva sobre o que ocorreu com ele. Com a palavra a polícia.

Corrupção guasca era muito mais sofisticada

Hoje (26), em Zé H, estão publicados dois artigos de parlamentares estaduais. O primeiro é do deputado Coffy Rodrigues, relator da CPI da Corrupção, e o segundo é da presidente da mesma Comissão Parlamentar, a deputada Stela Farias (PT). Coffy ataca o Ministério Público Federal, chamando de patético e de espalhafatosos os procuradores. O deputado vai mais longe, e afirma que a Justiça Federal inocentou Yeda. Até os minerais sabem que Yeda não foi inocentada, apenas a justiça afirmou que não tinha competência para julgar a governadora, e que cabia aos deputados estaduais essa tarefa. No restante do artigo o deputado ataca o PT, acusando-o de circo midiático e que como relator fez seu papel ao investigar a Atento (AHAHAHAHAHAHA), isentando o governo de responsabilidade. Em nenhum momento o deputado destaca o papel fundamental nas denúncias e delações de corrupção que seus próprios ex-companheiros de partido tiveram. Outro fato desconsiderado pelo deputado tucano é de que três presidentes do Detran tenham caído nesse governo, sendo um deles preso pela Policia Federal e outros dois demitidos pela governadora, por não concordar em pagar uma suposta dívida de R$ 16 milhões do Detran com a empresa Atento

O segundo artigo, de autoria da deputada Stela Farias, compara os recentes casos de corrupção descobertos no governo Arruda (DEMO), no Distrito Federal, com o que ocorreu no RS. Segundo Stela , o grau de sofisticação da rapinagem do dinheiro público daqui da terrinha era muito mais elevado. Segundo ela, os esquemas de corrupção desbaratados pelas Operações Rodin e Solidária mostraram à sociedade um: "grupo criminoso, sofisticado, organizado em moldes empresariais, especializado em desviar recursos públicos para o financiamento de estruturas partidárias, de caixa 2 em campanhas eleitorais ou simplesmente para o enriquecimento ilícito dos envolvidos. Um grupo que possui poderosos padrinhos políticos, relações com cartéis de empresas e operadores dentro do aparelho de Estado."

A rapinagem, segundo a parlamentar, teria desviado pelo menos R$ 350 milhões dos cofres públicos do Estado, podendo chegar a R$ 500 milhões. A deputada confirma que a CPI da Corrupção, criada para investigar todos os fatos descobertos pela PF, foi boicotada pelos partidos que apoiam o governo Yeda Crusius. Mesmo assim, segunda ela, foi possível montar o quebra-cabeça da corrupção,expondo o método de ação de grupos acusados de integrar uma quadrilha no setor público. A deputada ao final pede que a sociedade sociedade gaúcha faça seu juízo e tome suas decisões.

Será que ficar em último lugar, abaixo do governador Arruda na pesquisa Datafolha na avaliação dos governadores já não é uma resposta da sociedade ? Aliás, o PSDB nacional parece que não quer associar a imagem da sua governadora com a de seu candidato a presidente. Porque será ?