6 de dez de 2008

Déficit zero, insegurança 10

Segurança,câmeras,aaaaa.... A parte da ação deixa pra lá, conforme admitiu a Secretaria de Segurança (major Fernando Alberto Grillo Moreira, chefe do Centro Integrado de Operações da Segurança Pública-Ciosp), 19 das 48 câmeras da Capital precisam de manutenção (eufemismo para estragadas).
Se funcionassem, os assassinos do médico Marco Antonio Becker — mortona esquina da Rua Santo Antônio com a Avenida Cristóvão Colombo e na Rua Ramiro Barcelos com a Voluntários da Pátria — provavelmente já estariam identificados neste momento. O tema câmera de segurança foi exaustivamente debatido nas eleições municipais, mas como o assunto não foi aprofundado, nenhum compromisso do prefeito eleito foi efetivado. Aliás, o debate sobre o tema segurança pública foi pobre e profundo como uma poça.Durante dois anos o governo Yeda aprofundou o sucateamento da segurança pública e o prefeito Fogaça foi omisso em não exigir para os cidadãos de Porto Alegre o direito ao mínimo necessário na segurança pública de sua governadora. Agora, com mais um homícidio (são 154 ao mês), só que de uma alta figura da sociedade gaúcha, pode ser que o o governo Yeda resolva discursar menos sobre deficit e contas e trabalhar mais (aliás, trabalho muito bem pago). Yeda designou uma força tarefa para investigar o caso, provavelmente os gastos com essa decisão seja, no mínimo, o dobro do custo do que seria necessário para o conserto das câmeras.
E dos outros 154 homicídios (5 ao dia ) haverá força tarefa ?

Nenhum comentário:

Postar um comentário