16 de dez de 2008

A mídia, o mercado e o Estado


O poder da grande mídia no RS, ao contrário do que pregam em seus veículos, não provêem das forças do mercado ou de contribuições graúdas e sistemáticas da iniciativa privada. Pelo contrário, ao longo dos anos, o que se vê são astronômicas verbas publicitárias que o Estado garante anualmente. Por que orgãos de Estado como a Agergs, o Banrisul, a Corsan, a CEEE e outras tantas precisam descarregar milhões de reais anualmente em mídia ? O gabinete da governadora e a Assembléia Legislativa também contribuem polpudamente com essa verbas. Não deveriam prestar um serviço de qualidade para mostrar a sua propaganda ? Muitos do que falam em transparência nas rádios e jornais ficam quietinhos quando se tenta tabular o quanto é destinado para esse fim. Digo tenta porque são muito difíceis de arrancar informações de órgãos públicos sobre o quanto se destina para esse fim ou que caminhos percorrem até chegar ao seu destino final.
Na outra ponta estão pequenas rádios comerciais do interior ou emissoras comunitárias, que dependem de sua comunidade para sobreviver. A briga entre os pequenos pelos "restos" que sobram do banquete do grandes é titânica. Todos reclamam, mas o que fazer ? tem que baixar a cabeça e esperar um farelo que sobre.
No andar de cima o banquete é farto ( milhões para campanhas publicitárias,muitas vezes que não retratam a verdade). No andar de baixo (rádios e jornais do interior) disputam pequenas verbas e ainda tem que deixar 20% para às agências. O Ministério Público deveria ir a fundo e fiscalizar essa farra do dinheiro público.
O segredo, na verdade, é que para a grande mídia não interessa que haja governos fortes, melhor são: partidos fracos, parlamentar vacilantes que mendigam espaços de mída que no fundo ele mesmo garantem. O dinheiro que garante a folha de pagamento dos funcionários dos grandes veículos de mídia, ao longo do ano, através de veiculação de publicidade, faltam para os salários dos servidores, para educação, saúde e segurança pública.

Nenhum comentário:

Postar um comentário