17 de jan de 2009

Caso Battisti, Mendes de um lado e eu de outro

Se o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, caracterizou a decisão sobre o asilo político de Cesare Battisti como um "ato isolado" do ministro Tarso Genro (Justiça) e determinou que a Procuradoria Geral da República se manifeste sobre a libertação do italiano pode ter certeza: estarei do outro lado. Se a a grande mídia já está com as baterias viradas para Tarso (Lula) é porque tem gato nessa tuba. O rastejante Gilmar Mendes não ia perder a oportunidade de uma vassalagem pré-eleição. Já que ele e a grande mídia querem tanto discutir esses temas, eu proponho que façamos o mesmo aqui no Brasil. Por que Mendes e a sua tropa na exige, em nome da democrácia, a reabertura dos arquivos da ditadura brasileira ? Aposto que ele ia ficar em estado de "estupor". De qualquer forma, se o Mendes tá de um lado, pode apostar estarei no lado oposto.

Entenda: O Ministério da Justiça do Brasil concedeu status de refugiado político a Cesare Battisti (terrorista para a grande mídia). Battisti, de 53 anos, foi julgado à revelia em 1993 na Itália e condenado à prisão perpétua como autor dos assassinatos de Antonio Santoro, Lino Sabbadin, Andrea Campagna e Pierluigi Torregiani. Viveu na França como refugiado de 1990 até 2001 e sempre negou sua responsabilidade nos crimes. Para evitar sua extradição para a Itália, Battisti fugiu para o Brasil, onde está preso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário