26 de mar de 2009

Tribunal Militar quer resistir a extinção

Recebo um e-mail da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça Militar falando de um tal de "Movimento de Resistência à extinção da Justiça Militar". Segundo o release mais de 300 brigadianos participaram da mobilização. Em determinado trecho da carta o TJM ataca duramente o Tribunal de Justiça afirmando que os soldados correm o risco de ficar durante anos esperando no banco dos réus. Isso é praticamente uma piada, um Tribunal que gasta mais de R$ 22 milhões de reais ao ano para "julgar" casos que a própria justiça comum poderia fazer com a sua estrutura.

A saber: Juízes e funcionários do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) fizeram inspeção no Tribunal da Justiça Militar do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, e encontraram irregularidades administrativas, com indícios de nepotismo e de vencimentos de magistrados com valores acima do teto constitucional, que, segundo a Resolução do CNJ nº 14/2006, é de R$ 24.500,00, informa a Agência de Notícias do Conselho Nacional de Justiça.

Um comentário:

  1. Esseabsudo jádeveria tersido extinto. O mMendes que nem mesmo formação jurídica tem virou o que qualico de juizdecalças curtas. Está lá mamando 25 mim por mês apenas para fazer número. Dona Yeda sabia de tudo e o nomeou. Com esta história dos grampos penso que nosso legislativo já deveria ter instaurado uma CPI.

    ResponderExcluir