5 de set de 2009

O império contra-ataca

A postura ativa da grande mídia guapa em blindar o governo Yeda e bombar seus aliados é mais uma tentativa de reforçar a imagem do PSDB-Serra que vem por ai. Nem as ações do MPF sobre a corrupção do governo guapo escapam da desqualificação. Quinze dias de Yeda em Sampa (com o silêncio da mídia) já renderam o palanque de Serra por essas terras politizadas (ahahha). O PSDB nacional já fechou o apoio da cúpula do Partido Progressista (PP) do RS à Yeda e a Serra. O dote é a entrega de nacos carnudos dos cargos no governo do RS e, é claro, dar visibilidade política aos parlamentares do PP nas ações e nas obras "laranjas de amostra" no tempo que resta do governo Yeda (PSDB). Essa semana parece ter sido calma, mas foi muito interessante do ponto de vista do xadrez político guasca.

A reação da direita mostra também, mais uma vez, de que lado estão os barões da comunicação, que não exitam em reciclar lixo político e revendê-lo como grife com pompas de novidade. Tudo foi esquecido e a mídia tem memória curta quando se fala dos tantos secretários caídos nesses três anos de Yeda, de tantas armações e falcatruas. Também "esqueceram" que o PSDB, associado ao PMDB e ao PP propuseram manter o tarifaço do govenro Rigotto, e que não se concretizou devido ao rugido das bases desses partidos que rejeitaram defender tamanha incoerência, por isso pressionaram seus deputados na Assembleia a rejeitar o projeto.
A mídia apoiou a venda de 40% do Banrisul, e deu guarida por duas vezes ao governo para que prorrogasse os pedágios até 2028. Nossos âncoras já esqueceram do chefe de gabinete de Yeda, que se mantém no cargo, mesmo que comprovadamente tenha colaborado com a espionagem política de adversários, tendo o aparato de Estado a serviço do PSDB de Lajeado contra o candidato do PT na campanha à prefeitura em 2006. Nem vou falar do assassinato de Jair Costa em 2005 e de Elton Brum em 2009, todos vítimas da violência da Brigada Militar contra os movimentos sociais, temas que já foram amplamente divulgados nesse espaço.

Porém, nada disso que relatei acima é suficiente para impedir a criação do muro da vergonha midiático, contruído às pressas, afinal 2010 e a campanha pró-Serra está aí. Ontem (04), ao final do dia, trancado no trânsito da Capital mais politizada do Brasil, ouvia um jornalista e comunicador da rádio gaúcha no programa das 17h afirmando que "nós" deveríamos ouvir o discurso da governadora na Expointer, pois afinal ela merecia, pois havia chorado, emocionada etc.. Não tive dúvida, desliguei o rádio pois senti uma vergonha danada daquilo tudo.

Aliás, ninguém falou do fracasso de público na Expointer - apenas 420 mil, se comparada aos 740 mil da feira passada - devido aos preços exorbitantes do ingressos cobrados do público e nos estacionamentos do Parque Assis Brasil. A feira se elitizou de vez, do jeito que eles gostam, ficando as forças conservadoras do agronegócio de donos do campinho. O GRUPO, por sua vez, garantiu todos os espaços necessários em seus veículos de mídia para que seus vassalos-comunicadores atacassem com unhas,dentes e gogós a não homologação das atualizações dos índices de produtividade da terra.
Há ! não faltou disparos dos laseres de um comunicador contra o MST e o seu apoio irrestrito a tudo do que é mais atrasado e conservador nesse país. Sobre a morte do agricultor Elton, não se falou mais nada. E aqui vai minha surpresa: O Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA, um dos mais atacados pelo GRUPO nessa semana devido ao anúncio do novo indicador de produtividade da terra, foi um dos patrocinadores mais ativos dos programas que atacaram o governo Lula. Que o império contra-ataque é normal, mas não precisa ser a gente a pagar as contas desses comunicadores que sempre demonizaram o PT, Lula e os movimentos sociais .

2 comentários:

  1. Muito bom comentário. Parabéns.
    É triste que "nossa politizada classe média " só saiba repetir o que ouve/vê na RBS...
    www.miguelgrazziotinonline.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Pq te admiras do MDA ser o grande patrocinador? Desde qdo. existe política de comunicação no PT? A Fundação Perseu Abramo possui um enorme catálogo de livros sobre a democratização das comunicações que, para o próprio partido, devem ser escritos em alguma língua morta, ou extraterrestre. Pois sequer se debatem tais textos nas mais variadas instâncias!
    Quando os próprios intelectuais do partido, na área, desfilam pelo país inteiro - até no exterior - são reconhecidos em várias esferas, mas falam para as "paredes" do PT.
    Cansei. Paro por aqui. Tenho absoluta certeza de que entendes muito bem sobre o que escrevo.
    Abr.!
    Claudia.

    ResponderExcluir