30 de out de 2009

A BM e os barões da mídia no mundo da fantasia


Já é comum ligar para o 190 (aquele que no governo Olívio só atendia em 15 segundos) e ninguém atender ou atender mas uma viatura demorar de três a quatro horas para chegar após o chamado de uma acorrência de assalto ou homicídio. Se for em áreas conflagradas pelo tráfico a policia só chega no outro dia já com o DML para levar os corpos. Pequenos furtos, roubos de veículos e atividades suspeitas, esqueça, isso só em filme da S.W.A.T.

Falo isso porque o comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel João Carlos Trindade voltou maravilhado de Israel, e deseja fazer "negócia" e comprar aeronaves não tripuladas capaz de gravar e transmitir imagens a três quilômetros de altitude. Trindade disse que a BM vai testar essa aeronave na Operação Golfinho (Parece que estou vendo a capa de Zé H com Yeda e o comandante da BM ao lado do avião e a seguinte manchete: Tecnologia Israelense na Operação Golfinho)

O coronel, preocupado com a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, e o risco do Brasil se tornar alvo de atentados (ahahahahahahah) quer fazer mais "negócia" e comprar o fuzil Tavor pela bagatela de U$6,5 mil por peça,(preço apontado em sites especializados de armamento). Trindade gostou tanto do briquedinho que pretende comprar 80 deles. A arma é produzida aqui no Brasil pela Taurus, e já teria destino certo: pelotões e batalhões de operações especiais da corporação. Segundo ele, a arma é ideal para combater quadrilhas de assalto a banco (daqui 6 meses vai ter uma duzia dessas nas mãos dos assaltantes)

O certo é que mesmo que o governo Yeda compre poderosas armas ao custo de (R$ 880 mil reais) e aviões não tripulados (ela tem fascínio por aviões né ?) os brigadianos continuam a fazer bicos, ganhando mal, morando mal e sendo uma das polícias mais mal pagas do país, só perdendo para o estado do Piauí. Enquanto o comando da BM brinca de Forte-Apache e os barões da mídia trasmitindo e imprimindo o mundo da fantasia. Brincar de segurança pública não faz muita diferença num Estado onde as chamadas "forças vivas" e põe vivas nisso mostram um Estado que cresce como o rabo do cavalo, para baixo.

4 comentários:

  1. Não tripulado é o governo dessa infeliz. em também postei no meu blog aquela notícia sobre o não fornecimento de água aos palestinos, e no final, acrescentei que é junto a esse governo israelense, capaz de sonegar água para populações civis, que uma representação do comando da nossa briosa Brigada Militar vai buscar conselhos sobre policiamento ostensivo. É dose!

    ResponderExcluir
  2. Salário e gestão de pessoal, lidar com a cultura e administrar dão muito trabalho. Deixa para arruinar bastante essa parte, porque vai ter do que reclamar quando o PT estiver no governo.
    Melhor é "investimento".
    Então "investimento" é ou grana para empresas ou grana para licitações, que como se sabe, são facílimas de auditar.
    No tempo de FHC se concluiu que bom para a educação era TV por satélite.
    Então o pobre professorzinho ignorante do interior iria receber pela TV do satélite maravilhosas tele-aulas que ele e seus alunos guardariam gravadas pelo resto da vida.
    E se adquiriu para cada escola uma antena parabólica, um videocassete e uma TV, um programa do qual só restaram boas lembranças e saldos bancários para quem licitou e para quem vendeu.
    Hoje em dia se faz o mesmo, em São Paulo com os cadernos e no Rio Grande com esses Tavor.

    ResponderExcluir
  3. Estes VANT (Veículos Aéreos Não Tripulados) são ótimos, pesam 5kg, tem motor elétrico, podem ser operados por dois homens, permanecer no ar por horas, dependendo do consumo da bateria, e tem câmaras capazes de ler uma folha de caderno a 3000m. Em resumo: ótimos para monitorar acampamentos do MST! Enquanto isto falta $$ para manter as viaturas daqui de Caxias do Sul (e do resto do RS) rodando.
    Lúcio

    ResponderExcluir
  4. Estas polícias militarizadas são fruto do autoritarismo de 64. Para ver que são algo absolutamente dissociado da realidade atual basta lembrar dois casos. Um ocorrido no Rio de Janeiro em que um bandido mantinha uma refém dentro de um ônibus e faltou alguém com coragem para determinar aos atiradores que disparassem contra a cabeça do bandido. Quando ele resolveu sair do coletivo, os idiotas efetuaram disparos contra ele com uma submetralhadora e resultou morta uma inocente. Não tiveram os gênios a capacidade de postar dois homens sob o coletivo, os quais devidamente avisados agarrariam o pé do bandido tão logo o mesmo fosse posto no chão, puxando-o. Neste instante, desequilibrado iria cair, sendo assim facilmente dominado. O outro caso, mais recente ocorreu em São Paulo ano passado em que um bandido manteve duas reféns por uma semana em um apartamento. Liberada uma das reféns, os gênios permitiram o retorno dela ao cativeiro. O resultado foi trágico, como se viu por vários dias na televisão. Polícia é uma instituição surgida na Grécia antiga a fim de manter a ordem pública na “polis” que em grego significa cidade. Nos países civilizados as polícias são todas civis e há uma razão lógica para tal, pois militares não são treinados para pensar e agir e sim a obedecer ordens. Já as polícias quando civis, seus membros tem formação para pensar e agir. Esta é a diferença. Exemplo da diferença é que este chefe da polícia ostensiva, segundo esta matéria, pretende usar armas automáticas contra elementos que roubam bancos. Imagino que insanidade seria disparar uma arma destas em meio a uma multidão. Qualquer pessoa de mediana inteligência percebe que seria uma tragédia. Acabemos logo com esta insanidade e tornemos essas polícias em guardas civis, guardas de quarteirão ou qualquer outra denominação, desde que civis, pois sua destinação é a prestação de serviço à população que é civil por excelência.

    ResponderExcluir