9 de set de 2010

Casa Militar ou casa de espionagem ?

Não sei se notaram, mas hoje (09) impera uma "sombra" na grande mídia impressa (o que fica impresso fica para sempre) sobre o caso de arapongagem militar contra políticos do PT e de extorsão de bicheiros patrocinado pelo governo tucano. A abordagem  "técnica" do caso em outros veículos (rádio e tv) também significa na minha opinião que o PIG vai tentar de tudo para colocar panos quentes no maior escândalo político que o Rio Grande do Sul já assistiu. "COINCIDENTEMENTE" o principal âncora matutino da emissora de rádio tirou férias.

Outro fato que chama a atenção, mas que o PIG e seus arautos não abordam,  é a participação efetiva  e a rodo de militares de alto escalão (Brigada Militar) na maioria dos casos de espionagem e  de falcatruas na Defesa Civil do Estado. Não sei se só eu que notei  isso, mas a sensação é de que a Casa Militar do Piratini transformou-se nesse quatro anos em uma  verdadeira central de espionagem com objetivos de tirar proveito político e financeiro. Esses oficiais, que deveriam estar trabalhado nos quartéis, combatendo a criminalidade, agora utilizam o escudo da Brigada Militar para se locupletar e espionar. O engraçado é que nem o comandante-geral, nem o secretário de segurança falam nada sobre isso e o PIG também não fará questão de cobrar. CHEGA SER NOJENTO !

2 comentários:

  1. Há quem diga que associações de brigadianos de pijama e outros grupos de dentro da corporação têm poder maior do que teve o exército durante a ditadura militar.

    ResponderExcluir
  2. Esta é de cocheira. Aumentou o consumo da vodka e do vinho branco no Palácio Piratini, apesar das "happy hours" terem se transformado em "horror hours". A vodka é muquirana, mas o vinho é nacional e do bom.

    ResponderExcluir