1 de abr de 2010

É 1º de abril, mas é tudo verdade

Parece piada de 1º de abril que o governo tucano tenha enviado ao Poder Legislativo gaúcho uma proposta vergonhosa de apenas 6% de reajuste aos professores como forma de recomposição salarial dos últimos quatro anos. Segundo o governo Yeda e seus aliados (PMDB, PTB, PP, PPS) o impacto nas contas públicas será de R$ 254 milhões até ao final de 2011. Enquanto isso os nababos do judiciário e os roliços oficiais da BM embolsarão mensalmente uma pequena bolada que pode chegar a 24 mil reais mensais. Os juízes ganharão até R$ 3 mil a mais nos seus contra-cheques e o magistério receberá um aumento de R$ 16 no vencimento básico, lamentou a presidente do Cpers, Rejane de Oliveira.

Coincidentemente esse "gasto" com os professores, como gosta de chamar o governo Yeda, é quase o mesmo valor que Yeda "investiu" anualmente na grande mídia em forma de publicidade com o seu governo. E se somarmos o "investimento" de Yeda para sustentar politicamente o seu desastrado governo via mídia juntametne com os valores desviados do Detran, chegaremos ao mesm patamar do tal impacto financeiro.


O líder do governo Yeda, o deputado Adilson Troca (PSDB), disse que não era Silvio Santos para sair distribuindo dinheiro para todo mundo. Nesse quesito o deputado tucano tem razão, o governo Yeda só deu para as elites, para os poderosos. Para o magistério e os praças da BM foram apenas as migalhas, e depois não sabem porque o Rio Grande cresce ano-a-ano como rabo de cavalo: para baixo
O pior é que hoje é 1º de abril, o dia da mentira, mas tudo isso é a pura verdade.

4 comentários:

  1. Caros do Blog,

    Saiu mais um capítulo da série A Idade das Trevas, em meu humilde blog (http://terragoyazes.zip.net). No ar e na rede: O Itamarati Tucano e a Diplomacia de Pés-Descalços!

    ResponderExcluir
  2. E ela ainda fala que é um crime não pagar os tais R$ 1500,00. Crime é se dar um aumento de 143%. Crime é não cumprir a lei do piso. Crime é não pagar o que deve.

    ResponderExcluir
  3. Atenção pessoal, caiu a casa do Fogaça, a morte do Eliseu foi sob encomenda. Queremos duas CPIS na Câmara, uma para a Saúde e outra para a morte do secretário.

    ResponderExcluir
  4. 1) Visitar escolas onde professores não dão aula direito, muitas que trabalham, apenas ditam palavras para as crianças do tipo "Seará" (aquele estado do nordeste) e outras pérolas.
    2) Exigir qualidade de seus funcionários. É o mínimo.
    3) Que lance também um PDV para quem não quer trabalhar direito e que jogue a toalha; ou fique e faça direito.
    4) Que vá para as portas dos shoppings de Porto Alegre, em dia de manifestação dos sindicatos, para ver a festa (quando pagamos para as madames passearem).
    5) Ah e quero câmara com GPS, em CFTV, em cada uma das viaturas das repartições públicas. Te garando que tem Uno Mille por aí fazendo "2 por 1" nos relatórios de abastecimento.

    O funcionalismo público tem verdadeiros heróis, é claro, mas ainda é um repositório de muita gente deitada em berço esplêndido, que só conta tempo para a aposentadoria integral.

    - A opinião é do leitorLevi Cardoso, Porto Alegre, RS. Vai registrada sem cortes.
    Postado por Polibio Braga às 13:12 9 comentários
    TOMANDO NA CUIA SÓ DO GOVERNO OLIVIO 190% DA DA TAL VONTADE POLITICA SRA. DA CAMINHE

    PROBABACA

    ResponderExcluir