23 de ago de 2011

“Estadão” crava a espada em Dilma


Por Rodrigo Vianna

A foto está na página A-7, na edição impressa do Estadão. Dilma surge levemente arqueada, e a espada de um cadete parece trespassar o corpo da presidenta. Abaixo da foto, o título “Honras Militares” – e um texto anódino, sobre a participação de Dilma numa cerimônia militar.

Faço a descrição minuciosa da foto porque a princípio só contava com uma reprodução de má qualidade (tive que fotografar a página do jornal com uma máquina amadora). Mas um amigo acaba de me mandar a imagem por email – e essa está um pouco mais nítida. Estranhamente, não encontro a foto no site do Estadão. Talvez apareça naquela versão digital para assinantes…

O editor deve ter achado genial mostrar a presidenta como se estivese sendo golpeada pelas costas. É a chamada metáfora de imagem. Mas, expliquem-me: qual a metáfora nesse caso? O que a foto tinha a ver com a solenidade de que fala o jornal? Há, no meio militar, quem queira golpear Dilma pelas costas? O jornal sabe e não vai dizer?

Ou, quem sabe, a turma do “Estadão” tenha achado graça em “brincar” com a imagem. No mínimo, um tremendo mau gosto com uma mulher que já passou por tortura na mão de militares, e hoje é a presidenta de todos os brasileiros.

Sintomático que a foto não apareça ao lado da mesma notícia na edição digital. Alguém deve ter pensado melhor e concluído: não vai pegar bem.

Por isso tudo, sou levado a pensar que Freud talvez explique a escolha da foto: a mão militar, na imagem, cumpre a função de eliminar a presidenta. E, com isso, talvez agrade a certa parcela dos leitores do jornal. Passeando pelo site do Estadão, é comum ver a presidenta chamada de “terrorista”.

2 comentários:

  1. VÃO FICAR SÓ NA VONTADE E QUE FREUD CONTINUE EXPLICANDO COMO VONTADES REPRIMIDAS COSTUMAM SE EXPRESSAR.

    ResponderExcluir
  2. Os monopóios de mídia, tanto no Brasil como aqui no RGS, não foram enfrentados nos seus interesses financeiros. A Globo, Veja, Época, Folha e Estadão continuam sugando um naco muito grande das verbas públicas de publicidade. No RGS a "PRBS", bate...bate...bate....mas leva tudo para seu cofre. A verba de mídia do Estado continua centralizada nos monopólios, e nada para os outros segmentos de comun...icação. O programa de governo Tarso, tem bem claro, que teriamos a distribuição isonômica dos recursos publicos. Infelizmente nada é assim, os governos ditos de "esquerda" despejam recursos nos monópolios, e estes atentam contra a liberdade e a democracia. Infelizmente o discurso e a prática politica não andam de "mãos dadas".

    ResponderExcluir