17 de jul de 2009

A mansão, a barraca e o apartamento

Ontem (16), na sessão plenária da Assembleia Legislativa, o deputado Raul Pont (PT) subiu à tribuna para falar da manifestação de rua dos professores, fruto de um protesto legítimo em frente à casa-mansão de Yeda (não dentro do pátio). No entanto, a BM agrediu e prendeu professores, uma vereadora, um jornalista e um repórter fotográfico.
"Falem com algum jornalista que acompanhou aquele processo para verificar se houve alguma ofensa, algum ataque ou agressão. Ao contrário, as fotos mostram a tropa de choque. Ou seja, é um governo que trata sindicalistas e professores com tropa de choque, que primeiramente bate nas pessoas para depois lhes perguntar o que estão fazendo" falou Pont.
" O deputado também falou da barraca colocada em frente ao Palácio Piratini há três meses: "Se a justificativa for o direito de ir e vir, registro que faz três meses que tenho dificuldades para chegar na Assembleia, pois a governadora enfiou uma barraca na praça e fechou a Duque de Caxias, não sei com que ordem, com licença de quem. Há três meses os deputados não podem ter acesso a esta Casa pela Jerônimo Coelho ou pela Riachuelo, porque a governadora resolveu bloquear aquela rua. E temos que enfrentar, todos os dias, um engarrafamento na Duque de Caxias para chegar aqui, o que é um inferno. Leva-se de 10 a 15 minutos da sede do TRE até a Assembleia, porque não há mais acesso."
A barraca na realidade fica fechada e foi colocada no meio da rua para bloquear o acesso de manifestantes em frente ao Palácio. Até os pipoqueiros da Praça da Matriz sabem disso. Sobre casas ou mansões recomendo a leitura de O apartamento de Olívio Dutra no RS Urgente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário