21 de out de 2009

O destino da Policia Federal no governo tucano

Hoje, pelo noticiário nacional, já deu pra ver qual será o destino da Policia Federal caso o PSDB de Serra ganhe as eleições: desaparelhamento, sufocamento financeiro, e estreitamento da atuação, provavelmente limitado ao combate ao tráfico de armas e de drogas (peixes pequenos é claro)na fronteira e olhe lá (ahahahaha). Esse negócio de combate à corrupção terá um fim rápido,afinal, segundo a progenitora maior de nsso estado, o Ministro da Justiça deixou que a PF tomasse red bull. Delegados de ponta e seus agentes serão colocados na geladeira ou mandados para alguma missão impossível. Quem não lembra dos frangalhos da Policia Federal na era FHC, que não tinham nem gasolina para fazer roda as viaturas em 2001.
Leiam um trecho da matéria que
coletei do dia 28 de fevereiro de 2002
No Pará, no Ceará e no Rio Grande do Sul, os policiais usam seus próprios carros e assinam cheques pré-datados para pagar despesas com hotéis e alimentação em viagens de serviço. As diárias também não são pagas desde julho.
A PF acumula dívidas de R$ 51 milhões para pagar credores de toda espécie, desde fornecedores de comida para presos a combustível para as viaturas. Já há ameaças de despejo dos imóveis alugados para abrigar as superintendências regionais. Na capital federal é a mesma coisa. No final do ano passado, o delegado Hélbio Dias Leite teve que cobrir um déficit mensal de R$ 1.500 com alimentação e hospedagem para concluir a apuração de fraudes na extinta Sudam.
“Às vezes tiramos dinheiro do próprio bolso para pagar hotel e usamos nossos celulares quando os telefones são cortados por falta de pagamento”, testemunha um dos chefes da Superintendência em Brasília, onde quatro linhas telefônicas foram cortadas por atraso de até seis meses no pagamento. De certa forma, pode-se dizer que o primeiro passo para acabar com a impunidade no país é pagar a conta de telefone – e também a de luz, a de água e a gasolina, no caso da superintendência do Pará. A dívida já chega a R$ 400 mil, segundo o superintendente em exercício, José Ferreira Sales. “Os números mostram a gravidade da situação, que leva à inoperância da Polícia Judiciária Federal.
Isto inibe a repressão ao crime e gera na sociedade a incomoda sensação de impunidade”, protesta o juiz federal substituto da Terceira Vara do Pará, Herculano Martins Nacif. Ele encaminhou ofício esta semana ao presidente Fernando Henrique e ao ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, denunciando a precária situação da Polícia Federal no estado. A pindaíba já levou a própria direção da PF à porta do ministro Aloysio Nunes. Indignado com a pressão dos credores, o delegado Itanor Carneiro (que substituiu Agílio Monteiro na direção geral) encaminhou três ofícios desde o início do ano ao ministro da Justiça, clamando por recursos.
Neles, listou o tamanho e a evolução das dívidas penduradas em cada superintendência e em organismos especializados, como a Interpol. Carneiro não quis dar entrevista sobre o assunto. A chefe da Divisão de Comunicação Social da PF, Viviane da Rosa, assumiu o papel de porta-voz da crise. “São dívidas que passam de um ano para o outro, o que não é uma situação exclusiva da Polícia Federal”, disse ela, relativizando o problema. Mas reconheceu: “R$ 51 milhões de dívidas, porém, é um valor muito alto”.
Na última quarta-feira, o Tesouro Nacional anunciou que serão liberados R$ 11 milhões para atender algumas das necessidades mais urgentes, como pagar aluguéis de imóveis.
SERÁ QUE MINHA TESE ESTÁ ERRADA ??
fonte: http://www.grupos.com.br/grupos/policia-br

Nenhum comentário:

Postar um comentário