27 de nov de 2009

Conselheiro da impunidade

A falta de vergonha na cara dos parlamentares da base de Yeda já é conhecida, assim como a ausência de escrúpulos, mas votar e aprovar o nome do deputado Marco Peixoto para a vaga de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado é passar um atestado frio de que esse governo e seus aliados na Assembleia não estão nem ai para o gaúchos e a opinião pública. Provavelmente confiam no tempo e no esquecimento da população sobre este e outros temas cabeludos.

Abaixo estão os deputados que votaram a favor do conselheiro Marco Peixoto

Alexandre Postal (PMDB), Sandro Boka (PMDB), Adroaldo Loureiro (PDT), Silvana Covatti (PP), Pedro Pereira (PSDB), Pedro Westphalen (PP), Kalil Sehbe (PDT), Jorge Gobbi (PSDB) e Iradir Pietrosky (PTB).

4 comentários:

  1. A falta de vergonha dos políticos não é novidade, mas o que causa profundo nojo é a reação hipócrita dos falsos moralistas, especialmente dos funcionários do TCE - somente agora eles descobriram que é necessário ter reputação ilibada, idoneidade moral e conhecimentos técnicos para ser conselheiro do TCE. Prometem até abraçar o prédio... Onde é que eles estavam nesses anos todos, período em que a suposta donzela foi sistematicamente violada por muita gente? Cumplicidade tem preço - talvez a morte da galinha dos ovos de ouro... Cambada de marajás inservíveis! Falsas vestais.
    Corsário

    ResponderExcluir
  2. Estes "votantes" no Marco Peixoto, são diferentes dele?
    Claro que não!
    Não por acaso o RS está como está!
    Não me enganam!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo blog, excelente!!!
    Nosso Estado é - hoje - a "Impunidade Grande do Sul". Uma vergonha total.
    Fizemos (somos um grupo independente de Técnicos-Científicos) uma postagem sobre o "pacote de bondades" do desgoverno Yeda entitulado "A Bola do Jogo".
    Está em http://tecnicos-cientificos.blogspot.com/
    Todos são bem-vindos a participar.
    Um grande abraço a todos!

    ResponderExcluir
  4. Vergonha mesmo foi o que fez a gauchada ao votar na Yeda.

    ResponderExcluir