4 de jun de 2010

PF: do fundo do poço para os céus

É coerente a posição do Sindicato dos Policiais Federais que tomaram posição política de declarar apoio à candidatura do ex-ministro da Justiça Tarso Genro ao governo do Estado. A indignação dos tucanos é pura balela. O deputado federal Ruy Pauletti (PSDB) afirmou que a Polícia Federal (PF) estava a serviço do ex-ministro.
Na realidade as operações Rodin e Solidária da PF desvendaram o mundo da falcatruagem e de desvios de recursos públicos no governo Yeda (Detran) e da prefeitura de Canoas (desvios em licitações de obras e da merenda escolar), tendo em ambas o bico enlameado de tucanos de alta plumagem. Tarso Genro deu a resposta na medida para os tucanos: " Quem não gosta do trabalho da Polícia Federal normalmente tem algum vínculo com a corrupção ou com o crime".
Sempre é bom lembrar que foi na gestão das trevas de FHC que a instituição Polícia Federal ultrapassou o fundo do poço. Nem mesmo gasolina para viaturas a PF possuia, e seus delegados eram obrigados a financiar com seus próprios salários algumas operações. Na grande maioria das vezes essas operações se limitavam ao tráfico de drogas, para a alegria dos criminosos engravatados que circulam pelos palácios e com trânsito em todos os governos e partidos.
A mudança veio no governo Lula, que fez da Polícia Federal uma das melhores e mais modernas estruturas de combate ao crime e a corrupção. Salários dignos, infraestrutura, e uma moderna rede de inteligência fizeram dessa instituição uma ferramenta que amedronta os bandidos de colarinho branco,funcionários públicos corruptos e as mais sofisticadas quadrilhas.
Ter posição política todos nós temos, ninguém é neutro, a questão é outra: os servidores da PF sabem que governo puxou a instituição do fundo do poço, que hoje navega em céu de brigadeiro em modernos jatos a serviço do povo brasileiro, nos enchendo de orgulho.
Tomara que o Tarso possa, caso se eleja governador, elevar nesse mesmo patamar as ações dos servidores da segurança pública no RS .

Nenhum comentário:

Postar um comentário