25 de ago de 2010

Capitulação ideológica no jornalismo guapo ?

Compartilho o artigo que recebi do Jornalista Pedro Pomar, que faz uma dura critica ao Sindicato dos Jornalistas do RS, por aceitar anúncios dos grupos RBS e Record no jornal da entidade.

Sindicato dos Jornalistas do RS publica anúncios dos grupos RBS e Record no jornal da entidade


Na sua edição de agosto de 2010, dedicada ao 34º Congresso Nacional dos Jornalistas, realizado em Porto Alegre, o jornal Versão dos Jornalistas, do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, traz um anúncio de página inteira do Grupo RBS (página 3) e outro de página inteira do Grupo Record (página 6). Publicidade institucional, na qual o Grupo RBS diz ser “do tamanho dos seus profissionais”, ao passo que o Grupo Record anuncia seu “compromisso com os gaúchos”.

O Grupo RBS, ou Rede Brasil Sul, é hoje um dos principais protagonistas do oligopólio midiático que controla 90% da comunicação social praticada em nosso país. Trata-se de um caso clássico de propriedade cruzada de emissoras de televisão, rádio, jornais, portal e vários outros meios e empreendimentos. A façanha mais recente do Grupo RBS, sediado em Porto Alegre (onde estão a RBS TV e o jornal Zero Hora, seus principais veículos), foi haver adquirido os principais jornais diários de Santa Catarina, o que levou o Ministério Público Federal a processá-lo por monopólio da imprensa.

O Grupo Record é outro importante condômino do oligopólio midiático, sediado em São Paulo, base da TV Record. O anúncio no jornal exibe suas conquistas em território gaúcho: o jornal
Correio do Povo e a Rádio Guaíba. Seu proprietário de fato, o poderoso bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, tem sido citado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) como beneficiário da maligna decisão do Supremo Tribunal Federal de derrubar o diploma de jornalista como exigência para o exercício da profissão. É que Macedo obteve recentemente, no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, sentença que obriga o Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro a emitir, para ele, a carteira de jornalista profissional, algo que ele de fato não é.

Portanto, a direção do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul conseguiu uma dupla “proeza”, que nem mesmo os pelegos clássicos sonhariam obter. Em primeiro lugar, permitiu aos patrões financiar a atividade sindical dos trabalhadores jornalistas, particularmente a sua imprensa, por meio de publicidade. Em segundo lugar, ela abriu as páginas do jornal da entidade não para uma empresa qualquer, o que já seria péssimo, mas para dois dos conglomerados que controlam as mídias no Brasil. E que, obviamente, exibem um enorme contencioso com o movimento sindical dos jornalistas e com os movimentos sociais.

Assim, em troca de alguma quantia em dinheiro (não importa o valor), a direção do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul vendeu a sua independência de classe perante o patronato. A direção da Fenaj, que tem vários de seus componentes entre os diretores do Sindicato gaúcho, não se manifestou, o que indica concordância com essa capitulação política e ideológica. Como agravante, o fato já citado de que a edição de agosto trouxe o noticiário do 34º Congresso Nacional dos Jornalistas e um encarte com as teses inscritas.

Num momento acalorado dos debates congressuais, agitei o anúncio da RBS diante do presidente do Sindicato, para que se explicasse. Sua defesa: “Mas eles pagaram! É pago”. Tal informação sugere que o pagamento dessa publicidade redimiria a direção sindical. Mas, infelizmente, isso só piora as coisas. Mesmo porque a simples leitura do texto indica que se trata de um anúncio de ocasião, elaborado expressamente com a finalidade de ser publicado no jornal Versão dos Jornalistas.

Sindicatos não podem receber dinheiro dos patrões. A publicação, em mídias sindicais em geral, de anúncios de qualquer tipo de empresa, mesmo que de setores econômicos diferentes, já é uma prática suficientemente grave, pois suscita conflito de interesses e introduz uma lógica comercial estranha à atividade sindical. Porém, a publicação, em jornal de sindicato de jornalistas, de anúncios institucionais de conglomerados de mídia que empregam esses profissionais é simplesmente inacreditável e sintoma do pior pragmatismo.

Ao publicar a peça publicitária do Grupo RBS, por exemplo, o Sindicato, queira ou não, está endossando o seu conteúdo, afirmações como “só se tornou um dos maiores grupos de comunicação do país porque sempre investiu nos seus jornalistas”, “incentivando a prática dos valores essenciais para o desempenho da profissão”... Com a palavra, os jornalistas gaúchos, bem como os movimentos sociais.


Pedro Pomar
Jornalista, delegado ao 34º Congresso



2 comentários:

  1. Nos 75 anos de aniversário do SindJornRS, o Grupo RBS tb foi anunciante da edição comemorativa, pág. inteira.

    ResponderExcluir
  2. Realmente não sei qual é a surpresa. Há décadas que o sindicado dos jornalistas diz amém para os arrochos salariais, fim do quinquenio, e o fim de outros direitos trabalhistas. O valor de todos os dissidios tem sido decididos pela RBS. Trabalhei 6 anos no Jornal do Comércio e um sujeito que entrasse naquele dia sairia recebendo o mesmo salário que eu. Que tipo de política salarial é essa? Por isso fui embora, da cidade, do estado e do país. Bye bye Brasil!

    ResponderExcluir