1 de abr de 2009

Paiani depõe na Assembleia


A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa ouviu hoje (01/04) , o depoimento do ex-ouvidor da Segurança Pública, Adão Paiani. Questionado pelo presidente da Comissão, deputado Dionilso Marcon (PT) se a origem das gravações (legais ou ilegais) que recebeu são da promotoria de Lajeado, conforme o promotor da cidade Rui Porto alega, o ex-ouvidor bateu na mesa e desafiou Porto para uma acareação pública. Segundo Paiani as denuncias que fez referente às escutas ilegais envolveriam crime contra a administração pública, envolvendo membros do governo Yeda. O ex-ouvidor afirma que até mesmo os peixes do Rio Taquari sabem que as gravações que recebeu não são de origem do MP, pois se o fossem, então, a Instituição MP cometeu falta gravíssima ao não abrir processo de investigação contra o chefe de gabinete da governadora, Ricardo Lied. Nas gravações, Lied conversa com seu primo e vereador do PSDB, cassado pelo TRE, Márcio Klauss. No diálogo fica claro que Lied usou o Sistema de Informações Integradas da Segurança Pública para levantar a "ficha" do então candidato a prefeito do PT em Lajeado, Luis Fernando Schimdt para Klauss. Paiani sugeriu que o nome, a matricula, a data e a hora em que servidor abriu o sistema integrado para investigar Schimdt está registrado e basta buscar onde está lotado esse servidor atualmente. Paiani também desqualificou a matéria veiculada no jornal Zero Hora de ontem (31) em que o denunciante - no caso ele - aparece como denunciado. A matéria tem manchete denominada: Inquérito Lança Suspeita sobre ex-ouvidor. ZH vai mais longe e sugere que o promotor do MP, Flávio Duarte, que investiga o caso pode enquadrar o ex-ouvidor por quebra do sigilo previsto na Lei das Interceptações Telefônicas (até quatro anos de reclusão) e de exercer função pública após a exoneração. Segundo Paiani, ele já estava exonerado há três dias quando foi a cidade e que não recebeu as gravações de Rui Porto mas de uma outra fonte e que o crime foi praticado por membros do governo Yeda ao usar o aparelho de Estado para fins políticos partidários.

2 comentários:

  1. Paiani já não precisa ser indiciado a ZERO HORA já o condenou por denunciar sua maior patrocinadora a Governadora Ieda Crusius.

    O Lied deverá ser promovido e o Paiani preso segundo a RBS.

    Essa é a isenta imprensa gaúcha. Podre.

    ResponderExcluir
  2. Brabo é aguentar esse lixo midiático q enfesta o Brasil.

    Temos q vrer esses "jornalistas" e seu veículos nazi-fascistas em nome do futuro q qeremos:

    Direitos e deveres iguais.

    Inté,
    Murilo

    ResponderExcluir