20 de jan de 2010

Maior obra de tecnologia do país e da América Latina não tem apoio da prefeitura e do governo do Estado

Chega a dar vergonha o que está publicado hoje em Zé H (20) no Informe Econômico . Segundo apurou a jornalista Maria Isabel Hammes, o complexo da Ceitec, a maior obra de tecnologia do país, primeira empresa especializada pelo desenvolvimento e produção de chips da América Latina sofre com os buracos na Lomba do Pinheiro e com a falta de calçada. O presidente da Ceitec, o alemão Eduard Weichselbaumer, desaba ao falar da "colaboração" do Estado e do município no projeto:
– Não temos calçada, e a nossa rua (Lomba do Pinheiro) está cheia de buracos. E olha que transportamos equipamentos sensíveis. Weichselbaumer afirma ainda que a falta de apoio do Estado e do município representa um cartão de visitas às avessas e lamenta, pois já tem prontos os planos de expansão.
A jornalista Maria Isabel Hammes informa ainda que há pouca concorrência no Brasil e na América Latina no setor. Segundo ela, não existe indústria de semicondutores no continente e a Ceitec pode elevar o percentual da participação da indústria eletrônica no PIB. Hoje, nações desenvolvidas têm percentual de 12%, enquanto que aqui representa apenas 1,9%.
Quem sabe o prefeito Fogaça, que há 7 anos está emburacado na prefeitura, dá uma mãozinha e manda tapar os buracos na Lomba do Pinheiro e de lambuja colocar uma calçadinha básica no acesso ao prédio. E a governadora Yeda, que fez festa para a duplicação de mentira da Aracruz, ( que já se impirulitou daqui), bem que poderia ter a dignidade de investir na Ceitec, que é real e realmente concreto, ao invés de torrar R$ 1 bilhão com empreiteiras para tapar buracos das estradas com asfalto de péssima qualidade.
O presidente Lula inaugura a obra em Feverereiro, com presença de Dilma Rousseff ( ahahahah)

3 comentários:

  1. As iniciativas de tecnologia, ciência e inovação, todas as empresas de manufaturas sofisticadas estão subrepresentadas no PAC.
    Tudo aquilo que gera emprego para a classe média portadora de diploma, no PAC é decorrência e não causa de iniciativas, salvo na área militar.
    A classe média tem de se tocar que isso ocorre porque ela fica acendendo vela para a tucanalha, que é quem além de não fazer nada nesse sentido, tem nojo de quem trabalha.
    O mundo mágico do petismo é o desemprego zero e o consumo popularizado. Não existe nele rechaço a um PAC tecnoógico, apenas a prioridade para a empresa de maior geração de empregos para o povão.
    O mundo mágico do tucano é a grande jogada, a expatriação da bolada para Caiman, a compra da casa com heliponto em Jurerê Internacional. Na falta da grande jogada, é o dr. Robalo discutindo quantos cadernos o "querido irmão pic-pic-pic" vai receber.
    Então, a solução é compor com o lulismo e arranjar espaço na agenda petista para projetos que criem empregos para cientistas e engenheiros.

    ResponderExcluir
  2. Não tem jeito mesmo: Porto Alegre e o Rio Grande velho estão sendo governados por uma chinelagem!

    ResponderExcluir
  3. Dilma está criando um novo vocábulo: PETRALHÓQUIO. = PT + METRALHA + PINÓQUIO

    ResponderExcluir